MILENARISMO

A heresia dos actuais protestantes

 

 

BÊNÇÃO ESPECIAL  

 

Editorial do dia 8 de Março de 2015  

 

Nesta Página da Amen, pode encontrar a abordagem do Tema Global do

MILENARISMO

ÍNDICE 

 O que é o Milenarismo

 Tabela de ajuda à interpretação da citação dos “mil anos”

 Conclusões

 

 

 O que é o Milenarismo

O Milenarismo é uma teoria herege, que grassa nas igrejas protestantes e, com pouca expressão, nalguns meios ignorantes dentro da própria Igreja Católica.

Convém, antes de mais, frisar que o diabo não voltará a tentar a humanidade depois de implantados Novos Céus e Nova Terra!

Segundo a Tese Herética do Milenarismo, o diabo, passados mil anos de Novos Céus e Nova Terra, seria solto para tentar a humanidade. Isto é falso, pois em relação aos Novos Tempos que vão ser vividos pela humanidade depois da Vinda Gloriosa de Jesus Cristo, a Igreja Católica ensina que o Reino de Jesus Cristo estará implantado sobre toda a Terra e sobre toda a criatura, não havendo o demónio para tentar o homem nem lhe fazer mal, já que ele vai ser lançado nos infernos para sempre.

Os que ultrapassarem os Três Dias de Trevas, que serão arrebatados e devolvidos à Terra com o seu corpo glorificado e semelhante ao de Cristo, habitarão no Reino de Jesus Cristo implantado sobre toda a Terra, e conviverão com os eleitos do referidos no Apocalipse 20,4-6, que reinarão com Cristo por “mil anos”. Durante estes “mil anos” viver-se-á um Paraíso semelhante ao de Adão e Eva, mas com os corpos glorificados. Mas quanto a isto não há revelações divinas concretas, e só podemos conjecturar em termos racionais.

O Milenarismo afirma que os mil anos” de que falam os versículos do Apocalipse 20,7-10 são para ocorrerem depois da Vinda Gloriosa de Jesus, durante os quais se viverá o Reino de Jesus Cristo.

A passagem Apocalíptica que refere “os mil anos”, não significa que ao fim de mil anos, de Novos Céus e Nova Terra, o demónio será solto para tentar de novo a humanidade, tal como defende a Tese Milenarista, também conhecida como o Milenarismo.

Milenarismo corresponde a uma errada interpretação bíblica acalentada pelas testemunhas de Jeová, por algumas igrejas protestantes e por alguns católicos ignorantes e pouco esclarecidos. Essa interpretação baseia-se na seguinte passagem:

Apocalipse 20,7

7 Quando se completarem os mil anos, satanás será solto da sua prisão, e sairá para seduzir as nações dos quatro cantos do mundo, a Gog e Magog, a fim de os reunir para a batalha.

Estes mil anos, de que fala a passagem anterior do Apocalipse, são interpretados oficialmente pela Igreja, como sendo um período imediatamente a seguir à morte de Jesus Cristo, tal como consta na Bíblia de Jerusalém pág 2325 na Nota q) sobre o Cap. 20 do Apocalipse:

Nota q) … Para Santo Agostinho, e muitos outros, os mil anos se iniciam com a ressurreição de Cristo; …

Tese do Milenarismo é repudiada e considerada pela Igreja Católica como heresia. Muitos hereges defenderam o Milenarismo, tendo sido o mais importante deles o abade franciscano Joaquim de Fiore, na Idade Média, cujos erros repercutem até hoje, e que foi condenado logo a partir do IV Concílio de Laterão em 1215. Este monge franciscano, teceu a teoria das 3 Idades da história da humanidade, e apontou que estava iminente a Ressurreição de São Francisco de Assis, com a qual começaria a idade do Espírito Santo, ou seja, a Terceira Idade, isto é, o Milénio.

O simples facto de se referir os 1000 anos como uma época futura e que culminará com a soltura de satanás, já é Milenarismo e heresia.

A Igreja ensina claramente no seu Catecismo no número §1060:

Catecismo da Igreja Católica nº1060

§1060 No fim dos tempos, o Reino de Deus chegará à sua plenitude. Então, os justos reinarão com Cristo para sempre, glorificados em corpo e alma; o próprio universo material será transformado. Deus será, então, «tudo em todos» (1 Cor 15, 28), na vida eterna.

     A Igreja já censurou e refutou, diversas vezes ao longo da história, este erro do Milenarismo, dizendo que essa opinião não pode ser ensinada por um católico (Cfr Denzinger, 2296), e sempre condenou as seitas milenaristas que são muitíssimas na história.

Isto é claramente afirmado no nº 676 do Catecismo da Igreja Católica.

Catecismo da Igreja Católica §676:

§676 Esta impostura anticrística já se esboça no mundo toda vez que se pretende realizar na história a esperança messiânica que só pode realizar-se para além dela, por meio do juízo escatológico: mesmo em sua forma mitigada, a Igreja rejeitou esta falsificação do Reino vindouro sob o nome de milenarismo, sobretudo sob a forma política de um messianismo secularizado, "intrinsecamente perverso".

Só assim, desaparecendo as três fontes causadoras de pecado (a carne, o mundo e o demónio), se pode compreender e justificar a ausência de pecado nos Novos Céus e Nova Terra, onde reinará a Paz, o Amor e a Felicidade para sempre.

Defender um futuro Reino de Jesus Cristo só de 1000 anos, é confundir os “mil anos” passados, de que São João falou e que Santo Agostinho explicou, com os Novos Céus e Nova Terra que estão para vir. 

Para melhor compreender os enigmáticos textos Apocalípticos, aconselho a leitura do seguinte Dossier da Amen:

 Apocalipse interpretado

 No capítulo seguinte apresento uma tabela na qual se harmonizam os textos Apocalípticos e os Ensinamentos da Igreja Católica.

 

 Ajuda à interpretação da citação dos “mil anos

Para ajudar a interpretar as passagens apocalípticas que citam os controversos mil anos, e que deram origem à grave heresia do Milenarismo e a más interpretações dos Novos Céus e Nova Terra, apresento a seguir dos versículos do Capítulo 20, uma possível interpretação lógica, razoável e que se coaduna com a Doutrina Católica.

Na interpretação contida nesta tabela, que ajuda a compreender aquelas enigmáticas passagens do Apocalipse, tudo se harmoniza com os ensinamentos da Igreja e é refutada cabalmente a tese Milenarista.

Texto do Apocalipse

Interpretação possível

Notas

Apocalipse 20,1

1 Depois disso vi um Anjo descer do céu. Nas mãos tinha a chave do Abismo e uma grande corrente.

 

Vemos nos versículos seguintes de que há dois acontecimentos distintos tratados:

- O aprisionamento do Dragão e

- A recompensa dos que se sentaram nos tronos.

Também constatamos de que há vários períodos de “mil anos” que são referidos.

Se tentássemos descobrir alguma pista para quando se dariam estes acontecimentos descritos nos seguintes versículos 20,1-7, a mais elucidativa de todas seria sem dúvida a própria data contida na numeração dos versículos - 2017.

É de notar que o Anjo trazia 2 coisas nas mãos, a chave e a corrente, o que indica que se vislumbram dois acontecimentos - o acorrentamento e a permanência no Abismo, isto é, 2 períodos de mil anos, aproximadamente…

Retirando a vírgula e o hífen da numeração dos versículos 20,1-7, obtemos um ano 2017, que poderá não ser mais do que uma coincidência, mas certamente intrigante, dada a proximidade dos acontecimentos tão almejados pelo povo de Deus.

Apocalipse 20,2

2 Ele agarrou o Dragão, a antiga Serpente, que é o Diabo e Satanás, e o acorrentou por mil anos.

 

Quem foi acorrentado foi o Dragão, mas não todos os demónios ou anjos caídos, pois esses continuaram a tentar os homens.

O Dragão foi acorrentado durante mil anos, logo após a morte de Cristo, pois foi um castigo bem merecido por aquilo que tinha acabado de conseguir - a condenação e morte de Jesus Cristo.

 

Apocalipse 20,3

3 Atirou-o dentro do Abismo. Depois trancou e lacrou o Abismo, para que o Dragão não seduzisse mais as nações da terra, até que terminassem os mil anos. Depois disso, o Dragão vai ser solto, por um pouco de tempo.

Depois de ter sido acorrentado durante mil anos, foi lançado no Abismo por mais outros mil anos, o que nos traz até o ano 2017.

A seguir a ser solto, depois de concluídos os seus dois mil anos de acorrentado e preso no abismo, vai lançar o seu último ataque à cristandade.

 

Apocalipse 20,4

4 Vi então tronos, e os que se sentaram nos tronos receberam o poder de julgar.

Vi também as vidas daqueles que foram decapitados por causa do Testemunho e da Palavra de Deus.

Vi também as vidas daqueles que não tinham adorado a Besta, nem a imagem dela, nem tinham recebido na fronte ou na mão a marca da Besta.

Eles voltaram a viver e reinaram com Cristo durante mil anos.

 

Depois destes eventos relacionados com o Dragão, São João vê a recompensa bem merecida dos que se irão sentar nos tronos, e que julgarão todos os condenados ao inferno, durante o Juízo Universal, tl como dito em Lucas 22,30 e em 1 Coríntios 2.

Estes que se sentaram nos tronos, foram os mártires da Igreja e os que perderam a vida, resistindo heroicamente no período da Besta ou anticristo. O eles terem voltado a viver, afirma que morreram, e por isso, foi esta a primeira ressurreição, como afirmado no versículo seguinte, mas que se refere a esta ressurreição. Pois se os outros só voltaram à vida depois dos mártires, a deles não pode ser a primeira!

A heroicidade, dos mártires e dos eleitos na luta contra a Besta, mereceram-lhes a honra de reinarem com Cristo nos Novos Céus e Nova Terra, durante mil anos. Note-se que não está dito que o reino de Cristo só durará mil anos, mas somente que os eleitos reinarão mil anos, num Reino de Cristo que será para sempre.

Lucas 22,30

30 E vocês hão de comer e beber à minha mesa no meu Reino, e sentar-se em tronos para julgar as doze tribos de Israel.

 

1 Coríntios 2

2 Então vocês não sabem que os cristãos é que vão julgar o mundo? E se é por vocês que o mundo vai ser julgado, seriam vocês indignos de julgar coisas menos importantes?

Apocalipse 20,5

5 Os outros mortos, porém, não voltaram a viver enquanto não terminaram os mil anos. Esta é a primeira ressurreição.

 

Estes outros mortos, só podem ser, por exclusão de partes, aqueles que morreram durante o período do anticristo, mas que levaram a marca da Besta, e que por um acto de grande Misericórdia de Deus e por arrependimento de última hora, ainda conseguiram obter o perdão, mas tinham que sofrer a purificação das suas grandes culpas, por um período de mil anos. Só depois voltaram a viver, ou seja, a ressuscitar para gozarem finalmente da recompensa da Salvação eterna. Estes mil anos foram a sua justa purificação.

 

Apocalipse 20,6

6 Feliz e santo aquele que participa da primeira ressurreição! A segunda morte não tem poder sobre eles e eles serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e com Cristo reinarão durante mil anos.

Esta primeira ressurreição, que lhes dá o direito de se sentarem nos tronos no Juízo Universal, é uma justíssima recompensa, pois que maior honra haverá do que a de Reinar com e ao lado de Cristo durante mil anos?

Os habitantes da Terra que forem arrebatados aos céus com Cristo e que passarem aos Novos Céus e Nova Terra, serão devolvidos ao planeta nos seus corpos glorificados e, falando de certa maneira, reinarão com Cristo, como afirmado no Catecismo da Igreja Católica.

Catecismo da Igreja Católica

§1060 No fim dos tempos, o Reino de Deus chegará à sua plenitude. Então, os justos reinarão com Cristo para sempre, glorificados em corpo e alma; o próprio universo material será transformado. Deus será, então, «tudo em todos» (1 Cor 15,28), na vida eterna

Apocalipse 20,7

7 Depois de se completarem os mil anos, Satanás será solto da prisão do Abismo.

 

Como já se viu, Satanás, que é o Dragão, depois de ter estado acorrentado durante mil anos, durante os quais assistiu à expansão da Igreja sem poder agir, foi preso no Abismo mais outros mil anos. Só será solto para o Armagedon, falado no versículo do Apocalipse 16,16.

Foi exactamente isto que Nossa Senhora disse ao Padre Gobbi:

Gob 13-10-87

Eu porei fim à vossa escravidão 

Faz setenta anos que Eu desci do céu até vós como a Mulher vestida de sol.

Faz setenta anos que o meu adversário Satanás subiu do abismo até vós para manifestar-se como o Dragão Vermelho com todo o seu terrível poder. (Ap 20,3,7).

Vivestes setenta anos escravos do meu adversário, que conseguiu transformar o mundo na cidade da Babilónia, perversa e pecadora, que, com a taça dos prazeres e da luxúria, seduziu todas as nações da terra.

Agora, porém, o período desta escravidão babilónica está para terminar.

Apocalipse 16,16

16 Então os espíritos reuniram os reis no lugar que, em hebraico, se chama Armagedon.

 

Nossa Senhora ao Padre Gobbi está a se referir ao ano de 1917 em que o Dragão Vermelho, o comunismo, estalou na Rússia, e que em 2017 completará o tempo de cem anos, tal como na visão do Papa Leão XIII.

Apocalipse 20,8

8 Ele vai sair e seduzir as nações dos quatro cantos da terra, Gog e Magog, reunindo-os para o combate. O número deles é como a areia do mar.

Apocalipse 20,9

9 Eles se espalharam por toda a terra e cercaram o acampamento dos santos e a Cidade amada. Mas desceu fogo do céu, e eles foram devorados.

Este período de sedução das nações, será o terrível reinado do Anticristo, que culminará com os 3 Dias de Trevas, que acabará de uma vez por todas com o Mal sobre a Terra, de tal maneira que nos Novos Céus e Nova Terra já não existirá mais a acção demoníaca sobre os eleitos de Deus, os tais cento e quarenta e quatro mil de que se fala no Apocalipse 7,4.

Segundo o ensinamento escatológico do Catecismo da Igreja Católica, nada disto se pode passar nos Novos Céus e Nova Terra.

Apocalipse 7,4

4 Ouvi então o número dos que receberam a marca: cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos do povo de Israel.

 

Apocalipse 20,10

10 O Diabo, que tinha seduzido a todos eles, foi jogado no lago de fogo e enxofre, onde já se achavam a Besta e o falso profeta. Lá eles serão atormentados noite e dia para sempre.

Não mais haverá as tentações infernais, pois todos os demónios estarão encerrados no inferno para sempre em conjunto com os seus chefes espirituais - o Diabo, a Besta e os falsos profetas.

Foi exactamente isto que Nossa Senhora disse ao Padre Gobbi:

Gob 07-11-92

O anjo com a chave e a corrente

A minha vitória se cumprirá quando satanás, com o seu poderoso exército de todos os espíritos infernais, for preso dentro do seu reino de trevas e de morte, de onde não poderá mais sair para causar dano ao mundo.

 

O falso profeta, citado neste versículo, não é uma pessoa, mas sim a designação genérica de todos os falsos profetas que surgiram ao longo da história.

 

Esta é a única leitura que encontrei possível e razoável para compatibilizar os Ensinamentos da Igreja, contidos no Catecismo e na Cronologia estabelecida nas Revelações Privadas.

 

 

 Conclusões

As subtilezas encontradas na explicação destes versículos do Apocalipse, em particular nos Cadernos de Maria Valtorta, dão-nos uma ideia da profundidade e alcance do texto Apocalíptico.

No entanto, muitas luzes já foram lançadas sobre o enigmático texto Apocalíptico, e a seu tempo, aqueles que tiverem Fé, encontrarão a confirmação das grandes Profecias contidas no Apocalipse, tal como foi ensinado por Jesus a Maria Valtorta:

Cad - 1943 - 9 de Dezembro

“Todas as profecías antigas e modernas apresentam pontos que parecem errados, porque, segundo vós, deviam suceder num determinado período e não se hão produzido. Mas os olhos do meu servo vêem com os Meus Olhos. Vós, em contrapartida, vedes com os vossos. O que o meu servo fala ou repete em Meu Nome, e o que vós credes já superado, pode ser ainda um acontecimento que se cumpra no futuro. Isto para todas as profecias, até as dos maiores espíritos.”

 

Amen!

 

http://www.amen-etm.org/Milenarismo.htm