MAÇONARIA

 

 

Editorial do dia 8 de Março de 2015  

 

Nesta Página da Amen, pode encontrar a abordagem do Tema Global da

MAÇONARIA

ÍNDICE 

 O que é a maçonaria

 As diversas maçonarias

 As lojas maçónicas

 A maçonaria na história

 A maçonaria na Doutrina da Igreja Católica

 A maçonaria nas Revelações Privadas

 

 

 O que é a maçonaria

 Não pretendo minimamente aprofundar ou escrever um tratado sobre a maçonaria, pois existe material abundante na net e literatura em papel.

Limitar-me-ei a escrever o imprescindível e mais relevante, na óptica da Doutrina da Igreja Católica e da Salvação das almas, para ser conhecido o fundamental sobre a maçonaria, como séria advertência aos que dela fazem parte e para aqueles que estão em risco de nela entrarem.

A palavra maçonaria, é uma simplificação da francomaçonaria, e provém do francês maçon, ou pedreiro, maçonnerie, que significa "construção", e também é conhecida como a associação dos pedreiros livres pensadores.

A maçonaria actual teve o seu berço em Inglaterra nos início do século XVIII e expandiu-se rapidamente para França e o resto do mundo, tendo estado na origem do derrube sangrento das monarquias europeias.

A Revolução Francesa foi obra dos francomaçons. Na obra Voltaire - Oeuvres complètes - II. Na página 153, pode ler-se :

 «A mentira é um erro quando é culpa de um mal, dizia Voltaire ao combater a Igreja, mas quando causa “algum bem” é uma virtude. Deve-se portanto mentir como o diabo, não com precauções, mas destemidamente, não uma vez só, mas sempre. Menti, amigos, menti.»

A independência do Brasil foi forjada nas lutas liberais em Portugal, levadas a cabo pela maçonaria portuguesa. Sobre este tema aconselho a leitura de “A verdadeira história da guerra civil”, escrita por Paul Siebertz. Na página 273, pode ler-se:

«… as lojas se serviam daquela arma que o “irmão” Voltaire preconizara como a mais eficaz entre todas - a mentira sistematicamente divulgada e insistentemente repetida.» ( …) Foi espalhando mentiras que as sociedades secretas conseguiram sempre os seus êxitos. Chegaram a fazer da aplicação desse preceito voltairiano uma ciência, narrando os factos de maneira oposta ao que na realidade se passava. Aplica-se aqui o adágio inglês, segundo o qual “nada morre com tanta dificuldade como a mentira».

Podemos concluir, pois, que o princípio básico que norteou a maçonaria, desde a sua fundação, foi sempre o do seu fundador e pai espiritual, satanás:

“Mintam, mintam, mintam, mintam, mintam até a mentira se tornar verdade!”

É este o espantoso princípio que vemos diariamente levado à prática, com caras angelicais, e sem qualquer tipo de pudor, por todos os actuais governantes, quer a nível nacional quer a nível mundial.

Os maçons reúnem-se secretamente em locais determinados para conjurarem os seus planos e executarem os seus Ritos, nas Lojas.

Para além dos maçons, há os maçónicos, que não estando inscritos nem sendo participantes dos rituais nas Lojas, se submetem aos seus princípios com subserviência, para alcançarem benefícios sob a forma de poder, bons empregos, projecção social, protecção e vantagens em negócios e benefícios financeiros.

Os maçons controlam os partidos e o acesso a cargos políticos em quase todo o mundo, bem como as grandes organizações internacionais.

As diferentes Lojas digladiam-se na conquista do poder, dentro dos Partidos e entre os Partidos, com programas distintos mas muitos semelhantes, criando o que normalmente é conhecido pelo chavão da alternância democrática. Digladiam-se também, através dos grandes grupos económicos e financeiros, pela conquista dos grandes negócios das Obras Públicas e demais Investimentos do Estado.

Há duas organizações que funcionam como portas de entrada para a maçonaria e são verdadeiros centros de recrutamento - o Rotary Club e o Lions Club.

A maçonaria é uma seita (1), satânica (2), secreta (3), laica (4), iniciática (5), ritualista (6), falsa (7), perigosa (8) e sub-reptícia (9), cujo principal objectivo é destruir a Igreja e controlar o mundo.

(1) seita - A maçonaria é  uma seita, porque cria uma divisão ou clivagem dentro do corpo legislativo e social em que opera, com uma filosofia e princípios diferentes dos constantes da Constituição e Legislação Nacionais em vigor. A sua etimologia do latim, aponta para (secta = "seccionar", "dividir"), sectar, que de uma forma geral é um conceito complexo utilizado para grupos que professem doutrina, ideologia, sistema filosófico ou político divergentes da correspondente doutrina ou sistema dominantes.

 

(2) satânica - A maçonaria é de inspiração satânica e visa a destruição da Igreja e o controlo do mundo, através de uma hierarquia absoluta e férrea, que controla e impele todos os seus membros a agirem segundo as decisões que vêm do topo dos 33 graus da sua pirâmide de comando, e à medida que os membros vão subindo de grau, vão tomando conhecimento progressivo de novas regras e condutas obrigatórias, chegando nos últimos graus a ter que prestar culto e adoração a Lúcifer. A maçonaria abole a crença e a Fé Cristã de um só Deus, e substitui-O por um falso deus, o Grande Arquitecto do Universo (GADU).

Subindo até o topo da hierarquia da maçonaria, encontramos a Cabala judaica, o anti-cristo e, acima de todos, o próprio Lúcifer.

Nas Mensagens de Nossa Senhora ao Padre Gobbi podemos encontrar inúmeras mensagens desmascarando a maçonaria e advertindo-nos para o seu perigo. Apresento algumas passagens mais significativas no que diz respeito à sua proveniência satânica:

Padre Gobbi 13 de Junho de 1989

Se o objectivo da maçonaria é de conduzir as almas à perdição, levando-as ao culto de falsas divindades, o objectivo da maçonaria eclesiástica é, por outro lado, de destruir Cristo e a sua Igreja, construindo um novo ídolo, isto é, um falso Cristo e uma falsa Igreja.

Padre Gobbi 17 de Junho de 1989

A maçonaria eclesiástica recebe ordens e poder das lojas maçónicas e trabalha para conduzir secretamente todos a fazer parte destas seitas secretas.

Neste período histórico, a maçonaria ajudada pela maçonaria eclesiástica, conseguirá o seu grande intento: construir um ídolo para colocar no lugar de Cristo e da sua Igreja.

Um falso Cristo e uma falsa Igreja. Portanto, a estátua construída em honra da primeira besta, para ser adorada por todos os habitantes da Terra e que assinalará com a sua marca todos aqueles que queiram comprar ou vender, é a do anticristo.

Chegaste assim ao vértice da purificação, da grande tribulação e da apostasia.

A apostasia será então generalizada porque quase todos seguirão o falso Cristo e a falsa Igreja.

Então, será aberta a porta para o aparecimento do homem ou da própria pessoa do anticristo!

Nas Revelações de Jesus à Agnès Marie podemos ler:

Agnès Marie 30 de Setembro de 1999

Eu quero combater a franco-maçonaria que na verdade, como o indica o título do livro de Maurice Caillet, é um pecado contra o Espírito, pois a franco-maçonaria utiliza todas as suas capacidades e as de seu pai satanás, para Me prejudicar e para prejudicar todos esses pequenos que são Meus.

A maldição que mais particularmente diz respeito à franco-maçonaria é esta: "Ai de vós escribas e fariseus hipócritas, que percorreis mares e continentes para conseguir um adepto, e, quando o conseguis, tornai-lo digno da geena duas vezes mais que vós!".

Agnès Marie 10 de Fevereiro de 2000 

A tempestade é ainda e sobretudo a da consumação iminente da abominação da desolação: satanás que dirige "a besta de dois chifres" (a franco-maçonaria eclesiástica) vai sentar-se por um tempo muito curto - pois Eu não o suportarei - no Trono de Pedro. Esse curto tempo será terrível.  

Vou apresentar mais pormenores sobre a proveniência satânica da maçonaria e a oposição frontal da Igreja Católica nos capítulos - A maçonaria na Doutrina da Igreja Católica   e   A maçonaria nas Revelações Privadas.

 

(3) secreta - A maçonaria vive e tem sobrevivido através do secretismo dos nomes dos seus membros, dos locais de culto e reunião, dos seus rituais e dos seus objectivos, estratégias e tácticas. Só temos vindo a tomar conhecimento dos seus segredos, através de dissidentes que, arrependidos, divulgam as maquinações do seu funcionamento.

Padre Gobbi 11 de Junho de 1988

Existe uma subtil e diabólica táctica, tramada secretamente pela maçonaria, que é usada hoje nas confrontações ao Santo Padre para colocar em ridículo a sua Pessoa e a sua obra e para tornar em vão o seu Magistério.

Padre Gobbi 17 de Junho de 1989

A maçonaria eclesiástica recebe ordens e poder das lojas maçónicas e trabalha para conduzir secretamente todos a fazer parte destas seitas secretas.

 

(4) laica - A maçonaria é uma seita laica porque a sua filosofia rejeita a influência da Igreja na esfera pública do Estado,  considerando que os assuntos religiosos só devem pertencer à esfera privada de cada indivíduo. Tentam assim evitar a ingerência da Igreja Católica na sua acção política.

 

(5) iniciática - A maçonaria é uma seita iniciática porque só pode nela ingressar quem se submeta á cerimónia de iniciação, verdadeiro “baptismo” maçónico, que significa literalmente o começo, e simboliza a passagem das trevas á “luz”.

 

(6) ritualista - A maçonaria é ritualista, porque as suas reuniões obedecem a determinados ritos, que traduzem simbolicamente, sínteses e sabedoria, remontando aos tempos mais recuados.

 

(7) falsa - A maçonaria é uma seita falsa porque os seus verdadeiros desígnios e mais profundos objectivos, são encapotados pela enunciação de princípios louváveis e justos, mas só na aparência e na superficialidade. O princípio básico que norteou a maçonaria desde a sua criação, e para a conquista do poder, foi sempre:

 “Mintam, mintam, mintam, mintam, mintam até a mentira se tornar verdade!”

Veladamente, o grande objectivo da maçonaria é a destruição da Igreja Católica, e para isso, traçou o conhecido Master Plan. Este plano foi traçado, na mesma época do fecho do Concílio Vaticano II, nos E.U.A e descoberto pelo Dr. J. Dominguez que o deu a conhecer ao mundo.  

 

(8) perigosa - A maçonaria é uma seita perigosa porque pesa nas suas costas a responsabilidade de milhares de assassinatos, executados nas provas iniciáticas dos seus membros. Ultrapassada a fase iniciática, também nas suas fileiras, e para atingirem os seus objectivos de conquistarem o poder político, foram executados assassinatos, dos quais ainda estão bem presentes na memória dos Portugueses o assassinato do Rei Dom Carlos e do seu filho, no Terreiro do Paço, e do Presidente da Republica Sidónio Pais, na gare do Rossio, todos  executados por membros da Carbonária. Estes crimes hediondos nunca foram punidos pelo regime Maçónico e Republicano implantado em Portugal em 1910. E o que pensar também sobre o assassinato de Sá Carneiro, de Adelino Amaro da Costa e os restantes ocupantes do avião, que foi sabotado e explodiu sobre Camarate …?

Para além do perigo que a maçonaria representa para aqueles que se tornam seus inimigos, ela é muito mais perigosa para os seus membros, pois todo aquele que se torna maçon, auto-excomunga-se, isto é, condena-se ele próprio ao inferno. Foi decretado pela Igreja Católica que a maçonaria e a Igreja Católica são incompatíveis, e que todo aquele que se torne seu membro, fica automaticamente excomungado.  

 

(9) sub-reptícia - A maçonaria é uma seita sub-reptícia porque age, como o seu pai espiritual, Lúcifer, de uma forma escondida e dissimulada, longe das luzes da ribalta, controlando os órgãos de comunicação social e outros organismos públicos e de soberania, infiltrando-se nas instituições que pretende minar e destruir. Por um lado conquista o poder dentro dos Partidos e assim chega aos Governos das Nações e instituições internacionais, e por outro lado infiltra-se na Igreja, para a destruir a partir de dentro, sabotando o funcionamento das Congregações  e minando as consciências e a Doutrina Católica.

 

Para aprofundar a estrutura da maçonaria internacional, aconselho a leitura do artigo sobre a New Age (Nova Era) e das forças que a sustentam, nomeadamente a maçonaria, publicado na revista “Le Sourire de Marie” nº 286 de Junho/Julho de 2001, e que pode fazer a leitura e o download no seguinte link:

Le Sourire de Marie nº 286  

O principal símbolo Maçónico é a Estrela de cinco pontas, ou Pentagrama.

Pentagrama

 

 As diversas maçonarias

As diversas Lojas que constituem a maçonaria não têm todas a mesma agenda e os mesmos programas ou regras, os Ritos, e por isso, na prática, assistimos a uma luta encarniçada entre elas pela conquista do poder, quer autárquico, quer governamental, demais órgãos do poder e pelos negócios e negociatas, sejam eles pequenos ou grandes.

Quando olhamos de uma forma global para a maçonaria devemos distinguir dois grandes níveis em que ela existe:

A maçonaria visível e a maçonaria invisível.

A maçonaria visível é composta por gente que dá o nome e a cara na comunicação social. São normalmente peixe miúdo, mas que se faz passar por importante.

A maçonaria invisível é composta por gente que se mantém no anonimato e poucos sabem quem são, e são esses que detém o verdadeiro poder nas Lojas e no mundo.

Basicamente, a maçonaria é uma organização dentro de outra organização. Uma organização é deliberadamente enganada com mentiras e levada a crer em falsas interpretações, enquanto a organização superior e mais elevada conhece a verdade espiritual a respeito da maçonaria, e abraça-a de todo o coração, alma e mente. Sobre este assunto devemos prestar atenção ao que escreveu o autor maçon Manly P. Hall, sobre essa organização bidimensional que é a maçonaria. [Hall foi honrado pelo The Scottish Rite Journal, que o chamou de “O Ilustre Manly P. Hall’, em Setembro de 1990, e também de ‘O Maior Filósofo da Maçonaria’, dizendo, “O mundo é um lugar muito melhor por causa de Manly P. Hall, e somos melhores pessoas por o termos conhecido, a ele e a sua obra”.

Texto de Manly P. Hall - Lectures on Ancient Philosophy, página 433

A Maçonaria é uma fraternidade dentro de uma fraternidade - uma organização exterior que esconde uma irmandade interior dos eleitos.... é necessário estabelecer a existência dessas duas ordens separadas, porém independentes, a visível e a outra invisível. A sociedade visível é uma esplêndida camaradagem de homens ‘livres e aceites’ que se reúnem para dedicarem seu tempo às actividades éticas, educacionais, fraternais, patrióticas e humanitárias. A sociedade invisível é uma fraternidade secreta e augustíssima [de majestosa dignidade e grandiosidade], cujos membros se dedicam ao serviço dos arcanos [segredos, mistérios].”

Existem mesmo membros, que já tendo atingido os graus 32 e 33 dentro das Lojas, que não acreditam que a maçonaria seja satânica, porque não tendo consciência do que se passa acima das Lojas em que militam, desconhecem os segredos da maçonaria invisível, já denunciada por inúmeros convertidos que a abandonaram, e confirmada por homens como Manly P. Hall.

Há também um outro prisma para olhar para a maçonaria e detectar dois tipos de maçonaria (se assim lhe podemos chamar),

a maçonaria regular   e a   maçonaria eclesiástica.

A maçonaria regular é a que se ocupa da conquista do poder civil e dá cobertura e controla todas as principais linhas de acção, bem como orienta a maçonaria eclesiástica.

A maçonaria eclesiástica, é a infiltrada na Igreja Católica, secretamente e a partir dos seminários, e tem por objectivo destruir a Igreja a partir de dentro. A propósito da maçonaria eclesiástica, será bom recordar uma entrevista que o Padre Gabriel Amorth deu em 6 de Junho de 2001.

Entrevista ao Padre Gabriele Amorth  

A maçonaria regular, para além de dar instruções à maçonaria eclesiástica, controla a New Age e outras falsas religiões e seitas, bem como a difusão de filosofias contrárias à Doutrina da Igreja Católica. Fomenta também a criação da Religião Única e o Governo Mundial, que serão comandados pelo anticristo.

Devemos também tomar conhecimento da Carbonária, uma organização secreta e perigosíssima, que manteve elementos e membros comuns com a maçonaria regular ao longo da história, e que levou a que em certos momentos não se soubesse distingui-las. A Carbonária actuou principalmente em Itália, onde nasceu, França, Espanha e Portugal. Os membros da Carbonária, principalmente constituída por gente proveniente da pequena e média burguesia, tratavam-se por primos. As associações da Carbonária tinham uma relação hierárquica. Chamavam-se choças (de menor importância), barracasvendas, sendo estas as mais importantes. As vendas, cada uma contendo vinte membros, desconheciam os grandes chefes. Todas as orientações eram transmitidas por elas. Havia uma venda central, composta por sete membros, que chefiava o trabalho das demais. A Carbonária, como sociedade secreta, não anunciava as suas actividades.

 

Roda maçónica - Organização interna da maçonaria

Para ler sobre a chave de interpretação desta Roda maçónica, ler o seguinte artigo:

Le Sourire de Marie nº 286  

Para aprofundar a relação entre a maçonaria e o judaísmo, bem como também a interpretação desta Roda maçónica ler o Ponto 18º da Cabala Judaica e o Dossier sobre o Judaísmo:

O Judaísmo  

 

 

 As lojas maçónicas

Por todo o mundo, os maçons juntam-se, formando lojas maçónicas (que são a organização, e não os edifícios onde se reúnem) de modo a trabalharem nos diferentes graus simbólicos da maçonaria:

·         1º grau - Aprendiz

·         2º grau - Companheiro

·         3º grau - Mestre

·         4º grau -  Mestre Secreto

·         5º grau -)Mestre Perfeito

·         6º grau - Secretário Íntimo ou Mestre por Curiosidade

·         7º grau - Preboste e Juiz

·         8º grau - Intendente dos Edifícios

·         9º grau - Cavaleiro Eleito dos Nove

·         10º grau - Cavaleiro Eleito dos Quinze

·         11º grau - Sublime Cavaleiro dos Doze

·         12º grau - Grão-mestre Arquitecto

·         13º grau - Cavaleiro do Real Arco

·         14º grau - Prefeito e Sublime Maçom

·         15º grau - Cavaleiro Do Oriente

·         16º grau - Príncipe de Jerusalém (Grande Conselheiro)

·         17º grau - Cavaleiro do Oriente e do Ocidente

·         18º grau - Cavaleiro Rosa-Cruz ou Cavaleiro Águia Branca

·         19º grau - Grande Pontífice ou Sublime Escocês

·         20º grau - Soberano Príncipe da Maçonaria ou Mestre "ad vitam"

·         21º grau - Cavaleiro Prussiano ou Noaquita

·         22º grau - Cavaleiro Real Machado ou Príncipe do Líbano

·         23º grau - Chefe do Tabernáculo

·         24º grau - Príncipe do Tabernáculo

·         25º grau - Cavaleiro da Serpente De Bronze

·         26º grau - Príncipe da Mercê ou Escocês Trinitário

·         27º grau - Grande Comendador do Templo

·         28º grau - Cavaleiro do Sol ou Príncipe Adepto

·         29º grau - Grande Cavaleiro Escocês de Santo André da Escócia ou Patriarca das Cruzadas

·         30º grau - Grande Inquisitor, Cavaleiro Kadosh ou Cavaleiro da Águia Branca e Negra

·         31º grau - Grande Juiz Comendador ou Inspector Inquisidor Comendador

·         32º grau - Sublime Cavaleiro do Real Segredo ou Soberano Príncipe da Maçonaria

·         33º grau - Soberano Grande Inspector-Geral.

As diversas maçonarias nacionais estão divididas por Oficinas, que podem ser constituídas por Lojas (com um mínimo de sete Mestres Maçons) ou Triângulos maçónicos (com um mínimo de 3 Mestres maçons), independente do Rito praticado.

As Lojas são compostas, geralmente, pelos seguintes cargos:

·         Venerável ou Presidente.

·         Primeiro Vigilante: responsável pelos companheiros ou aprendizes

·         Segundo Vigilante: responsável pelos aprendizes ou companheiros

·         Orador: representante da Lei maçónica e que sintetiza as conclusões de cada reunião

·         Secretário: redige as atas e serve como mediador entre a Loja e a Obediência

·         Chanceler: responsável pelos documentos de frequência e visitas

·         Tesoureiro.

·         Mestre de Cerimónias, responsável pelo protocolo.

·         Guardião (do Templo), responsável por verificar a entrada do Templo ou Loja, podendo impedir a entrada de pessoas ou Irmãos não autorizadas a entrar nos seus recintos

 

 

 A maçonaria na história

Na curta história de 3 séculos da maçonaria, vemos claramente desenhada a sua meta e a sua estratégia. Como a maçonaria é de inspiração satânica, a sua grande meta é a de levar à condenação eterna do inferno o maior número de almas possível. Para atingir esta sua grande meta, definiu os seus grandes objectivos:

1º Objectivo - Destruir a Igreja.

2º Objectivo - Conquistar o poder político do mundo.

3º Objectivo - Preparar o mundo e as consciências para a vinda do anticristo, que será adorado como um deus, como o messias que veio salvar a humanidade do estado calamitoso em que se encontrará.

As diferentes Fases pelas quais passou para atingir estes 3 grandes objectivos foram:

1ª Fase - Esta foi uma fase de crescimento, de expansão, de conquista do poder e dos meios de comunicação social, uma fase de propaganda e concessão de benefícios aos seus aderentes. Foi nesta fase a que se assistiu ao derrube das monarquias ocidentais, e o crescente controlo através de métodos cada vez mais poderosos e sub-reptícios.

2ª Fase - Esta foi a fase, em que após ter conseguido uma consolidação do seu poder a nível civil, lança o seu ataque contra a Igreja Católica, através da sua infiltração com elementos preparados desde a juventude, para atingirem altos cargos dentro da hierarquia eclesial. Infiltra maçons nos seminários, seduz sacerdotes, bispos e cardeais, cria a New Age, fomenta o aparecimento de seitas protestantes, cria as seitas satânicas, sugere filosofias e modos de vida contrários à moral cristã e fomenta o aborto e a homossexualidade.

3ª Fase - Esta Fase é a que já vivemos hoje em dia, mas em que os ataques das duas primeiras se mantêm e intensificam, e que é preparar o mundo e as consciências para a vinda do anticristo. As tácticas usadas, já que controla o Poder mundial, através dos Governos e dos Mercados Financeiros, é aumentar as diferenças entre ricos e pobres (pessoas e países), aumentar a exploração a todos os níveis, criar instabilidade nos tecidos económicos, financeiros, sociais, culturais, laborais e religiosos.

No que a nós diz mais respeito, nesta pequena análise da maçonaria, para atingir, veladamente, o 1º grande objectivo, o da destruição da Igreja Católica, traçou o conhecido Master Plan, por alturas do Concílio Vaticano II, nos Estados Unidos da América. Este Plano Geral foi descoberto pelo Dr. J. Dominguez que o deu a conhecer ao mundo. O Master Plan, com uma redacção ligeiramente diferente, segue as seguintes recomendações do grande Mestre da maçonaria:

Normas do grande Mestre da Maçonaria aos bispos católicos maçons, efectivas desde 1962

 

Todos os confrades maçons terão que referir sobre os progressos destas decisivas disposições. Reelaboradas em Outubro de 1993 como plano progressivo para o passo final. Todos os maçons ocupados na Igreja (mesmo padres e bispos) têm que acolhê-las e realizá-las.

   I.        Removam de uma vez por todas a São Miguel, protector da Igreja Católica, de todas as orações ao interior e ao exterior da Santa Missa. Removam todas as imagens, afirmando que elas apartam da Adoração de Cristo.

 II.        Removam os Exercícios Penitenciais da Quaresma como a abstinência de carne as sextas-feiras e também o jejum; impeçam cada acto de abnegação. Em seu lugar devem ser favorecidos os actos de alegria, de felicidade e de amor ao próximo. Digam: “Cristo já mereceu por nós o Paraíso” e “cada esforço humano é inútil”. Digam a todos que devem tomar em sério a preocupação por sua saúde. Estimulem o consumo de carne, especialmente de porco.

III.        Encarreguem aos pastores protestantes de reexaminar a Santa Missa e de dessacralizá-la. Semeiem dúvidas sobre a Real Presença de Cristo na Eucaristia e confirmem que a Eucaristia – com maior aproximação à fé dos protestantes – é somente pão e vinho e compreendida como um puro símbolo. Disseminem doutrinas protestantes nos Seminários e nas escolas. Falem de ecumenismo como caminho para a unidade. Acusem a cada um que crê na Presença Real de Jesus o Cristo na Eucaristia como subversivo e desobediente para com a Igreja.

IV.        Proíbam a Liturgia latina da Missa, Adoração e Cantos, uma vez que eles comunicam um sentimento de mistério e de respeito. Apresentem-no como feitiços de adivinhos. Os homens pararão de crer nos Sacerdotes como homens superiores, e de respeitá-los como portadores dos Mistérios Divinos.

 V.        Dêem coragem às mulheres a não cobrir a cabeça com o véu quando estão na igreja. Proponham as mulheres como leitoras e sacerdotisas. Apresentem a coisa como se fosse uma ideia democrática. Fundem movimentos de libertação da mulher. Quem entra na igreja tem que vestir vestidos descuidados para sentir-se nela como em sua casa. Isso debilitará a importância da Santa Missa.

VI.        Afastem os fiéis de receber de joelhos a Comunhão. Eliminem na igreja de estar de joelhos e cada genuflexão. Tirem os genuflexórios. Digam às pessoas que durante a Missa devem certificar sua fé em posição erguida.

VII.        Eliminem a música sagrada do órgão. Introduzam guitarras, harpas judias, tambores, ruídos e risadas nas igrejas. Isso afastará a gente da oração pessoal. Introduzam ao redor do altar danças litúrgicas com vestidos excitantes, teatros e concertos.

VIII.        Tirem a devoção do povo a Maria e São José. Indiquem sua veneração como idolatria. Convertam em ridículos os que persistem. Introduzam cantos protestantes. Isso dará a impressão que a Igreja Católica por fim admite que o Protestantismo é a verdadeira religião ou ao menos que ele é igual à Igreja Católica.

IX.        Introduzam cantos novos somente para convencer a gente que os rituais anteriores de algum modo eram falsos e que falem somente de amor para os homens. A juventude será entusiasmada ao sentir falar de amor para o próximo. Anunciem o amor, a tolerância e a unidade. Não mencionem a Jesus, proíbam cada anúncio da Eucaristia.

 X.        Removam todas as relíquias dos Santos dos Altares e sucessivamente também os Altares mesmos. Ao invés disso, mesas. Eliminem a lei Eclesiástica que quer a celebração da Santa Missa somente sobre Altares que contenham Relíquias.

XI.        Interrompam a prática de celebrar a Santa Missa na presença do Santíssimo Sacramento no Tabernáculo. Não admitam algum Tabernáculo sobre os Altares que são usados para a celebração da Santa Missa. Coloquem apenas a mesa. Mais tarde coloquem ao menos uma cadeira na tal mesa. O Sacerdote tem que sentar-se para indicar que depois da Comunhão ele descansa como depois de uma comida. O Sacerdote não tem que estar nunca de joelhos durante a Missa nem fazer genuflexões. Nas comidas, de fato, não se ajoelham nunca. A cadeira do Sacerdote tem que ser colocada no lugar do Tabernáculo. Dêem coragem à gente a venerar e também a adorar ao Sacerdote no lugar da Eucaristia. Coloquem o Tabernáculo num local diferente, fora da vista.

XII.       Façam desaparecer os Santos do calendário Eclesiástico. Proíbam aos Sacerdotes de falar dos Santos, excepto aqueles mencionados pelo Evangelho. Digam ao povo que eventuais protestantes, talvez presentes na igreja, poderiam escandalizar-se deles. Evitem tudo aquilo que molesta aos protestantes.

XIII.        Revoguem o exorcismo menor para expulsar aos demónios; empenhem-se nisto, anunciem que os diabos não existem. Expliquem que é o método adoptado pela Bíblia para designar o mal e que sem um malvado não podem existir histórias interessantes. Em consequência a gente não crerá na existência do inferno nem temerá de poder-se cair nele. Repitam que o inferno não é outra coisa que estar longe de Deus e que não é uma coisa terrível. Este se trata no fundo da mesma vida como aqui na Terra.

XIV.        Ensinem que Jesus era somente um homem que teve irmãos e irmãs e que odiou os que tinham o poder. Expliquem que ele amava a companhia das prostitutas, especialmente de Maria a Madalena; que não soube o que fazer com as igrejas e sinagogas. Digam que aconselhou não obedecer aos chefes do Clero, digam que ele foi um grande mestre apenas. Desacreditem o discurso sobre a Cruz como uma vitória, ao contrário, apresentem-na como um fracasso.

XV.        Lembrem-se que podem induzir as monjas à traição de sua vocação, levando-as ao caminho da vaidade, atrativo e beleza. Façam trocar o hábito Eclesiástico e isso as levará naturalmente a jogar no lixo os seus Rosários. Isso dissecará suas vocações. Digam-lhes que não serão aceites se não renunciam ao hábito. Também favoreçam o descrédito do hábito Eclesiástico entre a gente.

XVI.        Digam aos catequistas para ensinar a amar as criaturas de Deus em vez do mesmo Deus. Amar abertamente é testemunho de maturidade. Façam que o termo “sexo” se converta em palavra de uso quotidiano em suas classes de religião. Façam do sexo uma nova religião. Introduzam imagens de sexo nas lições religiosas para ensinar às crianças a realidade. Certifiquem-se que as imagens sejam claras. Dêem coragem às escolas de tornarem-se pensadores progressistas no campo da educação sexual. Introduzam assim a educação sexual através da autoridade Episcopal, dessa maneira os padres não terão a possibilidade de dizer nada em contrário.

XVII.        Destruam as escolas católicas, impedindo as vocações de monjas. Digam às monjas que são trabalhadoras sociais com um salário e que a Igreja está a ponto de eliminá-las. Insistam que o Professor leigo católico receba o idêntico salário daquele das escolas governamentais. Empreguem professores não católicos. Os Sacerdotes devem receber o idêntico salário como os correspondentes empregados seculares. Todos os Sacerdotes devem tirar assim sua Batina Clerical e suas Cruzes para poder serem aceites por todos. Ponham em ridículo aqueles que não se conformam.

XVIII.        Destruam o Papa, destruindo suas Universidades. Tirem as Universidades ao Papa, dizendo que de tal modo o governo poderia subsidiá-las. Substituam os nomes dos Institutos Religiosos com nomes profanos, para favorecer o ecumenismo. Por exemplo, em lugar de “Escola Imaculada Conceição” digam “Escola Superior Nova”. Criem departamentos de ecumenismo em todas as Dioceses e preocupem-se que seu controle seja de parte protestante. Proíbam as Orações para o Papa e a Maria porque elas desanimam o ecumenismo. Anunciem que os Bispos locais são as autoridades competentes. Sustentem que o Papa é somente uma figura representativa. Combatam a autoridade Papal, colocando um limite de idade a seu exercício. Reduzam-na pouco a pouco, expliquem que é para preservá-lo do excesso de trabalho.

XIX.        Sejam audazes. Debilitem a figura do Papa introduzindo sínodos Episcopais. O Papa se tornará então somente como uma figura de representação. Sucessivamente debilitem a autoridade do Bispo, dando vida a uma instituição concorrente a nível de Presbitérios. Digam que os Sacerdotes recebem em tal modo a atenção que merecem. Ao final, debilitem a autoridade do Sacerdote com a constituição de grupos de leigos que dominem os Sacerdotes. Deste modo, a Igreja será democrática… uma Igreja Nova…

XX.        Reduzam as vocações ao Sacerdócio, fazendo perder aos leigos o temor reverencial por eles. O escândalo público de um Sacerdote destruirá milhares de vocações. Louvem os Sacerdotes que por amor de uma mulher souberam deixar tudo. Honrem os Sacerdotes reduzidos ao estado laical como autênticos mártires, oprimidos a tal ponto de não poder suportar mais. Também lutem para que nossos confrades maçons que estão no Sacerdócio sejam notados e seus nomes publicados. Sejam tolerantes com a homossexualidade do Clero. Digam à gente que os Curas padecem de solidão.

XXI.        Comecem a fechar as igrejas à causa da escassez de Clero. Definam como boa e económica tal prática. Expliquem que Deus escuta em todos os lados as orações. Neste caso as igrejas se convertem em extravagantes desperdício de dinheiro. Fechem antes de tudo as igrejas em que se pratica a piedade tradicional.

XXII.        Utilizem comissões de leigos e Sacerdotes débeis na fé que condenem sem dificuldade cada aparição de Maria e cada aparente milagre, especialmente do Arcanjo São Miguel. Assegurem-se que nada disto, de nenhuma maneira receberá a aprovação segundo o Vaticano II. Denominem desobediência à autoridade quem obedece às Revelações ou se alguém reflete sobre elas. Façam cair seu bom nome em desestima, então ninguém crerá nestas revelações.

XXIII.        Escolham um Anti-Papa. Afirmem que ele reconduzirá aos protestantes na Igreja e talvez até os Judeus. Um Anti-Papa poderá ser eleito mesmo que o outro verdadeiro esteja vivo. Afirmem que o verdadeiro Papa já não é mais capaz de governar.

XXIV.        Tirem a Confissão antes da Santa Comunhão para os alunos do segundo e terceiro ano para que a eles não importem nada dela quando frequentem quarto e quinto e depois as classes superiores. Então a Confissão desaparecerá. Introduzam a confissão comunitária com a absolvição em grupo. Expliquem à gente que isso se sucede por causa da escassez de Clero.

XXV.        Façam distribuir a Comunhão por mulheres e leigos. Digam que este é o tempo dos leigos. Comecem dar a Comunhão na mão como os protestantes, em vez de dar na boca sobre a língua. Expliquem que Cristo fez do mesmo modo. Recolham algumas hóstias para “missas negras” em nossos templos. Digam à gente que se deve dar o sinal da paz. Dêem coragem à gente a deslocar-se na igreja para interromper a devoção e a oração. Não façam Sinais de Cruz; no seu lugar façam o sinal da paz. Expliquem que também Cristo se deslocou para saudar aos Discípulos. Não permitam alguma concentração em tais momentos. Os Sacerdotes devem dar as costas à Eucaristia para honrar ao povo.

XXVI.        Depois que o Anti-papa for eleito, tirem os sínodos dos Bispos como as associações dos Sacerdotes e os conselhos paroquiais. Proíbam a todos os religiosos de pôr em discussão, sem licença, estas novas disposições. Expliquem que Deus quer a humildade e odeia aos que aspiram a glória. Acusem de desobediência respeito à autoridade Eclesiástica todos os que põe interrogações. Digam à gente que tem que obedecer a estes superiores Eclesiásticos.

XXVII.        Concedam ao Papa (=Anti-Papa) o máximo poder. Ameacem sob pena de excomunhão a todos os que não levarem o sinal da besta. Não o chamem porém “sinal da besta”. O Sinal da Cruz não tem que ser feito, nem usado sobre as pessoas ou através delas, (não se deve benzer mais). Fazer o Sinal da Cruz será designado como idolatria e desobediência.

XXVIII.        Declarem falsos os Dogmas anteriores, excepto aquele da infalibilidade Pontifícia. Proclamem a Jesus, o Cristo um revolucionário frustrado. Anunciem que o verdadeiro Cristo logo virá. Somente o Anti-Papa eleito tem que ser obedecido. Digam às gentes que devem inclinar-se quando seja pronunciado seu nome.

XXIX.        Ordenem a todos a estender a única religião mundial. Satanás sabe onde se encontra todo o ouro perdido. Conquistem sem piedade o mundo! Tudo isso levará à humanidade o quanto ela sempre desejou: “a época de ouro da paz.”

 

 

 

 A maçonaria na Doutrina da Igreja Católica

Quase que logo a seguir ao início da maçonaria, ela passou a ser condenada pela Igreja, que viu de imediato nela os seus desígnios satânicos, a exemplo das diversas heresias que no passado se opuseram à Doutrina da Igreja Católica. A primeira advertência do perigo foi dada por Clemente XII no ano de 1738, e sua constituição foi confirmada e renovada por Bento XIV. Pio VII seguiu o mesmo caminho; e Leão XII, por sua constituição apostólica, Quo Graviora, juntou os actos e decretos dos Pontífices anteriores sobre o assunto, e os ratificou e confirmou para sempre. No mesmo sentido pronunciou-se Pio VIII, Gregório XVI, e, muitas vezes, Pio IX.

Mas o primeiro grande documento da Igreja contra a maçonaria foi a Carta Encíclica Humanum Genus do Papa Leão XIII, de 20 de Abril de 1884.

Vou apresentar seguidamente alguns extractos mais significativos da Humanum Genus.

CARTA ENCÍCLICA
HUMANUM GENUS
DO SUMO PONTÍFICE
PAPA LEÃO XIII

A TODOS OS NOSSOS VENERÁVEIS
IRMÃOS, OS PATRIARCAS,
PRIMAZES, ARCEBISPOS
E BISPOS DO ORBE CATÓLICO,
EM GRAÇA E COMUNHÃO
COM A SÉ APOSTÓLICA

SOBRE A MAÇONARIA

1. O Género Humano, após sua miserável queda de Deus, o Criador e Doador dos dons celestes, "pela inveja do demónio," separou-se em duas partes diferentes e opostas, das quais uma resolutamente luta pela verdade e virtude, e a outra por aquelas coisas que são contrárias à virtude e à verdade. Uma é o reino de Deus na terra, especificamente, a verdadeira Igreja de Jesus Cristo; e aqueles que desejam em seus corações estar unidos a ela, de modo a receber a salvação, devem necessariamente servir a Deus e Seu único Filho com toda a sua mente e com um desejo completo. A outra é o reino de Satanás, em cuja possessão e controle estão todos e quaisquer que sigam o exemplo fatal de seu líder…

2. … Em cada período do tempo uma tem estado em conflito com a outra, com uma variedade e multiplicidade de armas e de batalhas, embora nem sempre com igual ardor e assalto. Nesta época, entretanto, os partisans (guerrilheiros) do mal parecem estar se reunindo, e estar combatendo com veemência unida, liderados ou auxiliados por aquela sociedade fortemente organizada e difundida chamada os Maçons. Não mais fazendo qualquer segredo de seus propósitos, eles estão agora abruptamente levantando-se contra o próprio Deus. Eles estão planejando a destruição da santa Igreja publicamente e abertamente, e isso com o propósito estabelecido de despojar completamente as nações da Cristandade, se isso fosse possível, das bênçãos obtidas para nós através de Jesus Cristo nosso Salvador. Lamentando estes males, Nós somos constrangidos pela caridade que urge Nosso coração a clamar frequentemente a Deus: "Ó Deus, eis que Teus inimigos se agitam; e os que Te odeiam levantaram as suas cabeças. Eles tramam um plano contra Teu povo, e conspiram contra Teus santos. Eles disseram: 'vinde, destruamo-nos, de modo que eles não sejam uma nação'."

4. Os Pontífices Romanos nossos predecessores, em sua incessante vigilância pela segurança do povo Cristão, foram rápidos em detectar a presença e o propósito desse inimigo capital tão logo ele saltou para a luz …

5. A primeira advertência do perigo foi dada por Clemente XII no ano de 1738 [3], e sua constituição foi confirmada e renovada por Bento XIV [4]. Pio VII seguiu o mesmo caminho [5]; e Leão XII, por sua constituição apostólica, Quo Graviora [6], juntou os actos e decretos dos Pontífices anteriores sobre o assunto, e os ratificou e confirmou para sempre. No mesmo sentido pronunciou-se Pio VIII [7], Gregório XVI [8], e, muitas vezes, Pio IX [9].

6. Tão logo a constituição e o espírito da seita maçónica foram claramente descobertos por manifestos sinais de suas acções, pela investigação de suas causas, pela publicação de suas leis, e de seus ritos e comentários, com a frequente adição do testemunho pessoal daqueles que estiveram no segredo, esta sé apostólica denunciou a seita dos Maçons, e publicamente declarou sua constituição, como contrária à lei e ao direito, perniciosa tanto à Cristandade como ao Estado; e proibiu qualquer um de entrar na sociedade, sob as penas que a Igreja costuma infligir sobre as pessoas excepcionalmente culpadas. …

9.  … Os candidatos são geralmente ordenados a prometer - e mais, com um especial juramento, a jurar - que eles não irão nunca, a nenhuma pessoa, em qualquer tempo ou de qualquer modo, dar a conhecer os membros, as senhas, ou os assuntos discutidos. Assim, com uma aparência externa fraudulenta, e com um estilo de fingimento que é sempre o mesmo, os Maçons, como os Maniqueístas de antigamente, esforçam-se, tanto quanto possível, para encobrir a si mesmos, e para não admitir testemunhas excepto seus próprios membros. Como uma maneira conveniente de disfarce, eles assumem o carácter de homens de letras e académicos associados com o objectivo de aprender. …

15. Mas contra a sé apostólica e o Pontífice Romano a contenda destes inimigos tem sido por um longo tempo dirigida. O Pontífice foi primeiro, por razões sem substância, atirado para fora da protecção de sua liberdade e de seu direito, o principado civil; logo, ele foi injustamente forçado em uma condição que era insuportável por causa das dificuldades levantadas de todos os lados; e agora o tempo chegou em que os partisans (guerrilheiros) da seita abertamente declaram, o que em segredo entre eles mesmos eles têm por um longo tempo planejado, que o poder sagrado dos Pontífices deve ser abolido, e que o próprio papado, fundado por direito divino, deve ser totalmente destruído. Se outras provas fossem desejadas, este fato seria suficientemente revelado pelo testemunho de homens informados, dos quais alguns em outros tempos, e outros recentemente, declararam ser verdadeiro a respeito dos Maçons que eles desejam especialmente atacar violentamente a igreja com irreconciliável hostilidade, e que eles nunca descansarão até que eles tenham destruído o que quer que os supremos Pontífices tenham estabelecido como religião.

30. O que quer que o futuro possa ser, neste grave e difundido mal é Nosso dever, veneráveis irmãos, esforçar-nos por encontrar um remédio. E porque Nós sabemos que a Nossa melhor e mais firme esperança de um remédio está no poder daquela divina religião que os Maçons odeiam em proporção ao seu medo dela, Nós pensamos ser de capital importância chamar esse grande poder salvífico em Nosso auxílio contra o inimigo comum. Portanto, tudo que os Pontífices Romanos Nossos predecessores decretaram com o propósito de opor-se aos projectos e esforços da seita maçónica, e tudo que eles tenham legislado quanto à entrada ou saída de homens de sociedades deste tipo, Nós ratificamos e confirmamos completamente pela nossa autoridade apostólica: e confiando grandemente na boa intenção dos Cristãos, Nós rogamos e imploramos a cada um, pela sua salvação eterna, para ser o mais conscienciosamente cuidadoso para não divergir o mínimo que seja daquilo que a sé apostólica tem ordenado neste assunto.

31.  … Nós desejamos que o vosso primeiro ato seja arrancar a máscara da Maçonaria, e deixar que ela seja vista como realmente é; … Que nenhum seja enganado por uma pretensão de honestidade. Pode parecer a alguns que os Maçons não exigem nada que seja abertamente contrário à religião e à moral; mas, como todo princípio e objectivo da seita está naquilo que é vicioso e criminoso, ajuntar-se com estes homens ou em algum modo ajudá-los não pode ser legítimo. …

37. Nós bem sabemos, entretanto, que os nossos esforços unidos não serão de modo algum suficientes para arrancar estas sementes perniciosas do campo do Senhor, a menos que o Celestial Mestre da vinha misericordiosamente nos ajude em nossos esforços. Nós precisamos, portanto, com grande e ansioso cuidado, implorar a Ele a ajuda que a grandeza do perigo e da necessidade requer. A seita da Maçonaria mostra-se insolente e orgulhosa de seu sucesso, e parece que ela não colocará limites à sua pertinácia. Seus seguidores, ajuntados por perversos acordos e por conselhos secretos, ajudam-se uns aos outros, e excitam-se uns aos outros a uma audácia nas coisas malignas. Um ataque tão veemente exige uma igual defesa - especificamente, que todos os homens de bem formem a mais abrangente associação possível de acção e de oração. Nós imploramos a eles, portanto, com corações unidos, a permanecer unidos e firmes contra as forças das seitas que avançam; e em aflição e súplica estender suas mãos a Deus, orando que o nome Cristão possa florescer e prosperar, que a Igreja possa desfrutar da sua necessária liberdade, que aqueles que se extraviaram possam retornar a uma mente recta, que o erro difundido possa dar lugar à verdade, e o vício à virtude. Tomemos como nossa auxiliadora e intercessora a Virgem Maria, Mãe de Deus, para que ela, que desde o momento de sua concepção derrotou Satanás possa mostrar seu poder sobre estas seitas malignas, nas quais revive o contumaz espírito do demónio, juntamente com sua perfídia insubmissa e enganosa. Imploremos a Miguel, o príncipe dos anjos celestes, que lançou fora o infernal inimigo; e José, o esposo da santíssima Virgem, e patrono celeste da Igreja Católica; e os grandes Apóstolos, Pedro e Paulo, os pais e campeões vitoriosos da fé Cristã. Por seu patrocínio, e pela perseverança na união de oração, Nós esperamos que Deus irá misericordiosamente e oportunamente socorrer o género humano, que é rodeado por tantos perigos.

 

O Papa Bento XVI, quando ainda era o Cardeal Prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, divulgou a seguinte Declaração:

DECLARAÇÃO SOBRE A MAÇONARIA

Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé 26.11.1983

Foi perguntado se mudou o parecer da Igreja a respeito da Maçonaria, pelo fato de que no novo Código de Direito Canónico ela não vem expressamente mencionada como no Código anterior. Esta Sagrada Congregação quer responder que tal circunstância é devida a um critério redaccional seguido também quanto às outras associações igualmente não mencionadas, uma vez que estão compreendidas em categorias mais amplas. Permanece portanto imutável o parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçónicas, pois os seus princípios foram sempre considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja e por isso permanece proibida a inscrição nelas. Os fiéis que pertencem às associações maçónicas estão em estado de pecado grave e não podem aproximar-se da Sagrada Comunhão. Não corresponde às autoridades eclesiásticas locais pronunciarem-se sobre a natureza das associações maçónicas com um juízo que implique derrogação de quanto acima estabelecido e isto segundo a mente da Declaração desta Sagrada Congregação, de 17 de Fevereiro de 1981 (cf. AAS 73, 1981, p.240-241). O Sumo Pontífice João Paulo II, durante a audiência concedida ao subscrito Cardeal Prefeito, aprovou a presente Declaração, e ordenou a sua publicação. Roma, da Sede da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, 26 de Novembro de 1983.

Joseph Card. RATZINGER

      Prefeito

 

O Cardeal D. Eugênio de Araújo Sales disse:

"... quem se associou a maçonaria de boa fé e ignorando penalidades, não pecou gravemente. Mas permanecer após tomar conhecimento da posição da Igreja, seria formalizar o ato de desobediência em matéria grave.

 

O Cardeal Patriarca de Lisboa - Dom José da Cruz Policarpo disse:

A Fé Cristã e a Maçonaria são Incompatíveis

Um católico, consciente da sua fé e que celebra a Eucaristia não pode ser mação. E se o for convictamente, não pode celebrar a Eucaristia. E a incompatibilidade reside nas visões inconciliáveis do sentido do homem e da história.

A Maçonaria sempre afirmou, e continua a afirmar, a prioridade absoluta da razão natural como fundamento da verdade, da moralidade e da própria crença em Deus. A Maçonaria não é um ateísmo, pois admite um “deus da razão”. Exclui qualquer revelação sobrenatural, fonte de verdades superiores ao homem, porque têm a sua fonte em Deus, não aceitando a objectividade da verdade que a revelação nos comunica, caindo na relatividade da verdade a que cada razão individual pode chegar, fundamentando aí o seu conceito de tolerância. A Igreja também aceita a tolerância, mas em relação às pessoas e não em relação à objectividade da verdade.

Esta atitude perante Deus e perante a verdade gera uma “sabedoria” global, ou seja, uma visão coerente da realidade, que é incompatível com a visão do homem e da sociedade que brotam da fé cristã, que supõe a inter-acção de Deus e do homem, no diálogo fecundo e apaixonante da natureza e da graça. A Igreja tem o dever de orientar os católicos e é a eles que digo que a nossa fé e o sentido da vida que ela inspira é incompatível com o quadro gnóstico de sentido veiculado pela Maçonaria.

Haverá, ainda hoje, uma luta entre a Maçonaria e a Igreja? Não nos termos em que se pôs no passado, embora não devamos ser ingénuos: a Maçonaria, sobretudo em algumas das suas “obediências”, lutará sempre contra valores inspiradores da sociedade que tenham a sua origem na dimensão sobrenatural da nossa fé. Sempre que isso acontecer, demos testemunho da esperança que está em nós (1Pet. 3,15).

 

 A maçonaria nas Revelações Privadas

Na Revelação Privada, as principais advertências e ensinamentos que nos foram dadas sobre a maçonaria, encontram-se nos escritos do Padre Gobbi e da Agnès Marie, dos quais apresentarei as mais eloquentes.

 Extractos das Mensagens ao Padre Gobbi

 Extractos das Revelações à Agnès Marie

 

 As principais advertências e ensinamentos que nos foram dadas sobre a maçonaria, nas Mensagens de Nossa Senhora, foram dadas ao Padre Gobbi. 

Padre Gobbi 29 de Junho de 1983

A Besta negra é também a Maçonaria que se infiltrou na Igreja, e a hostiliza, fere-a procurando demoli-la com sua táctica enganadora. O seu espírito qual nuvem tóxica se difunde por toda a parte e leva à paralisia da fé, extingue o ardor apostólico e afasta sempre mais de Jesus e do seu Evangelho.

Padre Gobbi 13 de Outubro de 1985

Os dois exércitos — "Deste lugar onde apareci como a Senhora vestida de sol, vos convoco a vos reunirdes ao redor de vossa celeste Comandante.

Estes são os tempos da grande batalha entre mim e o poderoso exército dirigido pelo Dragão vermelho e a besta negra. O ateísmo marxista e a maçonaria, de mãos dadas, guiam esse exército para levar toda a humanidade à negação e à rebelião contra Deus.

Padre Gobbi 6 de Setembro de 1986

As forças do ateísmo e da maçonaria, infiltradas no seu interior, conseguiram romper sua unidade interna e obscurecer o esplendor da sua santidade.

Padre Gobbi 11 de Junho de 1988

A hora da grande apostasia chegou.

Existe uma subtil e diabólica táctica, tramada secretamente pela maçonaria, que é usada hoje nas confrontações ao Santo Padre para colocar em ridículo a sua Pessoa e a sua obra e para tornar em vão o seu Magistério.

Padre Gobbi 3 de Junho de 1989

Esta besta negra tem dez chifres e sobre os chifres dez diademas, que são sinais de domínio e de realeza. A maçonaria domina e governa todo o mundo por meio dos dez chifres.

O chifre, no mundo bíblico, foi sempre um instrumento de amplificação, um modo de fazer a própria voz ser ouvida mais alto, um forte meio de comunicação.

Por isso, Deus comunicou a sua vontade ao seu povo por meio de dez chifres que tornaram a sua lei conhecida: os dez mandamentos.

A tarefa da besta negra, isto é, da maçonaria, é a de combater de maneira traiçoeira, mas tenaz, para impedir as almas de percorrer esta estrada, indicada pelo Pai e pelo Filho e iluminada pelos dons do Espírito.

De facto, se o dragão vermelho age para levar toda a humanidade a desprezar a Deus, à negação de Deus e portanto difunde o erro do ateísmo, o intuito da maçonaria não é o de negar a Deus, mas de blasfemá-lo.

A maçonaria, a cada um dos mandamentos de Deus, meticulosamente opõe um seu substituto.

A besta abre a boca para proferir blasfémias contra Deus, para blasfemar o seu nome e a sua morada, contra todos os que habitam no céu.

A blasfémia maior de todas é a de negar o culto devido só a Deus para dá-lo às criaturas e ao próprio Satanás.

Eis porque, nestes tempos, por trás da perversa acção da maçonaria, difundem-se, por toda a parte, as missas negras e o culto satânico.

Além disso, a maçonaria age, com todos os meios, para impedir que as almas se salvem e assim quer tornar vã a obra da redenção consumada por Cristo.

Se o Senhor comunicou a sua lei com os dez mandamentos, a maçonaria difunde por toda a parte, com a potência dos seus dez chifres, uma lei que é completamente oposta à de Deus.

Às sete virtudes teologais e cardeais, que são o fruto do viver na graça de Deus, a maçonaria opõe a difusão dos sete vícios capitais, que são o fruto do viver habitualmente em estado de pecado.

Agora compreendeis como, nestes tempos, contra o terrível e insidioso ataque da besta negra, isto é, da maçonaria, o meu Coração Imaculado se torna o refúgio e a estrada segura que vos leva a Deus.

Padre Gobbi 13 de Junho de 1989

A besta negra, semelhante a uma pantera, indica a maçonaria; a besta com dois chifres, semelhante a um cordeiro, indica a maçonaria infiltrada no interior da Igreja, isto é, a maçonaria eclesiástica, que se difundiu, sobretudo, entre os membros da hierarquia.

Esta infiltração maçónica, no interior da Igreja, já vos foi predita por mim em Fátima, quando vos anunciei que satanás se introduziria até o vértice da Igreja.

Se o objectivo da maçonaria é de conduzir as almas à perdição, levando-as ao culto de falsas divindades, o objectivo da maçonaria eclesiástica é, por outro lado, de destruir Cristo e a sua Igreja, construindo um novo ídolo, isto é, um falso Cristo e uma falsa Igreja.

A maçonaria eclesiástica age, de modo enganoso e diabólico, para conduzir todos à apostasia.

Jesus é Vida porque dá a Graça.

O objectivo da maçonaria eclesiástica é o de justificar o pecado, de apresentá-lo não mais como um mal, mas como um valor e um bem.

A maçonaria eclesiástica favorece as explicações, que dão dele interpretações racionalistas e naturais, por aplicação dos vários géneros literários, e assim, o Evangelho é dilacerado em todas as suas partes.

A maçonaria eclesiástica procura destruir esta realidade com o falso ecumenismo, que leva à aceitação de todas as Igrejas Cristãs, afirmando que cada uma delas possui uma parte de verdade.

Então a maçonaria eclesiástica procura destruir o fundamento da unidade da Igreja, com o ataque traiçoeiro e insidioso ao Papa.

Padre Gobbi 17 de Junho de 1989

A maçonaria eclesiástica recebe ordens e poder das lojas maçónicas e trabalha para conduzir secretamente todos a fazer parte destas seitas secretas.

Neste período histórico, a maçonaria ajudada pela maçonaria eclesiástica, conseguirá o seu grande intento: construir um ídolo para colocar no lugar de Cristo e da sua Igreja.

 

 

 As principais advertências e ensinamentos que nos foram dadas sobre a maçonaria, nas Revelações de Jesus, foram dadas à Agnès Marie na sua Obra a Alegria de Deus. 

Alegria de Deus, de Agnès Marie - 19 de Maio de 1999 - Sede no mundo, sem ser do mundo. Punição Divina através da Natureza. O orgulho e a cegueira da Maçonaria    

Não deixarei agir esses monstros de orgulho e de vaidade, farei engolir a soberba a esses pretensiosos que querem – e estão muito perto de ter conseguido – despojar-Me da Minha Igreja, Una, Santa, Católica e Apostólica. Falo da seita franco-maçónica como bem compreendeste.

Alegria de Deus, de Agnès Marie - 14 de Junho de 1999 - A nova Europa. O Novo Movimento Cristão   

Com efeito para combater com armas iguais e no terreno político, que a seita franco-maçónica quase inteiramente infiltrou, é preciso um Movimento político fortalecido com a Minha graça e com a Minha presença.

Alegria de Deus, de Agnès Marie -  19 de Junho de 1999 - O Juízo. O Mundo Novo. Uma Política Nova. O Juízo. O Mundo Novo. Uma Política Nova. Comunidade de Aubazine à escala planetária  

Sendo assim o "político" deve ser unido aos outros aspectos da vida humana, do mesmo modo que ele não poderia ser excluído dela. Eu explico-Me: quando falo do aspecto "político" da vida, entendo político no sentido em que é muito preciso um enquadramento (aquilo que vós chamais instituições) das sociedades humanas para fazer progredir o mundo. São necessárias instâncias directivas e se elas forem santas, o planeta será santificado em pouco tempo (aos olhos de Deus que vive na eternidade!). É sempre pelo "alto" que se conduzem as evoluções positivas! Pertence a uns educar, elevar os outros; e não praticar o "nivelamento por baixo" como fazeis nas vossas sociedades franco-maçónicas.

Alegria de Deus, de Agnès Marie -   26 de Junho de 1999 - A morte é uma passagem. Servir a Deus e ao próximo. Emigração e cultura 

E tudo o que se vê desde há quase dois séculos de desequilíbrios nos povos é trabalho da franco-maçonaria. 

Alegria de Deus, de Agnès Marie -   6 de Julho de 1999 - Descrédito da Eucaristia e da Ressurreição. O Usurpador vai mostrar-se. Fé e Coração 

É por isso que Eu posso afirmar que só a religião católica é fiel à Minha visão do mundo, à Minha vida e à Minha palavra. Falo, certamente, da verdadeira religião católica, a que não está pervertida pela seita franco-maçónica, a que vive do sopro do Meu Espírito.

Alegria de Deus, de Agnès Marie -    12 de Agosto de 1999 - Os 2 níveis de Acção Divina: o Movimento político de Deus e a Oração. Os servidores zelosos. A Ajuda dos Anjos. As Instituições Santas

Tinhas razão, pelo menos em parte, naquilo que explicavas ontem a respeito das diferentes fases da luta contra o mal e do estabelecimento do reino de Deus na Terra. Estes dois pontos estão intrinsecamente ligados; é por isso que a Minha acção se situa, a dois níveis ao mesmo tempo: um Movimento "político" de Deus para contrariar os partidos dominantes (no entanto já em vias de fragmentação) da seita franco-maçónica, e uma acção centrada sobre a oração de uma comunidade de discípulos fiéis, atentos às Minhas mensagens, organizando as reuniões, acolhendo os que o desejam. Esta comunidade, revezada por todas as que existem, sustentará a acção do Movimento a todos os níveis; os simpatizantes aderirão à comunidade de todo o seu coração, pelo menos de forma interior.

Alegria de Deus, de Agnès Marie -    22 de Agosto de 1999 - Manduria e a Igreja de França. Fé, Confiança e Amor

Os traidores desmascarar-se-ão brutalmente, não suportarão esta intrusão de Minha Mãe e da sua Compaixão, nem o aviso da sua traição. Os seus corações hesitantes regressarão a Mim, compreendendo quanto eles rejeitaram o Amor também eles por erro de julgamento e pelos fumos que satanás sabiamente introduziu na Minha Igreja. Eles, os fracos, converter-se-ão perante a Minha fraqueza. Os doces, os humildes, serão confortados na sua luta contra o mal. Santificarei a Igreja de França pela "Sabedoria Revelada de Deus", pelos Movimentos de Amor dos servos adoradores de Jesus; os traidores desmascarados pela sua hostilidade fugirão, no seu furor, da Minha presença.

A seita franco-maçónica tremerá, depois ruirá para não mais se levantar. Eu triunfarei do mal.

Alegria de Deus, de Agnès Marie -  4 de Setembro de 1999 - O Movimento de Amor é o Movimento do Cristo e é um Partido Político - MRC Movimento para um Renovamento Cristão. Batalha. O Terço é a arma  

Sim, Eu quero fundar convosco um Lar do Movimento de Amor, de que tu leste os estatutos no livro Manduria, e um partido "político". Este partido é o Movimento de Cristo, um Movimento de conversão dos corações que tenha responsabilidade na cena política nacional e depois internacional a fim de combater a franco-maçonaria que investiu todos os partidos actuais supostos representantes dos "cidadãos". Abri pois os olhos, vede como eles vos manipulam!

Alegria de Deus, de Agnès Marie - 30 de Setembro de 1999 - Vinda iminente e a Eucaristia. O martírio e a esperança da Igreja. A hipocrisia da franco-maçonaria

Eu quero combater a franco-maçonaria que na verdade, como o indica o título do livro de Maurice Caillet, é um pecado contra o Espírito, pois a franco-maçonaria utiliza todas as suas capacidades e as de seu pai satanás, para Me prejudicar e para prejudicar todos esses pequenos que são Meus.

A maldição que mais particularmente diz respeito à franco-maçonaria é esta: "ai de vós escribas e fariseus hipócritas, que percorreis mares e continentes para conseguir um adepto, e, quando o conseguis, tornai-lo digno da geena duas vezes mais que vós!".

Alegria de Deus, de Agnès Marie -    18 de Novembro de 1999 - Explicação do Apocalipse 8 e 9 - O refúgio do Imaculado Coração de Maria e do Sagrado Coração de Jesus

Eu sou o dia, ele é a noite. Voltamos aos tíbios que Eu vomito, que não são quente nem frio mas aqui é posta em evidência a falta do clero que já não é Meu, mas do falso Cristo. Sim, estou a falar da franco-maçonaria eclesiástica. Muitos caíram abandonando-se à gula e à luxúria que, opondo-se à virtude da temperança, os empurrou para o materialismo e o hedonismo. Assim satanás fez cair todos os que não permaneceram na graça, mas Eu vo-lo digo "infeliz daquele que escandaliza um só dos Meus pequenos"!

Alegria de Deus, de Agnès Marie -   19 de Novembro de 1999 - Explicação do Apocalipse 9, 11, 14, 15, 21 e 22. O tempo do sétimo selo. As 2 Testemunhas. Novos Céus e Nova Terra 

Apocalipse 11 descreve a Segunda desgraça que é o combate da besta = a franco-maçonaria, contra as "duas oliveiras e as duas lâmpadas" que são o antigo e o novo Israel: o povo de Deus que possui a Verdade (lâmpada) ou a Bíblia e os Evangelhos que dão testemunho da Verdade. Eles parecerão vencidos e os povos regozijar-se-ão pois "aqueles que os impediam de se divertirem" terão sido, pensam eles, finalmente eliminados. Mas depois do tempo de deserto (descrito em 12,6) "um sopro de vida vindo de Elohim entra neles". Acreditando Ter definitivamente ganho, a besta nem mesmo se dará ao cuidado de "sepultar" "os seus cadáveres". Ela vai ocupar o seu lugar no santuário sem apagar as suas marcas. E o Espírito vai reanimá-los, a Nova Terra e os Novos Céus surgirão da Igreja renovada, do povo de Deus vencedor pelo Espírito. O combate está descrito em Ap 13,6. Mas haverá sempre o pequeno resto, aqueles cujo nome está escrito no livro da vida do "cordeiro imolado" que Eu sou. A outra besta, tu já o sabes, designa a franco-maçonaria eclesiástica, "semelhante a um cordeiro".

Alegria de Deus, de Agnès Marie -    10 de Fevereiro de 2000 - A tormenta que se aproxima. O Arrebatamento. A Transfiguração. Nova Terra. Ajuda dos Anjos e Santos na reedificação da Terra. O Reino. A Mensagem da Manduria salvará a França e vencerá a apostasia

A tempestade que anuncio é a, climática, que se abate sobre vós por causa da vossa submissão a satanás: fostes vós que a criastes pelos vossos ódios e pelas vossas divisões; é também a da guerra: o espírito de discórdia faz tornar a tocar os seus címbalos e os povos lançam-se uns contra os outros ensurdecidos por este barulho; a tempestade é ainda e sobretudo a da consumação iminente da abominação da desolação: satanás que dirige "a besta de dois chifres" (a franco-maçonaria eclesiástica) vai sentar-se por um tempo muito curto ¾pois Eu não o suportarei ¾ no Trono de Pedro. Esse curto tempo será terrível. Eu vo-lo confirmo de novo para que tenhais uma confiança perfeita, o pequeno número dos Meus verdadeiros amigos será elevado ao Céu no refúgio dos Corações unidos de Maria e de Jesus durante todo o tempo que durar a abominação. Sim, Eu retirar-vos-ei da Terra e os vossos pés só a pisarão de novo quando ela estiver purificada do mal e do pecado pois as vossas almas tendo visto e adorado Deus não poderão mais viver numa Terra que não esteja pura. 

www.amen-etm.org/maconaria.htm