CAPÍTULO XII é è

Meios de Conversão e Defesa

 

CXII1 - A Santificação è

CXII2 - Conversão e Mudança de vida è

CXII3 - Confrontação com o nosso inimigo è

CXII4 - A Consagração ao Imaculado Coração de Maria è

CXII5 - O poder da Oração à Virgem Maria è

CXII6 - O Poder do Terço è

CXII7 - Cenáculos de Oração è

CXII8 - A Eucaristia è

CXII9 - A Adoração de Jesus no Santíssimo Sacramento è

CXII10 - A Meditação da Paixão de Jesus Cristo e as Vias Sacras è

CXII11 - A Devoção dos Primeiros Sábados è

CXII12 - As Vigílias dos últimos Sábados è

CXII13 - Leitura da Vida dos Santos e outras santas leituras è

CXII14 - Um Plano de Oração è

CXII15 - Jejum è

CXII16 - As Bênçãos è

CXII17 - Os Sacramentais como Meios de Defesa è

CXII18 - As Cruzes Gloriosas de Amor, de Dozulé è

CXII19 - Os Peixes e as Cruzes pequeninas para as portas è

CXII20 - As Velas de Lourdes para os Três Dias de Trevas è

CXII21 - Os Escapulários, do Carmo, Verde, e Vermelho è

CXII22 - A Água Benta è

CXII23 - O Terço como sacramental è

CXII24 - Medalha Milagrosa è

CXII25 - As cinco armas da Virgem Maria è

 

Nesta fase final desta obra, depois de termos indagado sobre a própria Criação do homem, do seu ser e do seu devir, depois de termos posto a descoberto o inimigo da humanidade e os seus estratagemas, depois de nos termos inteirado dos perigos que nos ameaçam, depois de tomarmos consciência de que caminhamos à beira do abismo, depois de enchermos o nosso coração de Esperança com o Paraíso Terrestre que nos aguarda no limiar do Terceiro Milénio, resta-nos tomarmos conhecimento do Caminho a seguir e das armas colocadas à nossa disposição para nos defendermos dos nossos inimigos, para chegarmos ilesos aos Novos Céus e Nova Terra Prometida.

O Caminho a seguirmos é obviamente Jesus Cristo.

João 14,6

6 Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.

Jesus não é um caminho, mas sim, é O único caminho para Deus, e só através d'Ele se vai ao Pai.

A forma de percorrermos esse Caminho é pela mão da Virgem Maria, Mãe de Deus e Mãe Nossa. Foi a Virgem Maria que conduziu os Apóstolos nos primórdios do cristianismo, e é Ela também agora que nos conduzirá com segurança a Jesus.

S. Luís de Monfort, Tratado da Verdadeira Devoção à S.V.M., 216.1

 216.1 Porque não te aproximarás de Jesus por ti mesmo, mas sempre por esta boa Mãe;

S. Luís de Monfort, Tratado da Verdadeira Devoção à S.V.M., 218

 218 Maria é um lugar santo, o Santo dos Santos, onde os santos são formados e moldados.

S. Luís de Monfort, Tratado da Verdadeira Devoção à S.V.M., 219

 219 Aquele que é lançado nesta forma divina depressa é formado e moldado em Jesus Cristo e Jesus Cristo nele: Facilmente e em pouco tempo se tornará deus, pois é lançado na própria forma que formou um Deus.

Foi o orgulho que fez cair os anjos rebeldes. Foi o orgulho que fez cair Eva e Adão, querendo ser iguais a Deus através de comerem o fruto da árvore proibida.

Génesis 3,4-5

4 Disse a serpente à mulher: Certamente não morrereis.

5 Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal.

A humildade foi a virtude que se opôs ao orgulho. Foi a humildade da Virgem Maria que fez d'Ela a Esposa do Espírito Santo e a Mãe de Deus.

Lucas 1,46-47

46 Disse então Maria: A minha alma engrandece o Senhor,

47 e meu espírito exulta em Deus em meu Salvador,

48 porque pôs os olhos na humildade da Sua serva.

Pois há-de ser também a humildade, a pedra de toque, de todo aquele que quiser participar da Glória de Deus na Eternidade.

Jesus Cristo foi o ser, gerado não criado, mais humilde que pisou a Terra. A Virgem Maria foi a criatura mais humilde que pisou a Terra.

Jesus Cristo tornou-nos do alto da cruz filhos da Virgem Maria.

João 19,26

26 Ora, Jesus, vendo ali sua mãe, e ao lado dela o discípulo a quem ele amava, disse a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho.

Nesse momento transcendente fomos tornados irmãos de Jesus Cristo e filhos de Deus Pai, destinados a sermos por Sua Vontade participantes, um dia mais tarde, da Sua Glória. Mas para isso, temos de voluntariamente sermos humildes como a Nossa Mãe do Céu, para que através d'Ela sermos levados a Jesus, e por Ele redimidos, salvos e elevados ao seio do Pai por toda a Eternidade.

 

CXII1 - A Santificação é

Só através da Humildade poderemos percorrer o Caminho traçado por Jesus, que é Ele próprio, com Amor e Caridade. A este processo, podemos nós chamar a Santificação. Através da santificação, a alma torna-se pura e isenta de qualquer mancha, causada quer pelo pecado original quer pelos outros pecados cometidos durante a nossa vida terrena. Este processo de santificação, que é também de purificação, dá-se enquanto vivemos na Terra, e depois da morte do corpo, no Purgatório. Só depois de totalmente purificados, alcançamos a santidade. Só então somos santos, e podemos entrar no Paraíso Celeste. Só então, purificados pelo Amor abrasador de Deus, límpidos e resplandecentes como a própria Luz que nos purificou, podemos ser levados à Sua presença e sermos capazes de O encarar face a face. Só aí atingiremos a total Felicidade e Glória Eternas, participantes da suma Majestade e Glória da Santíssima Trindade.

"Amor de Mãe", Maria Stella Salvador, pág. 28

 E não penseis que é o vosso Deus de Amor que vos lança aí (Purgatório). Sois vós próprios que, ao verdes como sois à Luz de Deus, para lá fugis, vos retraís d'Ele, vos colocais nessa situação, pois não podeis suportar a vossa fealdade no meio da Luz do Pai.

É por isto que Deus quer que nós sejamos santos.

Mateus 5,47

 47 Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial.

1S.Pedro 1,14-16

 14 Como filhos obedientes, não vos conformeis às concupiscências que antes tínheis na vossa ignorância,

15 mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento,

16 porquanto está escrito: Sereis santos, porque Eu sou Santo.

A Vontade de Deus é que nos unamos a Ele através da nossa santificação, mas porque nos ama, dá-nos a liberdade de nos auto-determinarmos. A alma, assim livre para optar entre o Caminho da Salvação e outros caminhos que conduzem à perdição eterna, vive a sua vida terrena. Deus, porque nos ama, não força a criatura pelo Caminho da Salvação. Deus necessita do nosso "sim", para nos salvar.

Nesta caminhada de Santificação, devemos usar de actos de Caridade, para mais fácil e eficazmente nos purificarmos dos pecados já cometidos, pois a caridade tem uma forte acção purificadora.

"Amor de Mãe", Maria Stella Salvador, pág. 28

 A respeito das marcas que tendes já dos pecados já cometidos. Colocai-vos, desde já, sob a acção poderosamente purificadora da Caridade, que apaga a multidão de pecados. A Caridade tem força para purificar as vossas almas, fazer nelas as operações necessárias para vos retirar as cicatrizes, a fim de que chegueis belos e sem marcas, no fim da vossa vida.

 

 

CXII2 - Conversão e Mudança de vida é

Este "sim" que nós temos que dar a Deus, mais cedo ou mais tarde, se quisermos salvar a nossa alma, implica uma conversão da nossa vida, implica, como um grande santo afirmava, dar meia volta. Porquê meia volta? Porque habitualmente nós vivemos de costas voltadas para Deus, e por isso necessitamos dar meia volta para ficarmos voltados para Ele, antes de iniciarmos a nossa caminhada em direcção a Ele. Não basta estarmos voltados para Deus. É necessário caminharmos e avançarmos em direcção a Deus.

Padre Ottavio Michellini, 7-6-76

 Por outras palavras, Eu não salvo o homem sem a colaboração do homem, de modo que o problema central é: Deus salva o homem, mas quer a sua colaboração na luta contra as forças do mal. Elas existem em vós, por causa do pecado original causado pelo demónio, que se encarniça contra cada homem e, em especial, contra o cristão.

Satanás, nesta luta contra a Humanidade, tem como aliado o mundo, que lhe pertence.

Este Se o quadro da Pastoral; tudo o resto e a moldura. Ora, o mal de hoje é dar realce à moldura e pouco relevo ao quadro que ela enquadra.

J.N.S.R., "Testemunhas da Cruz", 23 de Fevereiro de 1998

 Sim, mesmo os olhos que Me não irão poder ver, por causa da sua primitiva negação, vencerão a sua recusa porque Me ouvirão e cairão de joelhos, procurando tocar-Me, para ser curados da sua cegueira; então, eles mesmos acreditarão e ver-Me-ão. Porque duvidar então da Minha Vinda já tão próxima?

O primeiro grande sinal da conversão de uma alma, é o seu desapego às coisas do mundo. Este é um sinal seguro que era apontado por S. Afonso Maria de Ligório. Se há uma alma ainda muito apegada às coisas do mundo, à riqueza, aos prazeres, ao poder, aos divertimentos, aos luxos, às modas, ao consumo, à televisão, aos espectáculos mundanos, então isso é sinal seguro de que ainda não iniciou a sua conversão. E esta coisa de conversão não é coisa de um momento, mas sim para a vida inteira e só acaba, quando acaba a vida terrena. A conversão é batalha que se trava diariamente.

É importante termos esta noção e saber deste sinal, para podermos aferir da maior ou menor necessidade de rezar e ajudar determinadas almas. Não se trata de julgar, mas de termos os olhos abertos e constatar, com amor e caridade, se determinadas almas precisam de ser auxiliadas. Este aferir do estado das almas é importante, na medida em que não há maior caridade do que a de salvar uma alma da perdição eterna. É mais importante o bem que se possa fazer a nível espiritual do que a nível corporal, e por isso é preciso estar atentos a esta situação, muito em especial com relação a nós próprios. Este aferir, de certa maneira implica uma certa dose de julgamento, mas é um julgamento saudável, porque não implica condenação da nossa parte, mas sim, uma tentativa de diagnóstico para poder ajudar mais eficazmente. Aliás, Não nos está vedado o julgamento dos outros, mas a advertência que nos foi feita por Jesus, foi de "como julgares assim serás julgado".

É pois muito importante cada um de nós fazer um atento exame minucioso da nossa vida e vermos quais os pontos fracos, para tentar mudarmos o curso da nossa existência.

É corrente falarmos com pessoas que dizem acreditar em Deus, que dizem amar a Deus e se dizem católicos, mas, ficamos perplexos ao constatarmos de que as suas vidas não estão de acordo com aquilo que supomos deveria ser a de uma vivência cristã. Na realidade, esta é a situação em que se encontra a maioria esmagadora de todos nós. Esta é a hipocrisia com que nos habituámos a compactuar no dia a dia, escondendo de nós próprios os nossos defeitos e os nossos pecados, para ficarmos a bem com as nossas consciências. Passamos a pensar como vivemos, e não vivemos como pensamos. A nossa vida passa a determinar a forma de pensarmos, em vez do que deveria ser, ou seja, devíamos primeiro pensar, e depois passar a viver de acordo com o que pensamos. E este pensar, obviamente deve ser pautado, não pela nossa cabeça, mas sim pela cabeça e pelos mandamentos de Deus. Devemos em todas as circunstâncias adequar a nossa maneira de pensar com a de Jesus Cristo. A nossa inteligência deve se utilizada no sentido de a cada momento nos adequarmos mais e mais à maneira de Jesus Cristo amar, pensar e viver. A nossa razão deve dar cada vez mais lugar ao coração, sede e fonte do amor divino dentro do homem. O coração é simbolicamente o lugar onde Deus pretende habitar em nós. Deus é Amor e quer instalar esse Amor no nosso coração. Esta transferência da razão para o coração é fonte de santificação e em si mesma, conversão. Esta transferência da razão para o coração é um acto de suma inteligência de Sabedoria Divina. Em tudo o que diz respeito à área espiritual do ser humano, deve ser utilizado o coração, que é a sede do Amor de Jesus Cristo, permanentemente iluminado pelo Espírito Santo, e colocado em conformidade com os ensinamentos de Jesus. É com o coração que temos de a todo o momento aferir da adequação da nossa vida à Vontade de Deus, à Sua Lei de Amor.

Esta transferência da razão para o coração, é o acto máximo que a razão pode atingir, pois implica o maior dos actos que o homem pode assumir, que é o de se anular a si a à sua vontade, para se entregar inteiramente ao pensar e à Vontade de Deus. O último e o maior dos actos em que nós devemos utilizar a nossa razão e a nossa inteligência, em matéria espiritual, é precisamente o de a deixarmos de utilizar em tudo aquilo que diz respeito à esfera espiritual. Nesta esfera espiritual, não podemos tentar pôr nada de nosso, mas sim aceitar tudo o que foi determinado por Deus, pelo nosso Criador, pelo nosso Salvador. Ele sim sabe e está bem colocado para nos ensinar e dizer como é. Nós nada somos ao pé d'Ele, e tudo temos a esperar d'Ele. É este passo gigantesco que tem de ser dado para iniciarmos o nosso processo de conversão. A chave do sucesso para este passo ser dado é a HUMILDADE. Temos no mais profundo do nosso coração admitir que não somos nada, e de que Deus é tudo. Sem humildade, este passo nunca pode ser dado.

Se conseguirmos pois em humildade dar este passo, Deus encher-nos-á de imediato, e a nossa vida sofrerá a mais profunda das transformações. Verdadeiramente Deus começará a ser tudo para nós, e a partir desse momento só desejaremos fazer a Sua Vontade, amá-lO e servi-lO.

A partir do início da nossa conversão, podemos então começar a afirmar com uma certa verdade de que amamos a Deus. A partir desse momento, só teremos um objectivo na nossa vida, o de nos aproximarmos mais d'Ele. E quanto mais nos aproximarmos mais de Deus, mais consciência tomaremos dos nossos pecados, das nossas fraquezas, das nossas infidelidades, da nossa miséria e do quão pequeno e imperfeito é o nosso amor por Deus. A partir desse momento, tudo o que fizermos para Deus, directamente para Ele ou através do nosso "próximo", acharemos sempre pouco. Então começaremos a nos desinteressarmos das coisas do mundo e a só pensar em Deus. Este passo, tão simples, é difícil de dar, porque implica numa primeira fase, uma renúncia de si mesmo e das coisas do mundo, mas logo a seguir vem em compensação a posse de tudo aquilo que o homem anseia, tudo aquilo que o pode levar à plenitude do seu ser e da sua felicidade, que é o sentir-se amado por um Deus, ser-se amado por Deus, ser-se amado pelo Deus todo Poderoso, sentir-se verdadeiramente filho de Deus. Só este despojamento das coisas do mundo e a posse de Deus, traz a felicidade tão desejada pelo homem. Neste momento, tornar-se-á visível aos outros que nos rodeiam, que algo se passou de importante, porque será dado o primeiro sinal da nossa conversão: o desinteresse pelas coisas do mundo.

Logo após termos iniciado a nossa conversão, teremos aquilo a que eu chamo os "sinais exteriores do amor a Deus". Estes "sinais exteriores do amor a Deus" são semelhantes aos da paixão que sentimos pelo sexo oposto, quando nos apaixonamos por alguém. Quando pois quisermos saber se realmente amamos a Deus, analisemos se:

- Só pensamos nEle.

- Só queremos estar com Ele.

- Só falamos d'Ele a toda a gente.

- Só queremos apresentá-lO a toda gente.

- Só queremos fazer a Sua Vontade para lhe agradar.

- Só pensamos em Lhe oferecer prendas.

- Sofremos quando não estamos com Ele.

- Estamos dispostos a tudo e todos abandonar para estar com Ele.

Quando todos estes sinais estiverem presentes na nossa relação com Deus, então só aí podemos dizer sem hipocrisia de que amamos a Deus. Antes disto, tenhamos a decência e a coragem de assumir de que não amamos a Deus, e se o quisermos amar, então temos de dar meia volta na nossa vida.

Depois de iniciarmos este nosso próprio processo de conversão, imediatamente nos sentiremos impelidos a nos virar para os outros, e a todo o momento avaliarmos se o que fazemos está de acordo com a Vontade Deus. É um Caminho que se inicia e que é não é fácil de percorrer, é um Caminho íngreme, a subir, cheio de pedras e com muitos perigos a nos espreitar, e tem de ser levado com uma cruz às costas. Só com o auxílio de Deus é possível percorrer este Caminho, em humildade e cheios de amor, por Deus e pelo próximo. Para este Caminho, só há uma porta, que é estreita e difícil de dar com ela sem o auxílio de Deus.

S. Mateus 7,14

 13 Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela.

14 E porque estreita é a porta, e estreito o caminho que conduz à vida, e poucos são os que a encontram.

A mudança de vida antecede, pois, imperiosamente a nossa caminhada para Deus.

A mudança de vida é o nosso primeiro passo no caminho da santificação.

Mas a resistência que o homem opõe a esta atitude de humildade, é que provoca o estado do mundo em que vivemos, cheio de orgulho, e por isso a preocupação da nossa Boa Mãe do Céu, a Virgem Maria, que desde Fátima pede a nossa conversão.

1ª Aparição de Fátima, Memórias da irmã Lúcia

 É então que a Senhora, qual Mãe amargurada, pede aos pequenos:

- "Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser mandar-vos, em acto de reparação pelos pecados com que é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores"?

Não tenhamos a veleidade de pensar que dos pecadores de que a Virgem Maria fala, são os outros. Pecadores somos todos nós. Não são só aqueles que consideramos que andam afundados no mundo dos sentidos, da droga, da prostituição, do prazer, da violência, da corrupção e do dinheiro que são os pecadores. Nós também somos pecadores e é a nós que Jesus espera de braços abertos, depois da nossa conversão, da nossa mudança de vida.

Disse Jesus a uma das suas almas queridas:

«Se vós Me amásseis, continuaríeis a rezar pela conversão de todos os Meus filhos que não tem consciência (do estado em que estão) e vivem ainda sob o poder de satanás.

E noutra passagem:

Lembra-lhes, de novo, que Eu rejubilo, não pela morte de um ser malvado e rebelde, mas pela conversão de um homem malvado e rebelde que muda de comportamento, a fim de assegurar a sua vida.

Neste combate, do qual só poderemos sair vitoriosos, se estivermos cheios e protegidos pelo Espírito Santo, far-nos-á passar por difíceis provações, sofrimentos, agruras, dolorosa purificação, tal como as passou o Jesus Cristo, Nosso Mestre e Senhor.

S. Mateus 4,2

2 Depois de passar quarenta dias e quarenta noites sem comer, Jesus teve fome.

Esta fase de mortificação dos sentidos que Jesus nos aconselha a seguir, com o seu próprio exemplo de Vida, descreve-a maravilhosamente também S. João da Cruz na "Subida do Monte Carmelo", como sendo a "noite escura", e que só depois de a atravessarmos, atingiremos a união com Deus.

Esta fase de purificação passa também pelo abandono voluntário das coisas do mundo, como o propõe de uma maneira tão eficaz S. Luís de Monfort no seu "Tratado da Verdadeira devoção à Santíssima Virgem".

Como confirmação de que é nos nossos corações, templos de Deus, onde se decide a nossa salvação, recordemos o ensinamento dado por Jesus a Santa Brígida sobre aqueles que verdadeiramente o servem e alcançarão a salvação.

Santa Brígida, Livro 1 - Revelação XI - Pág. 53

 Eu sou o teu Deus, que sendo verdadeiro Deus e verdadeiro homem numa só pessoa, fui crucificado, e que em cada dia que passa estou nas mãos dos sacerdotes.

Todas as vezes que me rezares uma oração, dirás que se faça a minha vontade e não a tua; porque quando tu pedes pelos condenados, não te oiço, nem quando tu pedes o que é contra a tua salvação. Assim, convém que tu subordines a tua vontade à minha, porque alcançarás todas as coisas e te darei o que te convém.

Há muitos que rezam, mas não com intenção recta, e por isso não merecem ser ouvidos; por isso é que te digo que há três classes de pessoas que me servem.

Os primeiros, são os que crêem que sou Deus, dador de todas as coisas e omnipotente.

Estes servem-me porque lhes dei bens e honras, mas não apreciam minimamente as coisas do céu, e a troco de terem neste mundo aquilo que desejam, perderiam com gosto o céu.

A estes tudo lhes sucede bem e com prosperidade segundo o que desejam, e desta maneira perdendo os bens eternos. Remunero-os em bens temporais todo o bem que fazem por Mim, pagando-lhes tudo sem excepção até o último centavo.

Os segundos, são os que crêem que sou o Deus omnipotente e Juiz rigoroso, e como tal tudo fazem por medo do castigo, mas não pelo amor que tenham à glória. Se não fora pelo temor que têm, eles não me serviriam.

Os terceiros, enfim, que crêem que sou o Criador de todas as coisas e verdadeiro Deus, justo e misericordioso. Estes Me servem, não por medo da pena, mas sim por amor e caridade, e estariam dispostos a sofrer penas infinitas, se lhes fosse possível, para evitarem Me ofender uma só vez que fosse. Estes merecem ser ouvidos nas suas orações, porque sempre conformam a sua vontade com a minha.

Os primeiros terão um castigo eterno e não verão o meu rosto.

Os segundos ainda que não terão um tão grande castigo, não verão a minha cara, se não emendarem aquele puro temor, se não for por melhor motivo, através da penitência.

 Neste processo de conversão, em primeiro a nossa e depois a dos outros temos de ter uma especial preocupação pelo sacerdotes, que são o grande alvo contra os quais se encarniça o demónio. Os sacerdotes serão em grande medida aquilo que nós rezarmos por eles. Se rezamos muito por um padre, ele será um bom padre. Se um padre não tiver quem reze por ele, provavelmente cairá e deixar-se-á levar pelo demónio.

A propósito da pergunta que um dia um padre fez à Conchita, vidente de Garabandal, esta escreveu-lhe uma carta em 28 de Julho de 1967, sem dúvida inspirada pelo Espírito Santo, em que refere as 10 principais atitudes que a Virgem pede dos padres.

Carta da Conchita Gonzalez a um Padre

 Estas mesmas atitudes também devem ser assumidas por todos os leigos que estão comprometidos com a sua Igreja.

- O que a Virgem quer do padre, é sobretudo a sua própria santificação.

- Que ele cumpra os seus votos por Amor de Deus.

- Que ele lhe leve muitas almas, pelo seu exemplo e pela oração, porque nos tempos que correm, de qualquer outra maneira será difícil.

- Que ele seja sacrificado em Cristo por amor das almas.

- Que ele se isole de tempos a tempos no silêncio para escutar a Deus, que lhe fala constantemente.

- Que eles meditem muito na Paixão de Jesus, para que as suas vidas sejam mais unidas ao Cristo sacerdote,

- A fim de assim convidarem as almas à penitência e ao sacrifício,

- E também a fim de fazê-los mais aptos a levar a cruz que a todos Cristo envia.

- Que eles falem de Maria que é a mais segura para nos conduzir a Cristo.

- Que eles falem também e persuadam que se há Céu, há também inferno.

Eu creio que é isto que o Céu pede aos seus padres».

 Numa carta dirigida pela Irmã Lúcia ao padre Agostinho Fuentes em 1958, publicada no número 2 da revista Italiana "Non siamos Soli" de 2 de Julho de 1991, encontramos também um pedido plangente para a necessidade de conversão e mudança de vida.

Carta da Irmã Lúcia ao padre Agostinho Fuentes, 22-5-1958

 "Padre, a Virgem está muito desgostosa, porque não se fez caso da Sua Mensagem. Nem os bons nem os maus fizeram caso. Os bons vão pelo seu caminho sem se preocupar de seguir as Normas Celestes, os maus vão pelo largo caminho da perdição, não tendo em atenção os castigos ameaçados.

Creia, Padre, o Senhor Deus dentro de pouco tempo castigará o mundo. O castigo será material e, imagine-se Padre, quantas almas cairão no inferno se não se reza e não se faz penitência. Esta é a causa da tristeza da Virgem.

Padre, diga-o a todos, que a Virgem disse-me muitas vezes irem desaparecer muitas nações da face da Terra. Nações sem Deus serão o flagelo escolhido por Deus para castigar a humanidade, se nós, através da oração e dos S. S. Sacramentos, não obtemos a graça da sua conversão.

Diga-o, Padre, que o demónio está pelejando a batalha decisiva contra a Virgem, porque o que aflige o Coração Imaculado de Maria e de Jesus, é a caída das almas religiosas e sacerdotais.

O demónio sabe que os religiosos e os sacerdotes, esquecendo a sua excelsa vocação, empurram muitas almas para o inferno. Estamos justamente no tempo de deter o castigo do Céu, temos à nossa disposição dois meios eficazes: a oração e o sacrifício. O demónio faz todo o possível para distrair-nos e tirar-nos a atenção da oração. Ou nos salvaremos ou nos condenaremos.

Mas, Padre, é necessário dizer às pessoas que não têm de estar esperando a chamada à oração e à penitência, nem do Sumo Pontífice, nem dos Bispos, nem dos Padres, nem dos Superiores Gerais. Já é tempo que cada um pela sua própria iniciativa, faça obras Santas e reforme a sua vida segundo os chamamentos da Virgem Santíssima.

O demónio quer apoderar-se das almas consagradas, trabalha para corrompê-las, para induzir a outras a uma definitiva persistência no pecado; utiliza todas as astúcias, sugerindo incluso de alugar ao dia a vida religiosa! Isto dá origem à esterilidade da vida interior e à indiferença dos leigos, em relação à renúncia dos prazeres, em vez da total imolação a Deus.

Recorde, Padre, que dois acontecimentos contribuíram para santificar a Jacinta e o Francisco: a aflição da Virgem e a visão do Inferno. A Virgem encontra-se como que entre duas espadas, de um lado vê a humanidade obstinada e indiferente aos castigos ameaçadores; por outra parte, vê que nós pisamos os santos sacramentos e desprezamos o castigo que se aproxima e ficamos incrédulos, sensuais e materialistas.

A Virgem disse expressamente: "Aproximam-se os últimos dias" e repetiu-me isto três vezes. Antes afirmou, que o demónio começou a luta decisiva, ou seja, a final, da qual um dos dois sairá vitorioso ou vencido.

Ou estamos com Deus ou estamos com o demónio.

A última vez repetiu-me que os últimos remédios oferecidos ao mundo são: o Santo Rosário e a Devoção ao Coração Imaculado de Maria.

À terceira vez disse-me que esgotados os outros meios desprezados pelos homens, oferece-nos ainda com tremor de calafrio, o último de salvação: a Santíssima Virgem em pessoa, as Suas numerosas aparições, as Suas lágrimas, as mensagens de videntes dispersos por todos os lugares do mundo.

E a Virgem disse ainda que se não a escutarmos, continuando a ofender a Deus, não seremos mais perdoados.

É urgente, Padre, que se dê conta da terrível realidade. Não se quer encher as almas de terror, mas é uma chamada de atenção urgente, porque desde que a Virgem Santíssima deu grande eficácia ao Rosário, não há problemas, nem materiais nem espirituais, nacionais ou internacionais, que não se possam resolver com o Santo Rosário e com os nossos sacrifícios. Recitado com amor e devoção, consolará a Maria, limpando tantas lágrimas do Seu Imaculado Coração".

 A Virgem disse expressamente: "Aproximam-se os últimos dias" e repetiu-me isto três vezes.

 Os últimos remédios oferecidos ao mundo são: o Santo Rosário e a Devoção ao Coração Imaculado de Maria.

 Não há problemas, nem materiais nem espirituais, nacionais ou internacionais, que não se possam resolver com o Santo Rosário e com os nossos sacrifícios.

 

 

CXII2 - Confrontação com o nosso inimigo é

Se Jesus é o nosso Salvador, também sabemos que satanás é o nosso maior inimigo.

Só depois de termos verdadeira consciência desta realidade, seremos verdadeiramente capazes de nos libertarmos do seu jugo, da sua malícia, do seu poder, da sua sedução, dos seus disfarces, das suas manhas, do seu ódio a Deus, dos seus desígnios de nos afastar de Deus através de todos os meios.

Para termos bem consciência de que conhecer o diabo ou satanás é um imperativo fundamental para a nossa mudança de vida, lembremo-nos de que:

- Logo no primeiro livro da Bíblia, vem a descrição do nosso maior inimigo: a serpente.

A serpente que encarnava naquele tempo o papel do diabo, tentou e derrubou os nossos primeiros pais, Adão e Eva.

Génesis 3,1

 1 A serpente, que era o mais astuto de todos os animais selvagens criados por Deus...

Génesis 3,13

 13 A serpente, enganou-me e eu comi.

- S. João Baptista, nas suas primeiras palavras públicas relatadas no Evangelho de S. Mateus 3,2 exorta-nos a fugir dos perigos de satanás.

S. Mateus 3,2

2 Arrependam-se do mal, porque o Reino dos céus está próximo.

- Jesus Cristo, as primeiras palavras que profere no início da sua vida pública são exactamente as mesmas que João Baptista.

S. Mateus 4,17

17 Arrependam-se dos pecados, porque o Reino dos céus está a chegar.

- Nossa Senhora mostrou aos pastorinhos o inferno, que a Lúcia descreve nas suas memórias.

Irmã Lúcia, Memórias, Terceira Aparição

«...abriu de novo as mãos como nos dois meses anteriores. O reflexo que elas expediam pareceu penetrar a Terra e vimos como que um mar de fogo e mergulhados nesse fogo os demónios e as almas como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana, que flutuavam no incêndio levadas pelas chamas, que delas mesmas saíam juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados... entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizavam e faziam estremecer de pavor. Os demónios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa.»

São estes os nossos inimigos. É contra este horror que temos de combater. Foi destes horrores e deste inferno que Jesus nos veio salvar através da sua paixão e ressurreição.

 

Podemos ver pois que toda a história da humanidade está inexoravelmente ligada à batalha entre o Bem e o mal.

Tudo o que é bom vem de Deus. Tudo o que é mau e mal, vem do diabo.

Se quisermos mudar de vida, essa mudança passa inevitavelmente pelo combate ao mal.

Para não sermos cópias anedóticas de D. Quichote de La Mancha, que combatia contra moinhos de vento, os seu inimigos invisíveis, temos de conhecer em primeiro lugar o nosso inimigo, que é bem real: o diabo, ou satanás.

Foi precisamente isto que Jesus, despido da sua Divindade, fez depois de receber o Espírito Santo e antes de iniciar a sua vida pública, como vem descrito em S. Mateus.

S. Mateus 4,1

1 Então Jesus, conduzido pelo Espírito Santo, foi para o deserto, a fim de ali ser tentado pelo diabo.

Esta mudança de vida que nos conduzirá naquele que deve ser o nosso único objectivo de vida, o de ser santos, passa pois, tal como Jesus Cristo nos ensinou com a Sua própria Vida, por tomarmos conhecimento do nosso inimigo, de sermos tentados por ele, e revestidos do Espírito Santo, vencê-lo, tal como Ele o fez.

Por isso, só depois de cheios do Espírito Santo, pedido através da "poderosa intercessão do Imaculado Coração de Maria, Sua Amadíssima Esposa", conseguiremos resistir a satanás, e cheios de Sabedoria Divina, conseguiremos concretizar a nossa tão desejada Mudança de Vida, que se concretiza naturalmente com o irradiarmos o Amor de Deus à nossa volta, levando a Boa Nova a todos os que nos rodeiam.

Só depois desta Mudança de Vida, radical, total, seremos capazes de dizer como S. Paulo:

«Já não sou eu que vivo, mas sim Deus que vive em mim.»

Para nos mantermos neste estado de graça, nestes fins dos tempos tão difíceis, em que o mundo está nas garras de satanás, o príncipe do mundo, só conseguiremos se estivermos inteiramente consagrados aos Dois Corações Unidos de Jesus e Maria.

Só no recato do Imaculado Coração de Maria encontraremos protecção, força e consolo, tal como a nossa Santíssima Mãe o disse numa das Suas Mensagens ao Padre Gobbi.

Padre Gobbi, em 11 de Março de 1974

É que Eu quero fazer-te crescer na confiança em Mim. Deves deixar-te guiar por esta confiança, a todo o momento do dia, sem nunca opor resistência alguma. Eleva-te cada vez mais para o alto, até viveres habitualmente no meu Coração Imaculado.         

Então a tua união habitual comigo será como que a respiração de tua alma, que te permitirá respirar para a vida. (...)

Às vezes, o meu Coração se entristece ao ver que há filhos que se consagram a Mim e não são totalmente meus.

Não me dão tudo, porque ainda guardam para si alguma coisa. Ora nada, nada mais deviam possuir. Deviam aspirar só a ser crianças e filhos pequeninos junto de Mim.

Quanto mais Eu os chamo, para serem grandes no amor, na santidade, no heroísmo, tanto mais pequenos se devem tornar (...).

Quando forem perfeitos na infância espiritual, quando a sua única preocupação for a de se deixarem guiar, confiantes em Mim, estarão preparados para os grandes desígnios.

Meus filhos, deixai-vos formar e trabalhar por Mim. Sem que vós e os outros o notem, Eu vos transformarei completamente, vos darei grandes dons de amor, vos chamarei à união cada vez mais profunda com Deus e comigo.

Por isso vos peço que vos entregueis a Mim. Se esta doação não for perfeita, atar-Me-eis as mãos e Eu não poderei actuar em vós, segundo a minha vontade (...)"

J.N.S.R., "Testemunhas da Cruz", 6 de Janeiro de 1998

Satanás passou a ser o Mestre de quase toda a Humanidade. Há muitos inconscientes que lhe abriram as suas portas; e ele introduziu-se a vosso bel-prazer: os prazeres e o dinheiro cobriram-vos os olhos de escamas e os vossos corações tornaram-se duros como pedra, esquecendo-vos de que Eu vos amo e de que, a um simples pedido vosso, Eu Mesmo lhe teria vindo impedir o caminho. Mas a vossa liberdade levou-vos a escolhê-lo, com todo o seu cortejo de cobiças e propostas aliciantes.

Mas há ainda muito mais homens, conscientes, que escolheram o Mal. Eles mesmos o introduziram na vossa sociedade, para seu proveito pessoal: Poder e Dinheiro. Deste modo, estes homens introduziram, bem conscientemente, Satanás no vosso Mundo actual: os adeptos de Satanás são muitos. E eles mesmos ajudam o Maligno a instalar o seu reino: ele devora as suas presas e devasta o património de Deus, oculta a Minha Santa Verdade, sufoca os Meus preceitos, para introduzir os seus: é o reino do Mal invisível, nas almas e nos corações. Os ares, os mares, as águas e todas as terras têm já a sua marca. Tudo se deforma. Os habitantes e os animais do vosso planeta estão por ele afectados: a Besta tem tudo manchado com o seu veneno; tudo está doente.

Satanás passou a ser o Mestre de quase toda a Humanidade.

 Este é o diálogo entre Deus e os homens que se processará não num instante mas durante um período conturbado de purificação e de conversão, em que o homem volverá de novo os seus olhos para Deus e lhe pedirá perdão, clemência e ajuda para se manter vivo.

O homem renovará os seus compromissos baptismais de uma vez por todas, e portanto também renunciando a satanás.

 

 

CXII4 - A Consagração ao Imaculado Coração de Maria é

A Consagração ao Imaculado Coração de Maria é passo importante para a santificação de uma alma. Esta Consagração é um meio poderoso e seguro de nos Consagrarmos a Jesus e de a Ele chegarmos. A Virgem Maria só nos conduz a Jesus.

Consagrarmo-nos, é tornarmo-nos um Com o Sagrado. Esta união é o objectivo de toda a criatura. A Consagração é um acto que se faz após uma determinada preparação, mas que não é suficiente por si só. Após feita a Consagração, ela tem de ser renovada e vivida, a nível de propósito de vida, muitas vezes, direi mesmo, diariamente.

Padre Gobbi 7 de Julho de 1973

 Renova, neste dia, a tua consagração ao meu Imaculado Coração! És meu, és propriedade minha. Deves, em cada momento, ser aquilo que Eu quero. Deves, em cada momento, fazer tudo quanto te pedir.

Padre Gobbi 31 de Dezembro de 1997

 Este ano foi particularmente importante para o Meu plano. Agora, entrais no Meu tempo. Para ele tracei Eu um caminho cheio de Luz, ao longo do qual todos vós deveis caminhar, a fim de viverdes a Consagração que fizestes ao Meu Coração Imaculado. Tudo vos foi revelado.

Esta Devoção e Consagração ao Imaculado Coração de Maria foi-nos transmitida nas Aparições de Fátima e mais tarde nas Mensagens ao Padre Gobbi.

Segunda Aparição da Santíssima Virgem Maria

13 de Junho de 1917

 LÚCIA: "Queria pedir-Lhe para nos levar para o Céu".

NOSSA SENHORA: "Sim, a Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-se de ti para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração. A quem a abraçar, prometo a salvação; e serão queridas de Deus estas almas, como flores postas por Mim a adornar o seu trono ".

LÚCIA: "Fico cá sozinha"?

NOSSA SENHORA: Não, filha. E tu sofres muito? Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus".

O Papa Paulo VI quando veio a Portugal, em Fátima, na sequência dos seus predecessores, recomendou a Consagração ao Imaculado Coração de Maria.

Papa Paulo VI, Exortação "Signum Magnum" em 13-5-1967

 Exortamos todos os filhos da Igreja a renovar pessoalmente a sua própria consagração ao Coração Imaculado da Mãe da Igreja e a viver este notabilíssimo acto de culto, com vida cada vez mais conforme à Vontade Divina e em espírito de serviço filial e devota imitação da sua Celeste Rainha».

Estas são palavras da Santíssima Virgem Maria, Nossa Senhora, proferidas em 24 de Janeiro de 1996, na sua Mensagem de 4ª feira dada na Quinta de Sta. Rita, no Morelinho :

"... que permanecendo unidos, fiéis e obedientes ao Papa João Paulo II, meu filho amado, podereis caminhar na verdadeira fé; sede mais humildes e aceitai pequenos filhos as minhas palavras, e aceitai a voz do pastor que o meu Filho vos deu para estes tempos, o qual foi preparado para esta missão, no mais secreto e profundo do meu Imaculado Coração".

Na parte final da Carta Encíclica Mãe do Redentor, de 25/3/87, S.S. o Papa João Paulo II diz:

«É-me grato recordar dentre as muitas testemunhas e mestres da espiritualidade mariana, a figura de São Luís Maria Grignion de Montfort, que propõe aos cristãos a consagração a Cristo pelas mãos de Maria, como meio eficaz para viverem fielmente os compromissos baptismais».

Esta Consagração, escrita pelo próprio punho de S. Luís de Monfort, ele ardentemente aconselha a que a façamos depois de ler e depositar no nosso coração o "Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem", livro imprescindível de se conhecer para todos aqueles que anseiam a união com Jesus e Maria e igualmente serem chamados por Nossa Senhora: Apóstolos dos Últimos Tempos.

Deste livro fez o Santo Padre João Paulo II o seu «livro de bolso», quando se preparava para a ordenação sacerdotal. Consagrado a Nossa Senhora. segundo o método ensinado pelo santo, foi a este livro buscar o seu lema, por todos conhecido: "TOTUS TUUS". Assim se percebe porquê, o Papa João Paulo II, "foi preparado para esta missão, no mais secreto e profundo do meu Imaculado Coração", segundo as próprias palavras da Virgem Maria.

O exemplo do Papa João Paulo II, a que tanto nos exorta a Santíssima Virgem Maria, deve ser seguido com urgência.

Há três dias no ano, em que se for feita a Consagração ao Imaculado Coração de Maria, ganhar-se-á uma indulgência Plenária:

25 de Março, 28 de Abril e 8 de Dezembro.

O Livro do Tratado a utilizar, deverá ser a única tradução fiel ao francês original, e é o da editora A.T.I.C., Associação Tudo Instaurar em Cristo, ou da Solidariedade, que são a mesma coisa, do Dr. António Marques Bessa.

Texto da Consagração Monfortina ao Imaculado Coração de Maria

 CONSAGRAÇÃO

Ó Sabedoria eterna e encarnada, amabilíssimo e adorável Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Filho único do Eterno Pai e de Maria sempre Virgem!

Eu Vos adoro profundamente no seio e nos esplendores de Vosso Pai, durante a eternidade, e no seio virginal de Maria, Vossa digníssima Mãe, no tempo da Vossa Encarnação.

Dou-Vos graças por Vos terdes aniquilado a Vós mesmo, tomando a forma de um escravo para libertar-me da cruel escravidão do demónio.

Eu Vos louvo e glorifico por terdes querido submeter-Vos em tudo a Maria, Vossa santa Mãe, a fim de tornar-me, por Ela, Vosso fiel escravo.

Mas eis que, ingrato e infiel como sou, não tenho cumprido as promessas e votos que tão solenemente Vos fiz no meu baptismo; não tenho cumprido os meus deveres e não mereço ser chamado Vosso filho e nem Vosso escravo. E como nada há em mim que não mereça a Vossa repulsa e a Vossa cólera, já não ouso aproximar-me, sozinho, da vossa santíssima e augustíssima Majestade.

Recorro, pois, à intercessão e a misericórdia de Vossa Santa Mãe que me destes para Medianeira junto de Vós; é por intermédio d'Ela que espero obter de Vós a contrição e o perdão dos meus pecados, a aquisição e a conservação da Sabedoria.

Eu Vos saúdo, pois, ó Maria Imaculada, tabernáculo vivo da Divindade, onde a Sabedoria eterna escondida quer ser adorada pelos Anjos e pelos homens.

Eu Vos saúdo, ó Rainha do céu e da terra, a cujo império está sujeito tudo o que existe abaixo de Deus.

Eu Vos saúdo, ó Refúgio seguro dos pecadores, cuja misericórdia a ninguém jamais faltou. Atendei aos desejos que tenho da divina Sabedoria e recebei, para isso, os votos e ofertas que a minha baixeza Vos apresenta.

Eu, (Nome)..., pecador infiel, renovo e ratifico hoje nas Vossas mãos, as promessas do meu baptismo. Renuncio para sempre a satanás, às suas pompas e suas obras e dou-me inteiramente a Jesus Cristo, Sabedoria encarnada, para segui-Lo, carregando a minha cruz todos os dias da minha vida, e para Lhe ser mais fiel do que fui no passado.

Escolho-Vos, hoje, ó Maria, na presença de toda a corte celeste, para minha Mãe e Senhora; entrego-Vos e consagro-Vos, na qualidade de escravo, o meu corpo e a minha alma, os meus bens interiores e exteriores e até o próprio valor das minhas boas obras passadas, presentes e futuras, deixando-Vos pleno e total direito de dispor de mim e de tudo o que me pertence, sem excepção alguma, segundo o Vosso agrado e para maior glória de Deus, no tempo e na eternidade.

Recebei, ó Virgem benigna, esta pequena oferta da minha escravidão, em união e em honra da submissão que a Sabedoria eterna quis ter da Vossa maternidade; em homenagem ao poder que ambos tendes sobre este verme e miserável pecador, e em acção de graças pelos privilégios com que a Santíssima Trindade Vos favoreceu.

Prometo que, de hoje em diante, desejo, como Vosso verdadeiro escravo, procurar a Vossa honra e obedecer-Vos em tudo.

Ó Mãe admirável, apresentai-me ao Vosso querido Filho na qualidade de escravo eterno a fim de que, tendo-me resgatado por Vós, por Vós me receba.

Ó Mãe de misericórdia, concedei-me a graça de alcançar a verdadeira Sabedoria de Deus e de colocar-me, por isso, no número daqueles que amais, ensinais, guiais, alimentais e protegeis como vossos filhos e escravos.

Ó Virgem fiel, tornai-me em tudo um tão perfeito discípulo, imitador e escravo da Sabedoria encarnada, Jesus Cristo, Vosso Filho, que eu chegue, por Vossa intercessão e segundo o Vosso exemplo, à plenitude da Sua idade na terra e da Sua glória no Céu.

Assim seja.

A esta Consagração total chama S. Luís de Monfort:

«Santa escravidão de Amor».

 A seguir apresento um plano possível para a preparação desta Consagração Monfortina.

PLANO DA LEITURA, PREPARAÇÃO E CONSAGRAÇÃO MONFORTINA em 25 de Março

Leitura

Dia 1 de Fevereiro - Leitura do Prefácio e Apresentação do Tratado.

Dia 2 de Fevereiro - Leitura dos 10 primeiros artigos em que está dividido o Tratado.

Dia 3 até 28 de Fevereiro - Leitura diária de 10 artigos, dos 273 que constituem o Tratado.

Preparação (Ver pagela junta com o livro)

Dia 1 a 8 de Março - Conhecimento de si mesmos. Contrição dos nossos pecados e leitura diária dos nº 78 a 89 do Tratado. Diariamente pedirão "que eu me conheça", rezarão a "Ladainha do Espírito Santo", o "Avé Maria Stella" e a "Ladainha de Nossa Senhora"

Dia 8 a 15 de Março - Conhecimento da Santíssima Virgem, através de diariamente o pedirem ao Espírito Santo, e da meditação do Tratado. Diariamente rezarem o terço nessa intenção, rezarão a "Ladainha do Espírito Santo", o "Avé Maria Stella".

Dia 16 a 25 de Março - Conhecimento de Jesus Cristo através de diariamente: Meditar os nº 61 a 71 do Tratado, rezarem a oração de Santo Agostinho no nº 67, repetirão vezes sem conta durante o dia "Senhor, fazei que eu Vos conheça" e rezarão a "Ladainha do Espírito Santo", o "Avé Maria Stella" e ainda a "Ladainha do Santíssimo Nome de Jesus"

Dia 25 de Março - De preferência em Fátima, confessar-se-ão e comungarão com a intenção de se darem a Jesus Cristo na qualidade de escravos de amor, pelas mãos de Maria. Depois da comunhão, dirão sentidamente e com todo o coração a fórmula da Consagração. Neste dia prestarão um tributo a Jesus, que poderá ser um jejum. Seguidamente poderão fazer a bênção e a imposição das cadeias para o resto da vida.

Quem fizer este período de Preparação e a Consagração, receberá uma Indulgência Plenária e sentir-se-á mais do que nunca protegido pelo Manto de Santíssima Virgem e absolutamente mergulhado no Coração Imaculado de Maria. Graças sem conta receberão a partir desse momento ...

Esta Protecção e estas Graças serão fundamentais para os anos de 1998 e 1999.

Depois desta primeira e Total Consagração feita ao Imaculado Coração de Maria, poderá ser feita a sua renovação com o texto utilizado nos Cenáculos Marianos, do Movimento Sacerdotal e Leigo Mariano.

Texto da Consagração ao Imaculado Coração de Maria do Movimento Sacerdotal e Leigo Mariano

Virgem de Fátima, / Mãe de Misericórdia, / Rainha do Céu e da Terra, / Refúgio dos pecadores, / nós, / aderindo ao Movimento Mariano, / consagramo-nos de modo especialíssimo ao Vosso Coração Imaculado. /

Com este acto de consagração pretendemos viver, / convosco e por meio de Vós, / todos os compromissos assumidos na nossa consagração baptismal. /

Comprometemo-nos, igualmente, / a realizar em nós / a conversão interior tão pedida no Evangelho, / a qual nos liberte de todo o apego a nós mesmos / e dos compromissos fáceis com o mundo, / para estarmos, como Vós, / sempre e unicamente dispostos a fazer a Vontade do Pai. /

Desejamos confiar-Vos, / a Vós Mãe dulcíssima e misericordiosa, / a nossa vida e vocação cristã, / para que de tudo disponhais para os Vossos desígnios de salvação / nesta hora decisiva que pesa sobre o mundo. / Comprometemo-nos a vivê-la segundo os Vossos desejos, / em particular no espírito de oração e de penitência, / na participação fervorosa da Eucaristia, / no apostolado, / na reza diária do terço / e num modo austero de vida conforme ao Evangelho, / o qual dê, a todos, / bom exemplo de observância da Lei de Deus / e do exercício das virtudes cristãs, / especialmente da pureza. /

Prometemo-vos ainda manter-nos unidos ao Santo Padre, / à Hierarquia e aos nossos Sacerdotes, / de modo a opormos uma barreira / à onda de contestação do Magistério, / que ameaça a Igreja até aos fundamentos. /

Sob o Vosso maternal amparo / queremos tornar-nos apóstolos da

necessidade, / tão actual, / de oração e amor ao Santo Padre, / para quem suplicamos a Vossa especial protecção. /

Prometemo-Vos, por último, / levar quanto nos for possível, / as almas com quem entrarmos em contacto / a renovar a sua devoção para conVosco. /

Conscientes de que o ateísmo fez naufragar na fé / grande número de fiéis, / que a dessacralização entrou no Templo Santo de Deus, / de que o mal e o pecado inundam cada vez mais o mundo, / levantamos confiantes os nossos olhares para Vós, / Mãe de Jesus e Mãe nossa, / compassiva e poderosa, / e ousamos de novo invocar e esperar de Vós / a salvação para todos os vossos filhos, / ó clemente, / ó piedosa, / ó doce sempre Virgem Maria.

Na noite memorável em que tive a grande alegria de jantar e ficar ao lado do Padre Gobbi, em casa da família Vaz de Oliveira, em Lisboa no dia 9 de Março de 1995, o Padre Gobbi disse-me que este texto era uma fórmula actualizada para os nossos dias da própria Consagração Monfortina.

 

CXII5 - O poder da Oração à Virgem Maria é

Se procurarmos no Catecismo da Igreja Católica, logo no início do Capítulo dedicado à Oração, na pág. 539, encontramos:

QUE É A ORAÇÃO?

Para mim, a oração é um anelo do coração, um simples olhar para o Céu, um grito de reconhecimento e de amor, no meio da provação como no meio da alegria (Santa Teresa do Menino Jesus, Ms. autob. C 25r).

A ORAÇÃO COMO DOM DE DEUS

2559

«A oração é a elevação da alma para Deus ou o pedido feito a Deus de bens que nos são convenientes» (S. João Damasceno, F.o. 3, 24).

De onde é que falamos ao orar? Das alturas do nosso orgulho e da nossa vontade própria, ou das «profundezas» (Salmo 129,14) dum coração humilde e contrito?

Aquele que se humilha é que é elevado. A humildade é a base da oração.

«Não sabemos que pedir nas nossas orações» (Romanos 8, 26).

A humildade é a disposição (necessária) para receber gratuitamente o dom da oração:

O homem é um mendigo de Deus. ...

Um pouco mais adiante no Catecismo (a partir da pág. 553) vamos encontrar as diversas formas de oração:

I -       A bênção e adoração

II -      A oração de petição

III -     A oração de intercessão

IV -    A oração de acção de graças

V -     A oração de louvor

Continua-se nas páginas seguintes do Catecismo a falar com grande pormenor sobre a Oração, em que cada uma destas formas é desenvolvida.

Do valor da Oração fala-nos Nossa Senhora em todas as suas mensagens de Amor.

Em Medjugorje, em inúmeras mensagens, fala-nos da Oração.

Medjugorje, diversas datas

 "Vós não compreendeis o valor da Oração.

...

Há muitos crentes que perderam a Fé, porque perderam a Oração.

...

É o momento da Oração, nada agora tem importância, nem ninguém. Só Deus.

...

Pela Oração, podemos parar e suspender as guerras. Pela Oração, podemos transformar as leis da Natureza".

..."

Medjugorje , 25 de Abril 1987

  "Queridos filhos, hoje convido-vos todos à oração. Vós sabeis, queridos filhos, que Deus concede graças particulares durante a oração.

Assim, procurai Deus e rezai para poderdes compreender tudo o que vos dou aqui.

Convido-vos, queridos filhos, à oração com o coração. Sabei que sem a oração, não podereis compreender o que Deus quer realizar através de vós.

Por isso, rezai! Desejo que em cada um de vós se cumpra o plano de Deus, que cresça tudo aquilo que Deus colocou no vosso coração.

Assim, rezai, para que a bênção divina possa preservar-vos do mal que vos ameaça. Abençoo-vos, queridos filhos. Obrigada por terdes correspondido ao meu apelo".

Medjugorje, 25 de Janeiro de 1991

 ... Deus enviou-me até vós para vos ajudar. Se quiserdes, agarrai-vos ao Terço; já só o Terço poderá fazer os milagres no mundo e na vossa vida.

Medjugorje, 8 de Agosto de 1985

... Satanás quer agir ainda mais agora que vós estais conscientes de sua actividade.

Queridos filhos, revesti-vos com o equipamento de combate e sede vitoriosos, com o Terço nas mãos.  

Medjugorje, 16 de Junho de 1983

 

6 - Consagrai diariamente ao menos 3 horas à oração nas quais uma meia hora de manhã e à noite. Neste tempo de oração estão incluídos a Santa Missa e a oração do Rosário. Reservai alguns momentos à oração durante o dia e, cada vez que as circunstâncias o permitirem recebei a santa comunhão. Rezai com um grande recolhimento. Não olheis constantemente o relógio, mas deixai-vos conduzir pela graça de Deus. Não vos preocupeis demasiado com as coisas do mundo, mas confiai tudo isso à oração ao nosso Pai celeste. Se estiverdes muito preocupados, não podereis rezar bem, porque a serenidade interior faz falta. Deus contribuirá para conduzir a um bom fim as coisas daí de baixo, se esforçarem por trabalhar nas suas.

...

É preciso estender o espírito de oração ao trabalho diário, quer dizer, acompanhar o trabalho com a oração.

...

 Medjugorje, 20 de Outubro de 1984

 "A Oração é falar com Deus"

Medjugorje, 10 de Setembro de 1984

 "A Oração é uma conversa com Deus. Em todas as Orações deveis estar à escuta da voz de Deus".

Também Jesus ao Padre Ottavio Michellini falou sobre a importância da Oração.

Padre Ottavio Michellini, 20-11-75

 A alma que não reza, é como o fruto contaminado; ninguém nota a podridão que se desenvolve no interior dele. Por fim, o fruto cairá por terra, e sabemos como acabam tais frutos: na lixeira.

A Virgem Maria disse ao José Luis que é através da oração que podemos descobrir a Vontade do Pai.

José Luis, USA, Texas, 23 de Julho de 1997

 Filhos, deixai-vos conduzir por Mim. É através da oração que podereis compreender a Vontade do Pai.

A Oração através da Virgem Maria é também a mais eficaz, tal como nos ensina S. Luís de Monfort no seu "Tratado da Verdadeira devoção à Santíssima Virgem"

S. Luís de Monfort, "Tratado da Verdadeira devoção à Santíssima Virgem", 142

 142. ... É precisamente o que fazemos por esta devoção: oferecemos e consagramos tudo o que somos e tudo o que possuímos à Santíssima Virgem, para que Nosso Senhor receba por seu intermédio a glória e o reconhecimento que Lhe devemos. Reconhecemo-nos indignos e incapazes de nos abeirarmos da Sua Majestade infinita por nós mesmos, e por isso servimo-nos da intercessão da Santíssima Virgem.

143. Além disso, trata-se aqui dum acto de profunda humildade, virtude que Deus ama acima de todas as outras. Uma alma que se eleva, rebaixa a Deus; uma alma que se humilha, eleva a Deus. Deus resiste aos soberbos e dá a Sua graça aos humildes (Tiago, 4,6.). Se nos humilharmos, julgando-nos indignos de comparecer perante Deus e de nos aproximarmos d'Ele, Ele desce, abaixa-se para vir a nós, para se comprazer em nós, e para nos elevar apesar da nossa miséria. Mas, pelo contrário, quando alguém se aproxima ousadamente de Deus, sem querer medianeiros, Deus esquiva-se e não podemos chegar até Ele. Oh ! Como Ele ama a humildade de coração ! É a esta humildade que leva a prática desta devoção, pois nos ensina a nunca nos aproximarmos de Nosso Senhor por nós mesmos, por mais doce e misericordioso que seja, mas a servir-nos sempre da intercessão da Santíssima Virgem para comparecermos diante de Deus, para Lhe falarmos, para nos aproximarmos d'Ele, para Lhe oferecermos alguma coisa, ou para nos unirmos e consagrarmos a Ele.

Sobre a força e o poder desmedidos da oração, dá-nos uma visão adequada a Virgem Maria na Sua Mensagem ao Padre Gobbi, quando nos fala sobre o triunfo do seu Imaculado Coração.

Padre Gobbi, 19 de Dezembro de 1973

 O triunfo do meu Imaculado Coração

No momento em que Satanás se sentar como senhor do mundo e se sentir vencedor, Eu mesma arrancarei das suas mãos a presa. Encontrar-se-á, como por encanto, com as mãos vazias e por fim a vitória será só minha e do meu Filho: este será o triunfo do meu Coração lmaculado no mundo.

Não tenhais medo das dificuldades e incompreensões que encontrardes no caminho. Eu estarei sempre convosco e vós, apesar disso, vivereis sempre alegres.

Para vencer a batalha que se aproxima, quero dar-vos uma arma: a oração.

Esquecei qualquer outra coisa e habituai-vos a usar só esta arma. Os momentos decisivos chegaram e já não há tempo para coisas vãs e supérfluas.

Já não há tempo para discussões inúteis, já não há tempo para conversas e projectos: só há tempo para a oração!

...

 Toda a oração deve ser feita com o coração.

Medjugorje, 15 de Fevereiro de 1986

Eu dou grandes graças a todos aqueles que rezam com o coração.

Padre Ottavio Michellini, 21-12-75

Se os homens utilizassem melhor as faculdades da alma, penetrando com a reflexão, nessa maravilhosa realidade, o que alcançariam!

Padre Ottavio Michellini, 20-1-76

Filho, as Minhas palavras nunca mudam. Não serão os que Me pertencem por palavras, mas os que Me pertencem pela plena adesão à Vontade do Pai do Céu, que serão salvos.

José Luis, Portugal, Fátima, Missionários da Consolata,

30 de Outubro de 1996

Descrição feita pelo José Luis, no fim da aparição:

«…Depois disso, Ela levantou-se, e disse que o importante era rezar com o coração. Era o que mais agradava a Jesus. …»

A Conchita Gonzalez, vidente de Garabandal, explicou um dia, que rezar com o Coração, é estar consciente e expressar com toda a força da nosso corpo e da nossa alma cada palavra que pronunciamos.

No ensinamento que o José Luis Matheus nos deu na Igreja do Sacramento, também relembra o que a Virgem Maria lhe transmitiu sobre a forma de rezar.

José Luis, Ensinamento na Igreja do Sacramento em Lisboa,

5 de Março de 1996

Maria disse: "Pequenos filhos, se vós orardes com amor, se vós orardes como eu digo, a vossa oração dará frutos abundantes de alegria, paz, gozo e amor."

Se nossa oração não dá esses frutos, provavelmente não estamos orando bem.

Quando formos rezar, ensinou-nos Ela, devemos rezar com o corpo, com a alma, com a mente e com o coração. Que todo o nosso ser esteja dirigido para Deus, e Deus que é nosso Pai e que nos escuta, nos tocará os nossos corações com sua Graça.

 

 

CXII6 - O Poder do Terço é

A Virgem Maria afirmou:

"O Rosário é a forma de Oração mais poderosa que tendes ao vosso alcance." 

Lembremos o ensinamento de Nossa Senhora na sua mensagem de, em Blumenfeld na, Alemanha:

Padre Gobbi, 7 de Outubro de 1992

 O anjo com a chave e a corrente

"Vós me venerais como Nossa Senhora do Santo Rosário.

O Rosário é a minha oração; é a oração que Eu vim do céu para vos pedir, porque é a arma que deveis usar nestes tempos da grande batalha e é o sinal da minha segura vitória".

...

"A minha vitória se cumprirá quando satanás, com o seu poderoso exército de todos os espíritos infernais, for preso dentro do seu reino de trevas e de morte, de onde não poderá mais sair para causar dano ao mundo.

Para isso deve descer do céu um Anjo, a quem é dada a chave do abismo e uma corrente com a qual amarrará o grande dragão, a antiga serpente, satanás, com todos os seus seguidores.

...

A corrente, com a qual o grande dragão deve ser amarrado é formada pela oração feita comigo e por meio de Mim.

Esta oração é a do Santo Rosário.

Uma corrente, de facto, tem a função de primeiro limitar a acção, em seguida de aprisionar e, por fim, de tornar vã toda a acção daquele que é amarrado por ela.

— A corrente do Santo Rosário tem antes de tudo a função de limitar a acção do meu adversário.

Cada Rosário que recitais comigo tem como efeito restringir a acção do maligno, subtrair as almas do seu influxo maléfico e dar maior força à expansão do bem na vida de muitos de meus filhos.

— A corrente do Santo Rosário tem também o efeito de aprisionar satanás, isto é, tornar impotente a sua acção e diminuir e enfraquecer sempre mais a força do seu diabólico poder.

Por isso, cada Rosário bem rezado é um duro golpe dado contra as forças do mal, é uma parte do seu reino que é demolida.

— A corrente do Santo Rosário obtém, enfim, o resultado de tornar satanás completamente inofensivo.

O seu grande poder é destruído.

Todos os espíritos malignos são precipitados no lago de fogo e enxofre, a porta é fechada por Mim, com a chave do poder de Cristo, e assim não mais poderão sair para o mundo para causar dano às almas.

Compreendei agora, meus filhos predilectos, porque nestes últimos tempos da batalha entre Mim, a Mulher vestida de Sol, e o grande dragão, Eu vos peço para multiplicar em toda parte os Cenáculos de oração, com a reza do Santo Rosário, a meditação da minha palavra e a vossa Consagração ao meu Coração Imaculado.

Com isso dais à Mãe Celeste a possibilidade de intervir para prender satanás, e assim cumprir a missão de esmagar-lhe a cabeça, isto é, derrotá-lo para sempre, fechando-o no seu abismo de fogo e enxofre.

A humilde e frágil corda do Santo Rosário forma a forte corrente com a qual tornarei meu prisioneiro o tenebroso dominador do mundo, o inimigo de Deus e dos seus servos fiéis.

Deste modo, ainda uma vez, a soberba de satanás será derrotada pela força dos pequenos, dos humildes, dos pobres.

Enquanto hoje vos anuncio que está próxima essa minha grande vitória, que vos levará à vossa segura libertação, dou-vos o conforto de minha materna presença entre vós e vos abençoo".

A força do Rosário está em que é uma oração simples e humilde, e por isso poderosa para combater o orgulho de satanás. A única arma eficaz para combater o orgulho e vaidade de satanás é a humildade dos que seguem a Maria com dois estandartes erguidos bem alto:

- O Rosário numa mão e

- A Cruz na outra.

O rezar o Rosário com a meditação dos mistérios da vida de Cristo dá força e perseverança, conduz à paz interior, aumenta a fé, sedimenta conhecimento e sabedoria divina, conquista graças para quem reza, transforma-se em poderosa arma contra as forças do mal, dá louvores a Deus e à Virgem Maria, acorrenta e imobiliza satanás e os espíritos malignos que vagueiam pelo mundo para perder as almas, e por fim alcançará a vitória definitiva do Bem sobre o mal e lançará definitivamente lúcifer e os seus espíritos malignos no inferno.

 Jesus ao Padre Ottavio Michellini fala-nos também da importância da oração do Rosário.

Padre Ottavio Michellini, 14-3-77

 Filho, se pudesses ver o pequeno número dos que trabalham para o Bem em comparação com o numero colossal dos obreiros da iniquidade, mais uma vez não lhe poderias resistir !

Filho, não é a Santa Missa o exorcismo mais eficaz? Depois da Santa Missa não é o Santo Rosário a arma mais mortífera para vencer e eliminar os meus inimigos, os inimigos da Igreja e os vossos inimigos?

Padre Ottavio Michellini, 25-3-77

 A vós foi-vos dada uma arma formidável; se esta arma fosse utilizada na minha Igreja, todo o perigo desapareceria; eu recomendei-a em Lourdes, em Fátima e em tantos outros Locais; hoje, de novo a aponto: Rosário, Rosário, Rosário !

 Também sobre o Terço, podemos ler em "Amor de Mãe".

"Amor de Mãe", Maria Stella Salvador, pág. 23

 Para vós também aponto o terço, como meio mais fácil de vos purificardes. É um caminho que abro àqueles que são mais frágeis, com mais medo de sofrer. Mas reparai que não rezeis terços maquinais, a correr, para serem muitos. O terço deve ser rezado com amor, para realmente vos purificar.

"Amor de Mãe", Maria Stella Salvador, pág. 143

"O terço" é arma segura e terrível, que o vosso inimigo teme, porque ela dá a vitória a quem a empunha, mesmo que seja com mão trémula.

Meus filhos, o terço alcança todas as graças, vence todas as guerras. É com o terço que vencereis e que alcançareis o fim das guerras, as exteriores e as interiores, tantas vezes tão difíceis, que, vós próprios, já não sabeis o que fazer nessas circunstâncias.

Quando a tentação vos assedia, pegai no terço; quando a tristeza vos ronda, pegai no terço; quando vos sentis enervados, indecisos, confusos, pegai no terço.

 "Amor de Mãe", Maria Stella Salvador, pág. 14

 É tão fácil encontrardes-vos coMigo! Quereis? Então pegai no terço. Rezai. Quanto melhor o rezardes, mais verdadeiro e profundo será o nosso encontro.

Quando pegais no terço, chamais-Me. Fico feliz quando um filho assim Me chama e vou logo para junto dele.

 

  

CXII7 - Cenáculos de Oração é

A partir de 1974 iniciaram-se os primeiros Cenáculos de Oração e partilha com a participação de Sacerdotes e fiéis.

Nossa Senhora, através dos Cenáculos de oração e de fraternidade, faz com que seus filhos se conheçam, se ajudem, se amem como irmãos e se tornem força de coesão dentro da igreja.

Estes Cenáculos, que são a estrutura do Movimento Sacerdotal Mariano e do Movimento Leigo Mariano, são de 3 três tipos:

Cenáculos Regionais, Diocesanos e Familiares.

 Os objectivos dos Cenáculos são:

- Para rezar com Maria

- Para viver a consagração ao Imaculado Coração de Maria.

- Para viver a fraternidade

O Movimento é uma ajuda à Igreja.

Vejamos extractos de algumas mensagens da Virgem Maria ao Padre Gobbi, que nos falam dos Cenáculos.

Padre Gobbi, 7 de Outubro de 1992

 

Padre Gobbi, 13 de Outubro de 1978

Recordais hoje minha aparição na Cova da Iria e o milagre do Sol que, como prostrado a meus pés, testemunhou ser esta a minha hora, a hora de vossa Mãe revestida de luz.

E hoje vos anuncio que esta é também a vossa hora.

A hora do vosso testemunho.

Os Cenáculos são um nosso testemunho, para além de ser local de troca de testemunhos.

 

Padre Gobbi, 1 de Janeiro de 1988

Multiplicai os vossos Cenáculos de oração. Rezai mais. Rezai Comigo. Rezai o Santo Rosário.

Temos de multiplicar os cenáculos até serem diários.

 Padre Gobbi, 11 de Junho de 1988

... na Igreja Católica permanecerá um pequeno resto, que será fiel a Cristo, ao Evangelho e a toda sua Verdade.

O pequeno resto formará um pequeno rebanho, todo ele guardado no fundo do meu Coração Imaculado.

Este pequeno rebanho será formado pelos Bispos, Sacerdotes, Religiosos e Fiéis que se conservarão fortemente unidos ao Papa, todos recolhidos no Cenáculo do meu Coração Imaculado, em acto de oração incessante, de imolação perene, de oferta total para preparar o caminho doloroso à segunda e gloriosa vinda de meu filho Jesus.

Os cenáculos serão constituídos pelo pequeno resto que se vai manter fiel a Deus.

 Padre Gobbi, 31 de Dezembro de 1993

 Grande é a minha preocupação

Lede no silêncio os sinais do vosso tempo e associai-vos à minha grande preocupação por aquilo que vos espera.

A maçonaria, com o seu diabólico poder, colocou o seu centro no próprio coração da Igreja, onde reside o Vigário do meu Filho Jesus, e dali difunde o seu maléfico influxo em toda a parte do mundo.

Agora a Igreja será ainda traída pelos seus, será cruelmente perseguida e conduzida ao patíbulo.

Participai nesta hora da minha grande preocupação e uní-vos todos à minha oração de intercessão e de reparação.

Multiplicai em toda a parte os Cenáculos de oração, que Eu vos pedi, como lugares seguros, como refúgios nos quais vos defendeis do tremendo tufão que vos espera.

Nos Cenáculos sentireis a minha extraordinária presença.

Nos Cenáculos experimentareis a segurança e a paz que a vossa Mãe Celeste vos dá.

Nos Cenáculos sereis preservados dos males e defendidos dos grandes perigos que vos ameaçam.

Nos Cenáculos sereis por fim formados na confiança e numa grande esperança.

Porque o Cenáculo é o lugar da vossa salvação que a Mãe Celeste preparou para vós, nestes últimos tempos nos quais a grande prova já chegou para todos.

Nos Cenáculos Marianos de oração se preservará a Fé e a fidelidade a Deus e à Doutrina de Jesus Cristo, pela mão da Virgem Maria.

 A estrutura destes Cenáculos deverá ser a indicada pelo padre Gobbi, naturalmente sob inspiração da Santíssima Virgem Maria.

1º - Rezar: "Vinde Espírito Santo, vinde por meio da poderosa intercessão do Imaculado Coração de Maria, Vossa Amadíssima Esposa". (Repetir 3 vezes)

2º - Rezar: O Terço. No final, rezar 1 Pai-Nosso, 1 Avé Maria e 1 Glória ao Pai pelo Papa e pelas suas intenções.

3º - Ler: Passagem do livro de Nossa Senhora ao Padre Gobbi.

4º - Apresentar: Catecismo - Tema escolhido e preparado cuidadosamente segundo a Doutrina Católica.

5º - Partilha: Contar alguns casos que os crentes queiram dar a conhecer para exortar os irmãos.

6º - Consagração ao Imaculado Coração de Maria, com o texto apresentado atrás no título das Consagrações.

7º - Acção de Graças: "Jesus Tu és o nosso Amor; Tu és o nosso único Grande Amigo; Jesus nós Te amamos; Jesus nós estamos apaixonados por Ti."

Nota - Se quisermos podem-se rezar as Avé Marias do Terço com a Chama de Amor, segundo promessa que Nossa Senhora fez a Isabel Kindelman na Hungria, uma das suas almas mais queridas, e em que promete que: por cada Avé Maria assim rezada, levará 10 almas do purgatório para o Céu durante o mês de Novembro (por ser o mês das almas do purgatório). Durante os restantes meses, levará por cada 3 Avé Marias, 10 almas do purgatório para o Céu.

A parte final da Avé Maria será assim rezada:

"Santa Maria, Mãe de Deus e Mãe nossa, rogai por nós pecadores,

(e derramai sobre a humanidade inteira a plenitude das graças da Vossa Chama de Amor,)

agora e na hora da nossa morte, Amen".

O facto de se rezar "Santa Maria, Mãe de Deus e Mãe nossa", é um pedido feito em diversas partes do mundo pela Virgem Maria, e deve ser rezada precisamente assim, pois foi assim que Ela no-lo pediu. Há pessoas, infelizmente, que, umas por orgulho, outras por ignorância, rezam "Nossa Mãe" em vez de "Mãe Nossa", sob o pretexto de não mandarem um pontapé na gramática, mas esquecendo que estão em vez disso, a mandarem um pontapé no que a Virgem Maria nos pediu. Esquecem também que rezamos "Pai nosso que estais nos céus" e não "Nosso Pai que estais nos céus"...

Nestas coisas de rezar, devemos ser muito humildes e não contestar os pedidos que a Mãe de Deus e Mãe nossa, nos faz.

 

CXII8 - A Eucaristia é

A Eucaristia ocupa lugar central das preocupações expressas na Mensagens da Virgem Maria. Na Eucaristia, ou celebração da Santa Missa, tem lugar central a Comunhão do Corpo de Cristo pelos fiéis.

Sabemos e já analisámos em pormenor que a abolição da Eucaristia é dos principais objectivos do anti-cristo.

Daqui deve nascer também, da nossa parte, uma preocupação grande em mantermos a Santa Tradição da Igreja, que é e sempre será a expressão da Vontade de Deus.

Estas preocupações que vão no espírito de tantos de nós, de tal maneira me afligem, que as vou expor de uma forma organizada e coerente com a Doutrina, com a Tradição e os Ensinamentos da Igreja.

É urgente pedir aos nossos padres que voltem a dar a comunhão, como sempre foi costume na igreja durante quase vinte séculos.

É pois com o maior respeito, amizade e no melhor espírito de amor cristão que devemos comunicar os nossos desejos aos nosso priores de que ansiamos ardentemente por voltar a comungar de joelhos e na boca.

Tenho impressão de que é necessário que alguém comece a gritar na praça pública que: "o rei vai nu", tal como na história que contavam na nossa infância, para que toda a gente se aperceba do terrível erro que começámos a praticar, com libertinagens e ofensas feitas a Deus, depois do Concílio Vaticano II, não por lá estar declarado que assim devia ser, mas porque o mau aproveitamento de alguma permissividade do seu texto, abriu a porta a que erradamente se tornasse prática corrente aquilo que só excepcionalmente era autorizado.

Temos urgentemente de tomar em conjunto algumas medidas para o mais perfeito cumprimento dos desígnios do nosso Deus e Senhor, da Sua Doutrina, da Sua Lei e da Sua Vontade.

Vivemos os tempos da grande apostasia, em que satanás ataca subreptíssiamente os crentes de Deus, enganando-os com novas e falsas doutrinas humanas, fazendo-os crer que são vontade de Deus. Este é um queixume de Jesus constantemente feito aos profetas do nosso tempo, em mensagens, algumas delas já aprovadas oficialmente pela Santa Igreja e outras, as mais importantes dos nossos tempos, já aceites pelos Papas do tempo em que se deram, como por exemplo La Salette, Lourdes, Fátima, Garabandal, Escorial, Vassula, Padre Gobbi.

Estas que acabo de referir, são já hoje incontestadamente aceites pelos Papas, das diversas épocas em que se deram, e não devem pois merecer contestação da nossa parte.

Para além destas mensagens temos de ter em atenção a Revelação Bíblica, a Tradição da Igreja e dos Santos Padres e o Direito Canónico.

Para enquadrar um pouco as minhas preocupações, gostaria de relembrar a passagem Bíblica de Ezequiel, em que Deus nos responsabiliza pelo mal que nos rodeia e que em tantas circunstâncias não intervimos.

Ezequiel 3, 17-19

17 Filho do homem, constituí-te sentinela da casa de Israel; se ouvires uma palavra saída da Minha boca, tu lha dirigirás da Minha parte.

18 Se Eu digo ao pecador: «Vais morrer», e tu não o exortas e não falas para o afastar do mau caminho, para que ele possa viver, é ele o pecador, que perecerá por causa do seu pecado; mas é a ti, todavia, que Eu pedirei contas do seu sangue.

19 Mas se tu avisares o pecador e ele não se emendar da sua perversidade e má conduta, então ele morrerá por causa do seu pecado; mas tu terás salvo a tua vida.»

20 Também se o justo se afastar da sua justiça, praticando a injustiça, e eu puser um tropeço diante dele e ele vier a morrer, porque não o advertiste, morrerá certamente em virtude do seu pecado e a justiça que praticou já não será lembrada, mas o seu sangue eu o requererei da tua mão.

21 Por fim, se tu advertiste o justo para que não pecasse e ele não pecou, viverá porque deu ouvidos à advertência e tu terás salvo a tua vida.

Esta, entre muitas outras, é uma obrigação de todo o cristão. Não julgar e condenar, mas sim, porque amamos o nosso próximo, avisá-lo para que ele se salve.

 Muitos consideram comungar de pé e na mão questões secundaríssimas. Pois eu penso, que não são secundárias, mas sim, questões fulcrais e importantíssimas.

Porquê? Porque a maior parte dos ofensas a Deus que cometemos, são por faltas ou ofensas feitas aos nossos irmãos na Terra, e digamos que, só por interposta pessoa e indirectamente, é que ofendemos a Deus. Mas a comunhão de pé e na mão são ofensas gravíssimas feitas directamente ao Santíssimo Corpo de Jesus na Eucaristia, de que Ele já se queixou amargamente em diversas mensagens particulares, e que já na própria Bíblia encontramos passagens a esse respeito.

Não podemos tentar adaptar a doutrina de Deus às nossas vidas, mas sim temos de saber humildemente adaptar as nossas vidas à Doutrina Santa de Deus. Os tempos para Deus não mudam, já que para Ele não há tempo, pois Ele é o alfa e o ómega simultaneamente, e por isso é que a Sua Doutrina e as Suas Leis são Eternas. O que muda são os costumes dos homens arrogantes e rebeldes, ao serviço de satanás.

Dos problemas da vida paroquial e litúrgica que mais me preocupam neste momento, porque todos somados têm uma importância enorme, visto ferirem a Deus e contrariarem a Vontade Divina, são:

1 - Ministros da Comunhão actuando de uma maneira selvagem, desordenada contra os regulamentos da Igreja.

2 - Comunhão na mão.

3 - Comunhão de pé.

Olhemos para cada um deles.

1 - Ministros da Comunhão actuando de uma maneira selvagem, desordenada e contra os regulamentos da Igreja.

«Ministros da Comunhão actuando de uma maneira selvagem, desordenada» porque infelizmente quantas vezes podemos ver que eles se apoderam do cálice e da hóstia sem terem purificado as mão como os sacerdotes sempre o fazem, e assim vão tocar no Sacratíssimo Corpo de Jesus de uma forma impura. Mas também porque muitas vezes fazem a distribuição da Santíssima hóstia sem a elevarem e proferirem as palavras de uma maneira digna, solene e condizente com a ocasião tão importante que é o da distribuição do Santíssimo Corpo do Nosso Deus. Muitas vezes mais parecem estar a distribuir fichas numa mesa de jogo, tal é a velocidade e falta de cumprimento dos santos preceitos.

Esta banalização, esta falta de cumprimento dos santos preceitos, este à vontade com que se faz a distribuição do Corpo de Deus, é também uma das muitas formas de dessacralização de que Jesus tanto se queixa de que já entrou na sua Igreja e no seio dos seus próprios pastores.

Quem a isto assiste e nada diz, está tacitamente consentindo e é como ele próprio o estivesse a praticar.

«contra os regulamentos da Igreja» porque está expressamente dito no Código de Direito Canónico no Cânone 230 - #3 :

«Onde as necessidades da Igreja o aconselharem, por falta de ministros, os leigos, mesmo que não sejam leitores ou acólitos, podem suprir alguns ofícios, como os de exercer o ministério da palavra, presidir às orações litúrgicas, conferir o baptismo e distribuir a sagrada Comunhão, segundo as prescrições de direito».

Ora durante toda a história da Igreja, aquando da distribuição da Comunhão, e até bem pouco tempo, até o Vaticano II, era o padre que sempre distribuía a Sagrada Comunhão. Ora na Sagrada Missa, em que está presente o sacerdote, obviamente não há falta de ministros, e por isso mesmo, a distribuição da comunhão por outros que não sacerdotes está abertamente em infracção do Direito Canónico.

Todas as razões que se alegam para usar ministros leigos da comunhão são falsos e contrários à Vontade e doutrina de Deus e da Igreja.

Diz-se que é para ser mais rápido e não fazer esperar os crentes.

E então eu pergunto-me:

"Mas se durante 1962 anos não foi assim, porquê só agora o é? Onde está dito por Jesus que a Comunhão deve ser rápida e sem demora? Não deverá antes ser solene e respeitosa? Não será o Nosso Senhor Jesus digno de o recebermos com toda a pompa e circunstância que merece o Reis dos Reis, das mãos consagradas daquele a quem foi confiado esse grande dom de tocar o Sacratíssimo Corpo de Jesus? Quem se aproxima de Jesus para receber na sua casa, na sua alma, o Rei dos Reis, não deveria estar disposto a esperar uma vida inteira e mesmo disposto a dar a sua vida por ELE, como o faziam os primitivos e verdadeiros cristãos? Será pois que não pode esperar sequer um ou dois minutos mais? Será este o espírito com que Deus quer ser comungado?..."

Está pois também claramente em contradição com o verdadeiro espírito de amor, respeito e devoção para com o Nosso Rei e Senhor e é também uma das muitas formas de dessacralização das Coisas Sagradas.

Não nos esqueçamos do que Jesus disse à Vassula:

"Quero que me ameis, mas não vos esqueçais de que Sou Santo!"

2 - Comunhão na mão.

As razões que se alegam a partir de há pouco tempo para cá são:

- A Higiene;

- Diminui-se o perigo de contaminação de doenças perigosas como a sida;

- Dá maior intimidade com Deus.

Quanto à "Higiene", preocupamo-nos muito porque pode o padre tocar na língua de dois crentes e isso é uma porcaria. Mas durante quase dois mil anos nunca a Igreja e os crentes se importaram com isso... porquê só agora esta tão grande preocupação?

Se estamos tão preocupados com a nossa higiene, não nos deveríamos preocupar ainda mais com a higiene e sacralização para com o Divino e Imaculado Corpo de Cristo? Não será muito mais terrível sabermos que o padre, que tem mãos consagradas e as lava com água benta antes de distribuir a Santíssima Comunhão, vai de seguida deixar que mãos não consagradas e não lavadas possam tocar no Corpo de Deus? Porquê estes dois pesos e medidas tão desproporcionados?

Se não podemos estar com as mãos tão limpas como as do padre, então também ainda menos nos podemos atrever a tocar com as mãos conspurcadas no Corpo de Deus. E já não falo senão nas mãos fisicamente sujas, como tocar nos bolsos, em tabaco, limpar o nariz e as orelhas, coçar os pés, etc., pois que, só Deus sabe, quantas outras impurezas espirituais bem mais graves podem vir nas mãos sujas de todos nós que somos pecadores...

Quando numa entrevista à Madre Teresa de Calcutá o entrevistador lhe perguntou qual era o maior flagelo actual da humanidade, ela não disse nem miséria, nem a sida, nem a guerra, nem o aborto, mas sim ...: «a comunhão na mão!»

Jesus, no Diário de Margarida II, declara que "é uma prática que O ofende gravemente".

Diário de Margarida

(17-3-77)

«Eu sou tão verdadeiro na Eucaristia como o era na sarça ardente do Sinai. Ordenei a Moisés que tirasse as sandálias para se aproximar de Mim. Eu sou o Amor na Sagrada Eucaristia; mas sou Deus... sempre!... As minhas almas escolhidas não seguem esses costumes (da comunhão na mão) e, ao virem a Mim, como Moisés, elas descalçam-se. Quero dizer com isso que elas só se aproximam de Mim com respeito e amor, na sua atitude exterior e interior.»

(6-4-79)

«A Comunhão deve voltar a ser o que foi desde há séculos»

 Quanto a «Diminui-se o perigo de contaminação de doenças perigosas como a sida», mas como podemos nós crentes, que sabemos que a doença veio ao homem como castigo pelo pecado, crer que Deus deixaria haver contágio através da distribuição do seu Santíssimo Corpo? Já Nossa Senhora disse ao Padre Gobbi, que a sida é um dos cálices do Apocalipse derramados sobre a humanidade, como punição da sua iniquidade.

Quanto a «dá maior intimidade com Deus», aqui, definitivamente não.

Amor, sim. Temor, sim. Este tipo de intimidade, não. Lembremo-nos do que Jesus disse à Vassula:

"Quero que me ameis, mas não vos esqueçais de que Sou Santo"!

A comunhão na mão está pois também claramente em contradição com o verdadeiro espírito de amor, respeito e devoção para com o Nosso Rei e Senhor e é também uma das muitas formas de dessacralização das Coisas Sagradas.

 

3 - Comunhão de pé.

Se durante quase dois mil anos se comungou sempre de joelhos, porquê só agora se comunga de pé? Se nós quando passamos à frente do Santíssimo exposto nos ajoelhamos, ainda muitos, com os dois joelhos por terra, porquê quando Ele ainda se vai aproximar mais de nós e entrar na nossa própria casa, não nos ajoelhamos?

Se fazemos vénias e salamaleques a um qualquer presidente que nos cumprimenta em público, então não devíamos com muito mais razão nos pormos de rojo por terra pelo Rei dos Reis?

Como temos coragem de nos aproximar de Deus, de pé sem o mínimo respeito, só para agradar aos homens e por cobardia de mostrar o nosso amor e reverência para com o nosso Deus?

Porquê esta diversidade de critérios?

Lembremos no Escorial que Jesus pediu à vidente Amparo Cuevas precisamente isto.

Escorial, Amparo Cuevas, 2-4-82

 Agradar-me-ia que Me recebessem de joelhos e com amor; que não toquem no meu corpo mãos que não estão consagradas. Ditosos todos os que cumpram isto, filha, porque segundo a medida do amor que recebo assim receberão o seu prémio.»

Lembremos Fátima, durante a Aparição do Anjo.

"As Aparições de Fátima", pág. 5,6

 "O anjo deixa suspenso no ar o cálice, sobre o qual está uma hóstia, da qual caem gotas de sangue. Ajoelha-se junto de nós e em adoração diante do Santíssimo faz-nos repetir três vezes:

«Santíssima Trindade, ... ».

Depois, levantando-se, tomou de novo, na mão, o cálice e a hóstia e deu-me a hóstia a mim e o que continha o cálice deu-o a beber à Jacinta e ao Francisco..."

"Levados pela força do sobrenatural que nos envolvia, imitámos o anjo em tudo, isto é, prostrando-nos como ele e repetindo as orações que dizia. A força da presença de Deus era tão intensa que nos absorvia e aniquilava quase por completo".

 Lembremos Garabandal sobre este assunto

"O Segundo Advento: A Montanha de Garabandal", págs. 44, 45, 48, 49

 "As meninas respeitam sempre o jejum até à hora em que recebem a comunhão, jejum no estilo antigo. Ou seja, não comiam nem bebiam nada desde as 12 horas da noite precedente. Note-se ainda que comungam de joelhos, melhor dito: caiem de joelhos por um movimento natural, no estado extático, ou seja, num estado de conhecimento superior ao estado natural. Para bom entendedor, meia palavra basta"...

No dia do milagre da Eucaristia: "Viram-na sair, cair de joelhos, esticar a língua para fora, na qual nada havia. ... Subitamente, a Hóstia materializou-se diante dos olhos incrédulos, como se tivesse brotado da própria língua da menina".

Lembremos o Plano Mestre da Maçonaria, para destruir a Igreja Católica e a Fé nos homens, sobre este assunto.

Este plano diabólico foi traçado, na mesma época do fecho do Concílio Vaticano II, nos E.U.A e descoberto pelo Dr. J. Dominguez que o deu a conhecer ao mundo.

Master Plan da Maçonaria

 No ponto 9, o título é:

«É preciso adaptar a Missa aos novos tempos»

"Que se empregue um pão quase corrente, que se o dê nas mãos, que se receba de preferência de pé ou sentados, nunca de joelhos, que se mastigue, que nada soe a SAGRADO, que se coma o que sobrar"...

Quanto às Passagens Bíblicas, pedi a Deus que me as mostrasse, com a abertura da Bíblia, todas as que Ele quisesse que eu transcrevesse. Foram umas atrás das outras... :

Filipenses 2,10

 10 Para que ao nome de Jesus, se dobre todo o joelho dos seres celestes, dos terrestres e dos que vivem sob a terra...

S. João 20,17

17 Jesus lhe diz: "Não me retenhas ...

(Este não me retenhas é sinónimo de não me toques, isto porque Maria Madalena se atirou a seus pés para os abraçar, como vem descrito em Mateus 28,9)

S. Mateus 28,9

 9 Elas (as mulheres) aproximando-se, abraçaram-lhe os pés, prostrando-se diante dele.

Apocalipse 5,8

 Ao receber o livro, os quatro Seres vivos e os vinte e quatro Anciãos prostraram-se diante do Cordeiro ...

Isaías 45,23

Com efeito, diante de mim se dobrará todo o joelho 

Romanos 14,11

 Por minha vida, diz o Senhor, todo o joelho se dobrará diante de mim ...

Lembremos o que Jesus diz em "A Verdadeira Vida em Deus" à Vassula, sobre este assunto.

Vassula, "A Verdadeira Vida em Deus", IV vol., 15.9.1991,

págs. 267-268

 Jesus descreve, então, os efeitos da purificação, na nossa alma que está para chegar:

"Retomando a tua consciência, ficarás atordoada e os teus olhos paralisar-se-ão de medo, ao ver os Meus, que serão como duas Chamas de Fogo (Ap 19,12). Então, o teu coração voltará a ver os seus pecados e será invadido pelos remorsos. Numa grande angústia e numa grande agonia, sofrerás pela tua falta de respeito para com a Lei, tomando, então, consciência de como tu terás constantemente profanado o Meu Santo Nome e de quanto Me terás rejeitado a Mim, teu Pai... Tomada de pânico, tremerás e arrepiar-te-ás, quando te vires a ti mesma como um cadáver em putrefacção, devorado por vermes e abutres".

O Senhor faz, então, a descrição da terceira fase da purificação:

"E se te aguentares ainda nas pernas, Eu te mostrarei, então, aquilo que a tua alma, Meu Templo e Minha Morada, acalentou, em todos os anos da tua vida. Com horror, verás que, no lugar do Meu Sacrifício Perpétuo, tu própria adoraste a Serpente e construíste a Abominação da Desolação de que falou o profeta Daniel (Mt 24, l5), no íntimo mais profundo da tua alma: a blasfémia, a blasfémia que corta todas as ligações celestes que te unem a Mim, teu Deus e cria um abismo entre ti e Mim, teu Deus. Quando este Dia vier, as escamas cairão dos teus olhos, a fim de que tu mesma te dês conta de como estás nua e de como, dentro de ti, tu não passas de um país árido... Criatura infeliz, a tua rebelião e a negação da Santíssima Trindade fizeram de ti uma renegada e perseguidora da Minha Palavra. Então, os teus choros e os teus gemidos apenas serão ouvidos por ti. E Eu te digo: lamentar-te-ás e chorarás, mas os teus gemidos não serão ouvidos senão pelos teus próprios ouvidos. Eu só posso julgar como Me foi ordenado que julgasse e o Meu Juízo será justo. Tal como aconteceu no tempo de Noé, assim será também quando Eu abrir os Céus e vos mostrar a Arca da Aliança. De facto, como "nos dias que precederam o Dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca; e não deram por nada, até chegar o Dilúvio que a todos arrastou, assim será também nesse Dia."

(Mt 24, 38-39)

No dia 24-10-94 Deus diz:

Sim, o leão deixou o seu covil. Filha, um espírito destruidor está pairando. Anjo após anjo seguem para avisar-vos a todos e dizer-vos que a minha Cidade, na margem ocidental, será violentada pelo saqueador (e com que violência!...), para se opor, para contradizer a Minha Lei, as Minhas Tradições e a Minha Divindade. O País inteiro tornar-se-á um horror. Os vossos Santos, os Meus Mensageiros e os Meus Profetas serão impedidos de continuar o seu trabalho... e, sobre vós cairá uma profunda escuridão, enquanto o inimigo, que é um erudito, estiver a banir o Meu Sacrifício Perpétuo, pensando que os seus actos continuam a ser despercebidos, com os seus secretos pecados.

Sofreremos pela nossa falta de respeito para com a Lei.

Quando permitimos pois estes actos de desrespeito, a quem estamos a fazer a vontade? A quem servimos?

Jesus disse e ficou escrito nos Evangelhos: «Não podeis servir a dois senhores. Ou servis a Deus ou ao diabo.»

Os ministros da comunhão, seguindo as leis de alguns homens e de alguns bispos que já perderam a fé, preferem agradar mais aos homens do que a Deus.

Por vergonha e tibieza não se levantam e dizem o que Deus quer que digam.

Por vergonha diante dos homens, ao não ajoelharem diante da Eucaristia, não se esqueçam que Jesus também disse:

"Todo aquele que se envergonhar de Mim diante dos homens, também Eu me envergonharei dele diante do Pai."

E quando, na qualidade de ministros da comunhão, na Missa, contrariando o direito canónico e a vontade de Deus, aceitam dar a comunhão a pessoas orgulhosas que não querem ajoelhar e querem se considerar dignas de tocar com as suas mãos imundas o Santíssimo Corpo de Jesus, também pecam, porque permitindo e colaborando, se tornam igual a eles.

A comunhão de pé está pois também claramente em contradição com o verdadeiro espírito de amor, respeito e devoção para com o Nosso Rei e Senhor e é também uma das muitas formas de dessacralização das Coisas Sagradas.

Sobre estes 3 temas que referi, não podemos ficar indiferentes, nem nós leigos nem os sacerdotes. Mas mais responsabilidade têm os sacerdotes, porque são eles que têm de tomar conta do rebanho, e terão um dia que poder dizer tal como Jesus : «Não perdi nenhum daqueles que entregastes à minha guarda».

Mas a continuarmos assim, quantos não se perderão ou pelo menos quantas faltas de respeito e amor infligirão ao nosso Deus.

CONCLUSÃO

Os homens, inspirados por satanás, adulteraram, dessacralizaram, mudaram a seu bel-prazer toda a Santa Doutrina de Deus para a adaptar às suas vidinhas.

Isto é também, sem margem para dúvidas, apostasia.

Não podemos ficar indiferentes! Quem vê e cala, consente, e logo peca igualmente.

Cada comunhão de pé, na mão, que nós permitimos, estamos a ajudar o anti-cristo a abolir o Sacrifício Perpétuo, a praticar a abominação da desolação.

Aproveitemos este pouco tempo que nos resta para enterrar o homem velho com os seu pecados, e façamo-lo ressuscitar de acordo com a vontade de Deus...

Nas nossas paróquias seria tão fácil voltar a comungar como agrada a Deus, se todos nos uníssemos.

Tenho a certeza de que a maioria dos paroquianos regurgitaria da alegria.

Quanta alegria daríamos a Deus!

Quantas graças receberíamos em troca!

E que exemplo e encorajamento seria para tantas outras paróquias!

Seria tão bom, bonito, santificador, consolador, enriquecedor, gratificante, se pudéssemos voltar a comungar como toda a humanidade o fez antes do príncipe do mundo, satanás, ter-se infiltrado na Igreja...

Mas porque a responsabilidade também é nossa, temos de ser nós a lutar para modificar as coisas, para podermos ser aquele pequeno número que ficará fiel até ao fim...

Juntemo-nos, façamos abaixo assinados, e peçamos assim aos nossos padres para voltarmos a comungar de joelhos e na boca.

 

CXII9 - A Adoração de Jesus no Santíssimo Sacramento é

Nestes Últimos Tempos cada vez mais será necessário fazermos adoração ao Santíssimo.

A Adoração a Jesus no Santíssimo Sacramento, podemo-la fazer quando vamos comungar, quando o Santíssimo Sacramento é solenemente exposto, e quando se encontra nos Sacrários. Estas três formas são importantíssimas para estes Últimos Tempos, em que sabemos que o anti-cristo vai tentar abolir oficialmente a própria Eucaristia. Vai ser um tempo de grande confusão, e a própria Virgem Maria nos adverte de que para evitar essa grande confusão que se vai abater sobre a humanidade, temos de nos convertermos em verdadeiros adoradores de Jesus Eucarístico.

José Luis, França, Lourdes, Santuário de Lourdes,

12 de Fevereiro de 1997

 Eu sou Meus filhos a vossa Mãe do Céu e amo-vos imensamente, oro pela vossa salvação e vos exorto uma vez mais a serem verdadeiros adoradores em espírito e verdade do vosso único e verdadeiro Deus e Senhor.

José Luis, USA, Texas, 9 de Julho de 1997

Filhos muito queridos, em verdade vos digo, que só aquelas almas que se convertam em adoradoras do Sagrado e Eucarístico Coração do Meu Filho, e que ao mesmo tempo sejam fiéis à reza do Santo Rosário, poderão manter-se firmes na Fé.

 

 

CXII10 - A Meditação da Paixão de Jesus Cristo e as Vias Sacras é

Santa Teresa de Ávila passou 25 anos da sua vida a meditar sobre a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A forma mais perfeita de conseguir a santificação, dizem os santos, é a de meditar na Paixão de Jesus Cristo.

A própria Virgem Maria em Garabandal o aconselhou.

Garabandal 18 de Junho de 1965

 «Já que a Minha mensagem do dia 18 de Outubro não foi atendida, e não foi muito divulgada ao mundo, Eu digo-vos que esta é a última. Antes, o cálice estava enchendo, agora está derramando.

Muito Cardeais, muitos bispos e muitos padres estão no caminho da perdição e levam com eles muitas almas. À Eucaristia é dada cada vez menos e menos importância. Nós devemos evitar a ira de Deus através dos nossos esforços. Se pedirdes perdão com sinceridade de alma, Deus perdoar-lhes-á. Sou eu, a vossa Mãe, que por intercessão de S. Miguel, quer vos dizer para vos emendardes, que já são os últimos avisos e que Eu vos amo muito e não quero a vossa condenação. Pedi-nos com sinceridade e nós vos daremos. Devem sacrificar-se mais. Pensem na Paixão de Jesus».

Na Liturgia da Igreja Católica há um modo de orar através da Via-Sacra, que feita com tempo e vontade de progredir no caminho da santidade, será um modo eficaz de o conseguir e de obter muitas Graças para si e pelos necessitados.

Uma forma de meditação da Paixão de Jesus Cristo será fazê-lo em frente do Santíssimo Exposto, muito em especial durante as horas chamadas de Passio, ou de Paixão, ou seja, às 5ª feiras das 21 horas às 24 horas, que foram as horas em Jesus esteve no Horto das Oliveiras, e às 6ª feiras das 12 horas às 15 horas, em que Jesus esteve pregado na Cruz, em agonia.

Estas horas de Adoração são fundamentais serem feitas semanalmente, sozinhos, ou em grupo de preferência.

Quanto à meditação da Paixão propriamente deve ser iniciada pelo aprofundamento das passagens Evangélicas, lidas e meditadas, sempre com o pedido da intervenção do Espírito Santo.

Em relação às Vias-Sacras, existem muitos livros que podem ser muitos eficazes, entre os quais se destaca um, acima de todos, de longe o mais profundo e verdadeiro, em que é o próprio Jesus a narrar a sua Paixão, e que se intitula "Cruz, Segredo de Amor" da Maria Stella Salvador, recentemente publicado.

A meditação da Paixão deve ser feita diariamente, mas no mínimo de uma forma especial, às 6ª feiras, como devoção integrante do Escapulário Vermelho da Paixão, que aconselho vivamente também que seja imposto.

 

 

CXII11 - A Devoção dos Primeiros Sábados é

Na aparição do dia 13 de Julho anunciou Nossa Senhora em Fátima: «Para impedir a guerra, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a Comunhão Reparadora nos Primeiros Sábados».

Esta última devoção veio realmente pedi-la, aparecendo à Irmã Lúcia no dia 10 de Dezembro de 1925, em Pontevedra, Espanha.

Virgem Maria na Aparição de Pontevedra de 10-12-1925

 Disse então Nossa Senhora, estando presente o Menino Jesus:

- «Vê, Minha Filha, o meu coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todos os momentos Me cravam com blasfémias e ingratidões.

Tu, ao menos, procura consolar-Me e dize que prometo assistir na hora da morte, com todas as graças necessárias para a salvação, a todos aqueles que, no primeiro sábado de cinco meses seguidos, se confessarem, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem o Terço e Me fizerem companhia durante quinze minutos, meditando nos quinze mistérios do Rosário, com o fim de me desagravar».

Nossa Senhora mostrou o seu Coração rodeado de espinhos, que significam os nossos pecados. Pediu que fizéssemos actos de desagravo para lhos tirar, com a devoção reparadora dos cinco primeiros sábados. Em recompensa promete-nos «todas as graças necessárias para a salvação».

 Jesus nos dois dias seguintes, 15 de Fevereiro de 1926 e 17 de Dezembro de 1927, insiste para que se propague esta devoção. Lúcia escreveu: «Da prática da devoção dos primeiros sábados unida à consagração ao Imaculado Coração de Maria, depende a guerra ou a paz do mundo».

O fim da devoção dos "CINCO PRIMEIROS SÁBADOS" é essencialmente consolar o Seu Imaculado Coração e reparar esses pecados.

São cinco os primeiros sábados por, segundo revelou Jesus, serem «CINCO AS ESPÉCIES DE OFENSAS E BLASFÉMIAS PROFERIDAS CONTRA O IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA:

1. As blasfémias contra a Sua Imaculada Conceição;

2. As blasfémias contra a Sua Virgindade;

3. As blasfémias contra a Maternidade Divina, recusando ao mesmo tempo recebe-la como Mãe dos homens;

4. As blasfémias dos que procuram infundir nos corações das crianças a indiferença, o desprezo e até o ódio contra esta ImacuIada Mãe.

5. As blasfémias dos que a ultrajam directamente nas suas sagradas imagens.

As condições para se ganhar o privilégio dos Cinco Primeiros Sábados, ou seja, obter a SALVAÇÃO PROMETIDA POR NOSSA SENHORA, são quatro:

1. CONFISSÃO. Para cada primeiro sábado é preciso fazer uma confissão com intenção reparadora. Pode fazer-se em qualquer dia antes ou depois do primeiro sábado, contanto que se receba a Comunhão em estado de graça.

A vidente perguntou:—«Meu Jesus, e as (pessoas) que se esqueceram de formar essa intenção (reparadora)»?

Jesus respondeu: «Podem formá-la na confissão seguinte aproveitando a primeira ocasião para se confessar».

2. A COMUNHÃO REPARADORA, feita em estado de graça, e também com uma intenção de desagravo.

3. A REZA DO TERÇO DO ROSÁRIO.

4. A MEDITAÇÃO, durante 15 minutos, de um só mistério, de vários ou de todos. Também vale uma meditação ou explicação de três minutos, antes de cada um dos cinco mistérios do Terço que se está a rezar.

Em todas estas quatro práticas deve-se ter a intenção de desagravar o Imaculado Coração de Maria.

A quem praticar esta devoção nas condições exigidas, Nossa Senhora compromete-se a assistir na hora da morte, com todas as graças necessárias à Salvação Eterna.

Virgem Maria na Aparição de 13 de Julho

«A quem aceitar a devoção ao meu Imaculado Coração, prometo a salvação; e serão queridas de Deus estas almas, como flores postas por Mim a adornar o Seu Trono».

 Em 1997 a Virgem Maria pediu, suplementarmente ao nosso grupo de oração, que fizéssemos a Via-Sacra, Rosário completo, Adoração ao Santíssimo, leitura Espiritual e Meditação sobre a nossa vida durante o último mês, tudo, sempre que possível, em Fátima.

Também podemos ler "Amor de Mãe" no para irmos a Fátima fazermos um exame de consciência e prometermos a nossa mudança de vida.

"Amor de Mãe", Maria Stella Salvador, pág. 175

 Filhos queridos, vinde a Fátima quando puderdes, mas vinde para rezar, não para passear e fazer compras. Vinde a Fátima fazer o vosso exame de consciência e prometer-Me mudança de vida.

 

 

CXII12 - As Vigílias dos últimos Sábados é

A Virgem Santíssima pediu ao José Luís e ao Juan António, em Outubro de 1992, a um grupo originário de Miami, que fizessem uma Vigília, todos os últimos Sábados de cada mês, diante do Santíssimo Sacramento do Altar exposto, a partir das 10 horas da noite de Sábado, até às 6 horas da manhã de Domingo, em reparação dos pecados cometidos em todo o Mundo durante esse mês. Pediu também que estas Vigílias se difundissem por todo o lado onde as Suas Mensagens fossem divulgadas.

Em 1997 falou novamente nestas Vigílias.

José Luis, USA Igreja de S. Lázaro em Hialeah, Florida

30 de Novembro 1997

 Adorado seja Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento do Altar!

Filhos queridos, como vedes, os homens prestam pouca atenção ao chamamento que lhes faço ao sacrifício, e isto se deve a que na realidade não levam a sério as Minhas Mensagens, porque estão cegos. Só, filhos Meus, se tiverdes Luz, podereis ver. Portanto, a vós, filhos Meus, que sois fiéis ao chamamento que vos fiz para estas Santas Vigílias, vos digo: Segui adiante! Eu vos pagarei todos os vossos desvelos, vossas orações e sacrifícios e não vos desalenteis por serdes poucos. O que vos deve importar, no vosso coração, é buscar e cumprir com a Vontade de Deus e só a Deus agradar, pois, quando procurais agradar aos homens, na realidade não estais a agradar a Deus.

Filhos queridos, que a recta intenção dos vossos corações seja buscar antes de tudo a Glória de Deus e não a glória das criaturas ou que o que elas vos possam dar. Se viveis em união íntima e verdadeira com Deus, tudo o mais será secundário.

Filhos queridos, segui rezando e fazendo sacrifícios. No Céu e só no Céu entendereis a magnitude das Graças que através das Vigílias alcançais para vós, para a Igreja e para o mundo inteiro; portanto, queridos filhos, alegrai-vos por cumprir a Vontade de Deus. Quero que saibais que Meu Filho Jesus se sente consolado quando por amor velais durante estas noites dos últimos sábados do mês para desagravar as ofensas que recebe o Seu Sagrado Coração, e Ele que é infinitamente Misericordioso e Agradecido, multiplicará nas vossas almas as graças, se souberdes conservá-las com humildade.

Filhos queridos, Meu chamamento neste dia é para que não vos acobardeis diante do sacrifício, e para que saibais que quando desejais cumprir a Vontade de Deus, apesar de todas as dificuldades e tropeços que possais encontrar no caminho, Deus vos dará a força necessária para segui-La e cumpri-La; portanto, filhos, desejai de todo o coração cumprir a Vontade de Deus, ponde o vosso maior empenho em fazê-lo, e Ele vos dará a Graça para que possais vivê-la.

Que vossos corações fiquem cheios do Gozo e da Paz de Meu Filho, para que assim sejais portadores dela aos demais que caminham na tristeza de não ter a Deus.

Vos guardo a todos no Meu Imaculado Coração e novamente vos agradeço pelas vossas orações e sacrifícios. Sou Maria, vossa Mãe, a que guarda a vossa Fé.

Ficai em Paz, filhos Meus, e recebei a Minha Maternal Bênção em Nome de Deus Pai, de Deus Filho e de Deus Espírito Santo".

No Céu e só no Céu entendereis a magnitude das Graças que através das Vigílias alcançais para vós, para a Igreja e para o mundo inteiro;

 Já em 1996 S. Miguel Arcanjo tinha dado uma encorajadora Mensagem sobre estas Vigílias.

José Luis, USA, Opelousas, Luoisiana, 28 de Abril de 1996

 Eu sou Miguel, príncipe das milícias celestes …

É necessário que ofereçais muitos sacrifícios e orações para reparar os grandes crimes da humanidade.

Os homens ao perder a consciência está abusando da misericórdia de Deus e por isso que vos venho chamar a todos para que vos comprometais de uma maneira simples mas verdadeira.

Hoje o meu chamamento em nome do Senhor é para que sejais fiéis às Vigílias do fim de cada mês. Eu vos digo, que quando ofereceis algo ao Senhor deveis fazê-lo com o coração; não deis ao Senhor as sobras; repare que devereis procurar dar o melhor que tiverdes pois é digno de toda a Honra e toda a Glória.

Se comparardes as muitas ofensas que recebe diariamente o Senhor com o sacrifício que fazeis, podeis ver que é muito pouco, por isso vos digo, quando o fizerdes, fazei-o com verdadeiro amor para que assim seja um sacrifício agradável ao Senhor.

Hoje venho em nome de Deus Pai, de Deus Filho e Deus Espírito Santo para afastar de vós toda a preguiça, para afastar de vós a debilidade, mas vós fazei um esforço.

De hoje em diante prometo-vos a minha assistência e a dos santos anjos durante as Vigílias; estaremos em oração convosco para que assim as vossas orações sejam levadas ao Céu como um incenso de amor.

Ficai em Paz e procurai expandir estas Vigílias em tantos lugares quanto vos seja possível. (Pausa)

Ficai em Paz e não abris a porta ao inimigo através das invejas, zelos e rivalidades; sêde zelosos da obra que o Senhor vos entrega através das mãos de Maria.

 No dia 30 de Outubro de 1996 pelas 6 horas da madrugada, na vigília que fizemos em Fátima durante toda a noite de 29 para 30 na Capelinha das Aparições, os 11 fiéis americanos, connosco, os 8 portugueses em conjunto com o José Luís e o Juan Antonio, dirigimo-nos às 4 horas da madrugada para os Valinhos, para fazermos a Via Sacra. Depois de a concluirmos, sob direcção de Nossa Senhora, dirigimo-nos para a Loca do Cabeço, onde Ela apareceu ao José Luís e lhe deu uma Mensagem sobre estas Vigílias que Ela pediu para fazermos no último sábado de cada mês em reparação pelos pecados cometidos no mundo inteiro.

A Virgem Santíssima veio sobre uma nuvenzinha, que poisou sobre uns tojos ao pé das estátuas, a cerca de 1 metro do chão. Vinha vestida com um fato branco, com uma manto e uma faixa na cintura azuis e um véu branco sobre a cabeça. Na mão direita tinha o Rosário, com o qual nos abençoou antes de partir.

Triste, referiu que somos sempre muito poucos!... Mas que quem fizer estas Vigílias, como Ela pede, está a armazenar Graças imensas no Céu, para si e para as suas famílias. Estas Vigílias têm um poder reparador enorme, que nós nem podemos imaginar. E tudo o que pedirmos durante estas Vigílias, tudo, ser-nos-á concedido, desde que seja para bem das nossas almas.

Estas Vigílias que de preferência devem ser feitas à frente do Santíssimo, como sempre temos feito em Portugal no nosso grupo, tem uma importância muito grande, da qual nos falou a Virgem Maria.

Mensagem sobre as Vigílias, 21 de Março de 1997

 

Que é a vossa vigília? É fundamentalmente de adoração. Por essa adoração tributais a Deus a honra que Lhe é negada por tantos e tantos filhos. Tapais as lacunas grandes que eles deixam, aplanando para eles o caminho à Misericórdia. Também fazeis reparação, e deveis fazê-la com bastante cuidado, para reconstruir o que o pecado destruiu nos vossos irmãos. Fazeis oração por eles, pedis graças para eles. Isso é também muito importante. Se não o fazeis, muito fica por reparar, muitas graças por conceder e muita honra por dar ao nosso Deus.

Não queirais ser indiferentes ao drama que se vive nestes dias. Sois peças importantes com que conto, soldados que coloco em pontos estratégicos. Uma falha vossa, apesar de serdes pobrezinhos, pode alterar muito o tempo da vitória e pode fazer com que irmãos vossos percam a vida, sim, a Vida Eterna.

Tendes poucas forças. Eu sei. Conto com esse pouco.

Contai coMigo... Eu vos darei forças»!

 

Aos poucos foi-se uniformizando o programa destas Vigílias, sendo actualmente o seguinte.

Programa das Vigílias dos Últimos Sábados

 22:00 - Início da Vigília, com a invocação do Espírito Santo, frente ao Santíssimo exposto.

22:05 - Súplica Ardente aos Santos Anjos.

22:15 - Coroa a S. Miguel Arcanjo.

22:30 - Oração ao Santíssimo exposto.

22:45 - Oração individual.

23:30 - Oração dos mistérios Gozosos.

0:00   - Cânticos de Louvor.

0:05   - Primeiro Intervalo de descanso.

0:25   - Oração dos mistérios Dolorosos.

2:00   - Recitação da oração a S. Miguel Arcanjo, 70 vezes.

2:30   - Segundo Intervalo de descanso.

2:50   - Oração individual e cânticos.

3:00   - Terço da Misericórdia.

3:20   - Via Sacra.

4:00   - Oração individual.

5:00   - Terceiro Intervalo de descanso.

5:20   - Oração dos mistérios Gloriosos.

5:55   - Preparação para a conclusão da Vigília.

6:00   - Angelus.

6:05   - Conclusão da Vigília.

Nota: O que está a negrito não pode mudar de hora.

 

 

CXII13 - Leitura da Vida dos Santos e outras santas leituras é

Como auxílio para a nossa santificação, devemos procurar exemplo na vida dos santos, e para isso é recomendável que se leia suas biografias.

José Luis, Venezuela, Maracaibo, 6 de Agosto de 1997

Queridos filhos, dou-vos neste dia um conselho maternal: lede a vida dos santos, pois o seu exemplo vos alentará para também desejarem viver a santidade.

Meus filhos, muitas são as coisas que abatem as vossas almas e corações, mas eu vos digo que no entanto, uma só coisas é necessária, e essa é de viver na Graça de Deus. Com a Graça de Deus, bastar-vos-á. Assim pois, alcançai a Graça de Deus com o arrependimento das vossas culpas e com muita oração  

 Devemos também pedir a intercessão dos Santos, para nos auxiliarem em todas as circunstâncias da nossa vida.

Padre Ottavio Michellini, 13-2-76

Lembrai-vos da Comunicação dos Santos; vós estais realmente unidos a Nós.

 Padre Ottavio Michellini, 13-11-76

 Fala S. Miguel Arcanjo:

Irmão tu deverias procurar ter ideias mais claras sobre o modo de comunicar connosco. Não é tão difícil como te possa parecer a ti e a outros; já vês que basta um desejo teu e um simples pedido, para virmos logo comunicar convosco... ou antes, são necessárias especiais e essenciais condições interiores de fé, de humildade, de confiança e, antes de mais, de graça.

Evidente que se alguém, pelo pecado, se exclui automaticamente da Comunicação dos Santos, essa pessoa não pode comunicar com estes últimos. Meu irmão, quando vemos em vós as necessárias disposições, do nosso lado não existe nenhuma dificuldade.

Uma grande santa e doutora da Igreja, gostaria aqui de ressaltar, é sem dúvida Santa Teresinha do Menino Jesus, cuja vida se pautou pela humildade e pelas coisas pequenas. Na nossa família sempre houve uma grande predilecção e devoção a Santa Teresinha, pois ela tinha precisamente a mesma idade que a minha avó Amélia, mãe de minha mãe. Esta devoção nasceu no casamento de meus pais na Madeira, a nossa terra, de onde viemos na década de 40 para Portugal, e que segundo o que a minha mãe sempre contou, em que Santa Teresinha lhe fez uma visita. Durante o casamento, a minha mãe a dada altura levantou os olhos e viu uma imagem de Santa Teresinha, em que ela estava muito sorridente e lindíssima. Passados uns dias, e de tal maneira ficara maravilhada com a beleza da imagem, que quis lá voltar para de novo vê-la e apreciá-la. Não a encontrou no entanto, e todos foram unânimes em lhe afirmar que tal imagem, correspondendo à descrição da minha mãe, nunca existira nem nunca lá estivera na igreja. Estes acontecimentos passam de pais para filhos e obviamente nos levam à devoção a certos santos e santas, e que por sua vez nos levam a divulgá-la a outros.

Recomendo a leitura da vida de Santa Teresa do menino Jesus a todos aqueles que se sintam atraídos pelos caminhos da humildade, que é a única chave que abre a porta para o Caminho da santificação.

Outras leituras que nos ensinem e exortem no caminho da santidade são também importantes. Entre todas sobressaem as obras de uma alma portuguesa, Maria Stella Salvador, que sendo o próprio Jesus e a Virgem Maria nos falando, constituem um património espiritual inigualável. Não é certamente por acaso que é em Portugal que surge uma obra desta envergadura, pois já sendo uma obra para os Novos Céus e Nova Terra, vem de facto antecipar no nosso pequenino quinhão de terra de Santa Maria, o início da Vitória do Seu Imaculado Coração.

"Deus é Amor" é a maior obra desta autora, que deve constar de 7 ou 8 volumes, dos quais já se encontram publicados 4, e consta de meditações feitas por Jesus sobre pequenos excertos das leituras quotidianas das missas diárias.

"Amor de Mãe" que é uma meditação feita pela Virgem Maria sobre todas as palavras ditas a Lúcia durante as Aparições de 1917, é também obra fundamental de ler, meditar e pôr em prática.

"Meu Coração para vós", publicado pela AMEN, foi a meu ver o primeiro grande sinal visível do início da Vitória do Imaculado Coração de Maria. Este livro é uma meditação feita pela Virgem Maria sobre cada uma das enunciações da Ladainha do Imaculado Coração de Maria, em que a par e passo nos são transmitidos ensinamentos fundamentais para a nossa santificação. Esta edição da AMEN, foi ainda muito pouco distribuída, e está guardada para ser divulgada na altura própria, a seguir ao AVISO de Garabandal.

 

 

 

CXII14 - Um Plano de Oração é

Com base nas Mensagens da Virgem Maria sugiro que cada um faço o Seu Plano de Vida e de Oração, e nesse sentido proponho um mínimo a ser observado.

Antes de iniciar toda a oração deve ser feito o Sinal da Santa Cruz, logo seguido de oração ao Espírito Santo. Todas as orações devem ser feitas em profundo espírito de humildade, com Fé, Esperança e Caridade.

Padre Ottavio Michellini, 5-2-76 Oração

 Pôr-se na presença de Deus quer dizer fazer uma série de acções espirituais essenciais para uma oração boa e eficaz.

É preciso fazer um acto de fé que eleve a nossa alma até Deus, o que quer, dizer entrar em contacto espiritual, com Deus Uno e Trino.

A este acto de fé seguem-se necessariamente actos de humildade, de confiança e de amor que servem para intensificar o contacto com Deus. Estes actos são indispensáveis para uma boa oração, porque impedem um exercício, puramente mecânico que repugna a Deus. Eu afasto-Me daqueles que apenas Me honram com os lábios e não com o coração.

Infelizmente são numerosos, entre os poucos que rezam, aqueles que rezam apenas materialmente iludindo-se a si próprios de terem cumprido um dever, que na realidade não foi cumprido.

Meus filhos e meus sacerdotes, não vos resta muito tempo. Não sou Eu, mas vós quem está a decidir da vossa eternidade.

 

Todas as orações devem ser rezadas com o coração e em íntima união com Deus. O uso da Água Benta é muito aconselhável.

Plano Mensal

- Primeira Sexta feira do mês, em devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

- Primeiro Sábado do mês, em desagravo do Imaculado Coração de Maria, de preferência feito em Fátima.

- Vigília do Último Sábado do mês feita em frente ao Santíssimo.

Plano Semanal

- 4ª feira - Cenáculo Mariano de Oração do Rosário Completo.

- 5ª feira - 3 horas de Adoração em frente ao Santíssimo das 21 horas às 24 horas. Horas da Paixão no Horto das Oliveiras.

- 6ª feira - 3 horas de Adoração em frente ao Santíssimo das 12 horas às 15 horas. Horas da Paixão na Cruz.

- 6ª feira - Via-Sacra.

- Missa Dominical familiar e dedicação inteira do Domingo ao Senhor.

Plano Diário

- Oração da manhã e Terço com os mistérios Gozosos.

- Oração do almoço e Terço com os mistérios Dolorosos.

- Missa Diária.

- Oração da noite, Exame de Consciência, Terço com os mistérios Gloriosos, leitura e meditação das Sagradas Escrituras.

CXII15 - Penitência e Jejum é

Em todas as Aparições da Virgem Maria, Ela pede penitência.

Jesus também frisou a importância da penitência e entrega feita pelas almas vítimas.

Padre Ottavio Michellini, 30-11-76

 As almas vítimas são almas especialmente eleitas pelo Céu, pela Trindade Divina, de que se tornam filhas e esposas; são as almas mais amadas do Pai, as mais intimamente unidas ao Filho e ao Espírito Santo.

São as almas que, generosamente, muitas vezes heroicamente, fazem a oferta da sua vida humana a Deus.

As almas vitimas são as almas iluminadas, que compreenderam que não pode haver amor a Deus e amor aos irmãos sem o sofrimento; são as mais fiéis e as mais autênticas intérpretes e executantes dos dois Mandamentos do Amor.

Uma penitência que é muito do agrado de Deus e que Nossa Senhora sempre aconselha é o jejum, muito em especial o jejum de pão e água, às 2ª, 4ª e 6ª feiras de todas as semanas do ano.

O jejum é pedido um pouco por toda a parte, mas também muito em especial em Medjugorje.

José Luis, Portugal, Morelinho, em casa da família Simões,

24 de Janeiro de 1996

 Pequenitos meus do meu Coração, recordai que com a oração, jejum e conhecimento dos mandamentos, o Espírito Santo vos brindará com a sua Luz para saberem desmascarar as insídias do mal; pois nos vossos tempos muitos filhos são confundidos e enganados por doutrinas das trevas que aparentam ser da luz.

José Luis, Ensinamento na Igreja do Sacramento em Lisboa,

5 de Março de 1996

 Mas também a Nossa Mãe nos chamou de uma forma muito especial ao jejum.

Ela disse que é muito necessário jejuar, porque todos temos alma e corpo.

E que diz o Senhor na sua Palavra? "Orem, pois o espírito é forte, mas a carne é fraca." Muitas vezes, as nossas almas são escravas do nosso corpo. Por isso não podemos ir para Deus.

Maria disse: "Pequenos filhos, através do jejum, começareis a dominar as vossas próprias paixões. Através do jejum, rompereis as cadeias dos vícios e do pecado. Portanto, o jejum é um meio de libertação. É um meio de purificação".

Maria disse que nós temos corações duros e que através do jejum, os nossos corações que estão endurecidos pelo pecado, se abrem à Graça de Deus e à Acção do Espírito Santo. Através do jejum, disse Maria, a vossa fé se fortalecerá e tereis a força necessária para resistirem às tentações e ao pecado.

Além disto, diz Nossa Senhora, que se rezamos e jejuamos com o coração, poderemos alcançar Graças do Céu, porque para Deus, nada é impossível. Ela, ao princípio, pedia-nos para jejuar às 6ª feiras. Fazia-mo-lo a pão e água.

Mas mais adiante, ela nos disse: "Quero que jejueis 2ª, 4ª e 6ª feiras, desde as 6 da manhã às 6 da tarde, com pão e água". Ela disse que podemos comer pão, o que necessitemos, bem como toda a água que necessitarmos.

Depois das 6 da tarde, podemos comer o que nos apetecer. Quando ela me disse isto, eu estava a escrevê-lo num caderno. Enquanto escrevia, pensava: "Isto vai ser muito difícil". Quando terminei de escrever, Nossa Senhora, parou em silêncio e eu fiquei a olhá-la para que me continuasse a falar. Ela estava sorrindo e me perguntou: "Pequeno filho, pensas que o que te peço é difícil?" Eu lhe disse: "Sim Mãe. Creio que sim." Então ela respondeu: "Entende uma coisa, pequeno filho, que o que eu te peço, só será difícil até ao dia em que o ofereças com verdadeiro amor a Deus."

Mas há também muitas outras maneiras de jejuar.

Se gostamos muito de comer doces,... "Senhor esta semana não vou comer doces e vou dá-los aos pobres." Fazemos duas coisas boas: jejuamos e fazemos caridade.

Se as senhoras gostam muito de ver telenovelas,... "Senhor, não vou hoje ver telenovela, e vou dedicar, hoje, esse tempo à oração".

Se gostamos de fumar,... "Hoje Senhor, não vou fumar." Desta maneira vamos fortalecer a nossa vontade para podermos derrotar o pecado.

Um jejum que agrada muito a Deus, é o jejum da língua. Que não falemos mal dos nossos irmãos. Isso agrada muito a Nosso Senhor.

 

 

CXII16 - As Bênçãos é

Habitualmente estamos elucidados com as Bênçãos que os sacerdotes dão, e temos razão para estar, pois essa é a própria Bênção de Jesus. Destas Bênçãos sacerdotais, a mais poderosa é a dada com o Santíssimo Sacramento.

Mas nós, leigos vulgares de Lineu, também podemos abençoar. No tempo dos nossos pais e avós, era corrente o filho pedir a bênção ao pai, antes de ir dormir ou partir de viagem. Esse bom costume perdeu-se, mas tem de ser recuperado e divulgado com urgência.

Amor de Mãe, Maria Stella Salvador. Pág. 145

 Meus filhos, tenho-vos procurado para vos cobrir de bênçãos. Aproveito todas as vossas disposições boas para vos abençoar, porque vós precisais muito de ser abençoados.

A bênção tem efeitos benéficos sobre vós, meus filhos. Por isso, deveis procurar receber uma bênção sempre que puderdes.

Mesmo que continueis a sentir-vos iguais, com a bênção sois reforçados com o poder do Senhor contra todo o poder das trevas, que tudo faz para vos desencorajar e vos fazer cair nas redes que, por todo o lado, vos estende.

Procurai receber, muitas vezes a bênção do Santíssimo Sacramento. É a mais poderosa bênção, aquela que mais vos enche de forças, de graças, de luzes.

Mas há outras bênçãos. E sempre bom, sempre útil a bênção de um sacerdote. Não a desprezeis, mesmo que tenhais com esse sacerdote muita confiança, mesmo que ele seja da vossa família, e que, por vezes, vós esqueçais do que ele e.

Vós próprios podeis abençoar-vos uns aos outros. Há em todos vós, meus filhos, uma força de amor, uma forca de caridade, que, posta em movimento, vai movimentar o poder do Senhor. Quando abençoais um irmão vosso, com verdadeira intenção de o fazer, com desejo de que ele seja abençoado, movimentais a bênção poderosa de Jesus, que se compraz em abençoar e abençoa, com agrado, todos aqueles sobre os quais vós estendeis a prece da bênção.

Esse vosso irmão fica fortalecido, protegido, rodeado por uma maior força de amor, que vós chamastes sobre ele.

Deveis muitas vezes abençoar os vossos irmãos, principalmente aqueles que vedes com alguma necessidade, aqueles que vedes enfraquecidos por tentações, por problemas, com dificuldades de decisão, tristes ou doentes. Este é um dever de caridade que tendes para com eles, e que, muitas vezes, a maior parte das vezes, sempre ou quase sempre, descurais.

 Para nós leigos, a mais poderosa Bênção que podemos dar é a Bênção Especial de Maria, que Ela nos deu em Medjugorje.

Frei Richard Foley, explica numa folha, largamente já divulgada por todo o mundo, o que esta dádiva única de Nossa Senhora é e o que faz.

Frei Richard Foley, Bênção Especial de Nossa Senhora

 Esta Bênção é ESPECIAL!

A razão pela qual é tão especial, é porque atribui o poder, àqueles que a recebem, de abençoar pessoas em nome de Nossa Senhora, tal como se ela própria as abençoasse.

A primeira vez que ela a deu, foi em 5 de Agosto de 1985. Essa, está claro, é a data do seu verdadeiro aniversário, tal como no-lo disse, se bem que veneremos liturgicamente esse acontecimento a 8 de Setembro.

A ocasião foi a da sua aparição da noite, na encosta, a Ivan, que estava acompanhado por uma grande multidão.

Ivan lembra-se de que a Mãe de Deus estava usando um maravilhoso robe dourado.

As suas palavras foram: "Louvado seja Jesus Cristo. Estou feliz por estar aqui convosco esta noite, meus filhos, e por vê-los aqui em tão grande número. EU VOS ABENÇOO AGORA COM UMA BÊNÇÃO ESPECIAL."

Diversas outras ocasiões

Em 19 de Dezembro desse mesmo ano, Nossa Senhora disse: "Eu desejo de uma maneira especial, dar às mães a minha própria bênção maternal neste dia de Natal."

Desde então, ela tem dado a bênção especial em qualquer coisa como dez outras ocasiões. Duas destas foram nas suas aparições a Marija, enquanto a vidente estava no Alabama em 1988, para um transplante de um rim para o seu irmão.

O que realmente significa

Marija explica o que esta oferta maravilhosa é, e o que faz:

| Quando abençoa alguém com esta bênção especial, é como se a própria Nossa Senhora a estivesse a abençoar.

| Tem o poder de converter e santificar pessoas, de uma forma especial.

| A sua eficácia é proporcional à Fé e ao ardor da pessoa que a dá.

| Quanto mais a bênção é dada, mais forte se torna a sua eficácia.

| O poder de a dar, dura toda a vida.

| Uma vez que a tenha recebido, você tem poder para conferi-la a outros.

| Aqueles a quem você a der, recebem o poder de igual grau ao seu, e eles por sua vez podem passar o poder a outros.

| Quanto mais a bênção for dada, mais forte se torna.

| Pode ser dada tanto a crentes como a descrentes.

| Não tem de estar na presença da pessoa a quem está a dar a bênção.

| Pode dar a bênção à mesma pessoa as vezes que quiser.

| Não é preciso uma fórmula especial para abençoar as pessoas. Um pensamento é suficiente, ou qualquer oração ou jaculatória.

| Para receber a bênção directamente de Nossa Senhora, você teve de estar no sítio e na ocasião em que ela actualmente a deu.

| De outra forma, deve receber a bênção de alguém que a tenha de facto recebido.

| Recebendo a bênção de alguém devidamente empossado, você próprio recebe o poder de a conferir a outros.

| Bênçãos a grupos não funciona. Tem de ser sempre dada de indivíduo a indivíduo. Marija explica que a bênção especial, tal como um abraço, não pode ser dado a uma multidão, mas só a uma pessoa de cada vez.

Usa este poder de Maria!

Façam, pois, o máximo uso deste poder de Maria. Nossa Senhora disse numa das ocasiões em que deu a Bênção Especial (em Alabama a 29 de Novembro de 1988): "Abençoem com esta bênção especial mesmo aqueles que não acreditam: Podem dar-lhes esta bênção, de coração para ajudá-los na sua conversão. Abençoem todos quantos encontrarem. Eu dou-vos uma graça especial. Eu desejo que dêem esta graça a outros."

No caso de ainda não ter este poder, trate de receber a bênção de alguém que já o tenha. Fale no seu grupo.

  

Vamos fazer pleno uso desta grande manifestação da Nossa Mãe do Céu.

 

 

 

 

Conselhos aos Padres

Outras Mensagens particulares à Jacinta

SOBRE OS SACERDOTES

"Minha madrinha, peça pelos pecadores!

Peça muito pelos Padres!

Peça muito pelos Religiosos!

Os Padres só deviam ocupar-se das coisas da Igreja.

Os Padres devem ser puros, muito puros.

A desobediência dos Padres e dos Religiosos aos seus Superiores e ao Santo Padre ofende muito a Nosso Senhor.

 

Os Padres devem viver vidas santas, de exemplo verdadeiro da Vida Cristã, devem ser fiéis imitações de Jesus Cristo.

Devem abandonar as suas vidas civis, as quais podem ser desempenhadas por leigos, e passar a fazer o que os leigos não podem fazer: voltarem aos confessionários, à oração, à pregação, à penitência, ao uso dos sacramentos, à Adoração Eucarística e à sua defesa. Devem exortar os leigos a comungar de joelhos e na boca. No abandono das vidas civis, incluo os cargos de chefias das mais diversas ordens, administrativas, económicas, docentes, etc..

Devem pregar toda Verdade contida nos Evangelhos, na Doutrina e na Tradição da Santa Igreja Católica. Devem em particular pregar aos fiéis as Verdades contidas nos Novíssimos do Homem, na Vida, na Morte, no Céu e no Inferno. Devem também pregar sobre o Purgatório e na existência do Demónio.

Devem ser obedientes aos Bispos que estiverem ligados ao Papa João Paulo II e aos seus ensinamentos, mesmo depois de ele ter sido afastado da chefia da Igreja Católica.

Devem voltar a usar de novo as suas sotainas ou pelo menos o seu cabeção com dignidade, diferenciando-se na forma de vestir dos leigos, deixando de ter vergonha dos seus Hábitos religiosos, que são também poderosos sacramentais para sua protecção. Não há nada que entristeça mais um leigo do que ver um padre à paisana, de gravatinha, de casacos e camisas de civis. O Papa João Paulo II e a Virgem Maria já pediram tanto para os Sacerdotes voltarem ao uso dos seus Hábitos.

Devem incentivar a oração do Rosário, em humildade e com o Coração.

Devem estudar as Mensagens e Aparições de Jesus e da Virgem Maria durante todo este século XX, para poderem orientar os fiéis que disso necessitarem. Em especial, deverão ter em atenção as Mensagens de Jesus ao Padre Otávio Michellini, sobre os sacerdotes, páginas 152 e seguintes do Volume II deste Tratado.

 

 

 

CXII17 - Os Sacramentais como Meios de Defesa é

Os Sacramentais são objectos de culto que foram benzidos por um sacerdote e destinam-se a serem usados pelos crentes com o objectivo de os proteger e auxiliar na sua caminhada de santificação.

Entre os sacramentais, encontramos todos os objectos representativos de Deus, da Virgem Maria, Anjos e Santos, mas também Cruzes, Peixes, Terços, Escapulários, Velas e a Água Benta.

Frei David Lopez, Medjugorje, Agosto de 1987

 Os meus filhos devem continuar com arrependimento pelos seus pecados e rezar mais como eu recomendei. Devem arranjar Água Benta, e sacramentais benzidos, e ter uma especial devoção ao Sagrado Coração de Jesus, tendo sempre uma luz acesa em frente d’Ele.

 

 

CXII18 - As Cruzes Gloriosas de Amor, de Dozulé é

Depois do grande pedido que Jesus fez em Dozulé à Madeleine Aumont, não ter sido acolhido pelos dirigentes das Nações, Jesus nas suas Mensagens à J.N.S.R., pede a construção de cruzes cem vezes mais pequenas em todas as partes da Terra.

Estas Cruzes de Amor têm enorme poder de conversão, salvação e protecção dos ataques desencadeados pelo demónio.

J.N.S.R., "Testemunhas da Cruz", 31 de Outubro de 1997

 As Minhas Cruzes de Amor nasceram na Minha Santa Cruz Gloriosa de 738 metros, a fim de passarem a ser filhas da Minha Santa Cruz de Amor e de Perdão. QUEM A CONSTRUIR, QUEM A ADOPTAR, QUEM A ABENÇOAR, QUEM A COMPREENDER, ESTARÁ JÁ SALVO.

J.N.S.R., "Testemunhas da Cruz", 9 de Maio de 1997

 "Vão ser ainda mais numerosos os Operários da Minha Vinha; virão, com a maior alegria, continuar a missão já começada: MILHARES DE CRUZES EM TODO O MUNDO. Vê como o mundo é vasto. Que satisfação, ver a Mão de Deus, em tudo o que hoje se faz por toda a parte. Não detenhas ainda este movimento, porque Eu tenho de interessar ainda muitos Povos. Não temais os que se atiram contra vós, contra as Minhas Cruzes de Amor; Eu Mesmo os acalmarei. Sentireis a Minha Paz vir ao seu encontro.

Não vos escondais, vós servis Deus. Não provoqueis, vós sois de Deus; tentai ser calmos e não arrogantes. Mostrai-vos mansos e cheios de compreensão para com os que ainda lutam contra este projecto; depressa eles mesmos serão mansos como cordeiros, na medida em que Eu lhes mostrarei, a cada um, a utilidade das Minhas Cruzes, em cada região, em cada cidade, em cada aldeola. Se a Oração for feita com o coração, obtereis muitas Graças em cada uma delas: elas representam a Presença de JESUS: cada um sentirá a Minha Presença. Uni-vos e rezai juntos: cada minuto de Oração feita à Cruz é um pedaço de caminho andado, para uma alma que vem ao Meu encontro; ajudai-a! E vereis então essa multidão de almas que virão pedir a sua conversão, porque Eu Mesmo as espero em cada Cruz; as que estão designadas virão, sem mesmo terem procurado o caminho: encontrarão a Cruz que as chama...".

J.N.S.R., "Testemunhas da Cruz"

A CRUZ DE AMOR E SUA MENSAGEM

1 - "Milhares de Cruzes que se irão erguer por todo o Mundo: a Cruz faz fugir o Mal". (16-7-96).

2 - "Deverão ser luminosas, em grande número; elas mesmas serão as Estrelas da Terra...". (16-7-96).

"Brilhantes como o Sol de Justiça, que brilha em cada Cruz". (1-11-96).

3 - "Milhares de Cruzes, com as cores de Cristo e de Sua Santa Mãe: BRANCAS, como dois lírios de pureza divina; AZUIS, como o Céu do Pai Eterno" (1-11-96).

"Eu desejo essas duas cores, BRANCA e AZUL, porque a Minha Mãe Santíssima está junto a Cruz...". (16-7-96).

4 - "Todas as Cruzes que vós edificardes terão as dimensões figurativas da Minha Cruz Gloriosa...". (16-7-96).

"Construindo-as, vós próprios, e depressa, a uma centésima parte do tamanho que primeiro vos pedi. Cada braço terá, então, 1 metro e 23 centímetro e a altura 7 metros e 38 centímetros". (24-8-96). (Note-se que a Cruz terá a espessura de um quadrado de 40 cm de lado). "Respeitai as dimensões, é o principal". (10-10-96).

5 - "Construi-las-eis a médias alturas, porque a Minha Cruz Gloriosa de 738 metros deverá dominar todas as outras Cruzes...". (16-7-96).

6 - "Os braços, dispostos de Oriente a Ocidente, (nascente a poente), encerrar-vos-ão, na Minha Misericórdia...". (28-8-96).

7 - "... Serão abençoadas pelo Santo Padre, que compreenderá qual a força da Cruz; e também ele compreenderá a Força de Deus...". (28-8-96).

8 - "Rezai aos pés da Minha Cruz, diante de cada CRUZ DE AMOR". (7-12-96).

"Rezai e convertei-vos diante das Minhas Cruzes, que vos conduzirão a Minha Cruz Gloriosa, onde vos espero bem depressa". (1-1 1-96).

"Rezai em cada uma das Minhas Cruzes, com Amor, e na certeza de que Eu estou lá, a oração quotidiana de Dozulé (cf. "Apóstolos da Cruz", pág. 107), todos os dias, em Cruz...". (28-8-96).

9 - "Milhares de Cruzes luminosas, na Terra, erguidas pelo Homem! Milhares de filhos irão acorrer, para rezar diante delas". (30-8-96). "Estas Cruzes irão surgir por toda a parte...". (10-10-96).

10 - "Todas essas Cruzes, Brancas e Azuis, irão nascer do vosso coração...". (30-10-96).

11 - "Mostrai o Caminho que conduz à Minha Cruz de Glória, passando pelo caminho semeado de estrelas azuis e brancas, brancas e azuis...". (1-11-96).

12 - "Hoje, a Rainha do Céu vem visitar os Seus filhos, dados por JESUS, aos pés da Sua CRUZ DE AMOR. Vós não Me vedes, mas Eu estou convosco...". (3-0-96).

Este resumo dos benefícios da Cruz de Amor, saiu na revista "Boa Nova", grande baluarte da Fé em Portugal.

A encomenda destas cruzes de 7,38 metros de altura pode-se fazer para a Fraternidade Missionária de Cristo-Jovem, em Requião.

Também foram da iniciativa e lançadas por esta Fraternidade as Cruzes Familiares, que têm somente 73,8 centímetros de altura.

  

 

CXII19 - Os Peixes e as Cruzes pequeninas para as portas é

O símbolo do Peixe foi o primeiro símbolo dos cristãos primitivos, só mais tarde surgindo a Cruz em sua substituição.

O Peixe foi símbolo original dos cristãos, porque a palavra Peixe em grego escreve-se I X U Y S , cujas letras correspondem às iniciais da frase (I )Jesus (X )Cristo (U )Filho de (Y )Deus, (S )Salvador.

São precisamente estes símbolos que a Virgem Maria nos oferece como sacramentais para este Fim dos Tempos.

O mundo toma conhecimento destes sacramentais e das suas graças, através de revelações pessoais feitas ao José Luis Matheus.

José Luis, revelações pessoais

O homem, estando de tal maneira arreigado no materialismo, o secularismo e o despotismo, cego pelas ilusões do mal, não acreditará noutra coisa que não seja em si mesmo e nas suas capacidades de atingir o seu poder, o seu prazer e sua riqueza na terra, de forma que, a sua atenção não está em Deus. Como Cristo nos disse, não se pode servir a dois mestres, ao dinheiro e a Cristo.

Sobre sacramentais para nossa protecção, Maria oferece-nos os símbolos do Cristianismo. A Virgem Maria convida-nos a colocar em todas as portas de entrada e saída das nossas casas, um par de peixes, o primeiro símbolo do Cristianismo, de cor branca, vermelho, amarelo (ou dourado), devendo ser colocados paralelamente (um de cada lado da porta) e apontando na mesma direcção. Maria Sublinha que a disposição destes símbolos sobre as portas das casas daqueles que aceitam a sua mensagem, é uma declaração aberta e pública de que da sua parte, as suas casas são sítios cristãos e que aqueles que nelas vivem levam vidas cristãs. Com estes símbolos a Virgem Maria promete uma protecção Divina durante as tribulações sobre as casas, os bens e as pessoas que aí se refugiem: "Quando o Anjo Exterminador passar diante de vossas casas e vir o sinal que eu vos dei, ele passará sem vos molestar"…

A armadura final que Maria nos dá, é naturalmente a Cruz. Ela nos pede para colocar uma só cruz, desta vez, sobre todas as portas da casa (só num dos lados da porta). Ela promete, que fazendo assim, a mesma casa será protegida das calamidades da guerra e das epidemias. Dito isto, a Virgem Maria nos pede, em troca, nada mais que a oração meditada dos quinze mistérios do Rosário antes de colocar as ditas cruzes e que Ela nos recomenda de fazer benzer por um padre.

 Foi por conselho de Nossa Senhora, que devemos o mais cedo possível colocar em nossas casas, Peixes e Cruzes, com dimensões aproximadas dos 7cm, e digo isto, porque Nossa Senhora não deu indicação precisa e rigorosa sobre as dimensões.

À semelhança do que se passou no Egipto com o Sangue do Cordeiro, agora se passará também com os Peixes colocados nas portas. Quando o Anjo passar, nada fará nestas casas.

A AMEN distribui estes Peixes e Cruzes com as dimensões rigorosas da redução da Cruz de Dozulé, ou seja, 73,8mm de altura.

Nas portas que derem para o exterior, dever-se-ão colocar 2 Peixes, um por fora e outro por dentro, de tal maneira que pareça só um, como se atravessasse a porta de um ao outro lado, apontando ambos no mesmo sentido.

Em todas as portas interiores da casa dever-se-á colocar uma só Cruz de madeira.

As cores, deverão estar em contraste com a cor das portas, podendo ser: azul, branca, encarnada, amarela ou dourada.

Para fixar os Peixes e as Cruzes poder-se-á utilizar cola branca de madeira, e nas portas exteriores, pode aplicar uns preguinhos, se houver o perigo de serem roubados.

Já nos U.S.A. se deu um verdadeiro milagre comprovativo da eficácia destes Peixes e Cruzes, durante um terramoto, que abalou um cidade, e em que a única casa que nada sofreu e na qual não foi sentido o dito terramoto, foi a que já tinha colocado os Peixes e as Cruzes. É uma grande Graça dos Céus.

Estes Peixes e Cruzes, disse Nossa Senhora, irão proteger todas as casas onde forem colocados, de todas as catástrofes, calamidades e epidemias que advirão sobre a Terra, até os 3 dias de Trevas, incluindo-os de um modo muito especial.

Antes de colocá-los deve ser rezado de joelhos o Rosário completo pelas intenções do Imaculado Coração de Maria, de seguida.

Estes Peixes e estas Cruzes são complementares às Cruzes Gloriosas de Amor de Dozulé, cada uma exercendo a sua função no tempo, no espaço, e no objectivo que têm.

 

CXII20 - As Velas de Lourdes para os Três Dias de Trevas é

A Virgem Santíssima pediu ao José Luis e ao Juan António, para a partir de 1993, fossem durante 5 anos consecutivos, no dia 11 de Fevereiro, a Lourdes, fazerem 3 dias de oração e penitência. Deveriam ir sempre acompanhados por mais pessoas, e que todos deveriam levar consigo, durante os períodos que fizessem o que Ela lhes pedisse, uma vela acesa. Deviam guardar preciosamente o que restasse dessas velas, porque ao fim dos 5 anos, portanto em 1997, a Virgem Santíssima diria para que serviam as velas que durante esses 5 anos tinham sido utilizadas durante os períodos de oração e penitência em Lourdes.

Havia pois da parte de todos aqueles que se tinham ao longo destes anos deslocado a Lourdes com o José o Juan, uma grande expectativa. Para que serviriam aquelas velas? Qual a grande Graça escondida por detrás de tanto tempo de segredo e curiosidade.

O ano de 1997 chegou e mais uma vez o José e o Juan já tinham combinado com 3 pessoas, que estavam mesmo de viagem marcada para Lourdes. À última hora, os 3 que tinham ficado de ir a Lourdes no último dos 5 anos, não puderam seguir viagem. Simultaneamente a este contratempo, o Juan convida-me para ir a Lourdes servir de intérprete ao encontro que tinham com o grande teólogo católico da actualidade, mariano e fiel ao Papa João Paulo II, o Padre René Laurentin. Fiquei muitíssimo contente com o convite, mas parecia-me quase impossível concretizá-lo por falta de tempo e de dinheiro. O que é um facto é que tudo se resolveu de maneira inesperada e de tal maneira bem, que não só fui eu mas como mais 5 pessoas que, por assim dizer, constituem o núcleo permanente dos cenáculos das 4ª feiras no Morelinho. Ao todo, portanto, lá fomos seis, encantados, cantando e rindo a caminho de Lourdes. Este ano, em vez de serem 3 eram seis que iam estar em Lourdes com o José e o Juan. O Céu tinha tudo muito bem preparado, e tudo correu extraordinariamente. Foram três dias de oração e penitência muito duros, mas vividos com uma alegria e espírito de amor e fraternidade nunca antes experimentados por nenhum de nós.

Chegámos a Lourdes no dia 9 de Fevereiro de 97, mas só no dia 10 ficámos, inteirados do que se iria passar. Já desconfiávamos fortemente de que não ia ser uma peregrinação passeio, porque já sabíamos por experiência própria de que quando se anda com o José e o Juan, é acima de tudo, não para fazer turismo, mas sim para orar, jejuar e fazer penitência. Sempre foi assim com os pastorinhos em Fátima, foi em Lourdes com a Bernardete, e sempre foi assim por toda a parte com os agraciados com aparições de Nossa Senhora. É esta marca, é este denominador comum a todos aqueles que se entregam a Jesus e Maria, que levava Santa Teresa de Ávila, brincando, a dizer: "Agora que conheço a maneira como tratas os teus amigos, já não me admiro que tenhas tão poucos"...

De tal maneira foi forte esta experiência vivida por todos nós, que faremos sempre tudo o que nos for pedido pela Nossa Mãe do Céu, quantas vezes e o tempo que for necessário.

Era chegada a noite do dia 11 de Fevereiro. Tinha terminado o segundo dia de oração e penitência. Tinha terminado a procissão e o terço da celebração oficial do principal dia em Lourdes. Estávamos estoirados mas numa grande expectativa e com imensa alegria fomos para a margem direita do Gave, em frente à gruta, rezar o quarto terço do dia, já que tínhamos rezado um com a celebração oficial do santuário. Aliás, durante a procissão do dia anterior e aquela, rezavam ao microfone em todas as línguas, menos em português, o que nos desconsolou imenso, mas também aí tivemos um presentinho da Mãe do Céu, que arranjou tudo de tal maneira que eu, sem saber como, me vi diante do microfone a rezar uma Avé Maria em português. Portugal tinha, afinal de contas, marcado presença oficial em Lourdes. Foi mais um sinalzinho muito gratificante e de alegria para todos nós.

Rezámos o Terço, e no fim, a Virgem Santíssima aparece ao Juan António. Entretanto, ele já nos tinha dito, que para além da Virgem Santíssima ir enfim dizer para que serviam as velas dos cinco anos, daria também uma Mensagem particular a cada um de nós. Com esta notícia, pode-se imaginar o estado de espírito em que estava cada um de nós.

Assim foi. Cada um de nós, recebeu através do Juan as palavras que a Virgem Maria naquele preciso momento tinha para dizer a cada um de nós. Não há palavras para descrever o que cada um sentiu e o que passou naqueles momentos de enlevo Divino e de Amor Maternal. Só posso dizer, que ficámos todos lavados em lágrimas, e já era quase tanta a água que corria no leito do rio Gave como a que escorria da margem direita onde estávamos...

Tudo ficou gravado nos nossos corações, mas graças a Deus também em fita magnética, para podermos recordar em tempos futuros um testemunho do Amor que os Céus têm para com todos nós.

Depois de termos acabado as orações finais após o Terço, o Juan contou-nos a Mensagem com relação às velas, que passaram a ficar conhecidas como as "Velas de Lourdes para os Três Dias de Trevas".

Juan António, Mensagem de Lourdes, 11 de Fevereiro de 1997

 "Ela veio com uma vela igualzinha a esta, estava muito, muito linda, e ao redor d'Ela estavam outras velas mais, as velas das outras pessoas. Então abriu o seu manto assim, e nesse momento vi as nossas velas com Ela, mais perto de Si. Depois me disse que o sentido das velas era muito simples mas ao mesmo tempo muito poderoso. Que iam ser para os três dias de trevas! Com a diferença de que onde estiver esta luz acendida, na casa, durante os três dias de trevas, haverá uma PAZ! Que nos recordemos disto. Que haverá uma Paz, contrariamente à que haverá noutros lugares, que tenham a vela das candeias, porque aí ainda haverá perturbações, o demónio tentará imitar vozes que nos sejam familiares. Mas onde estas velas estejam acendidas, não irá haver essa perturbação. Então me disse que a Graça a transmitiríamos através desta luz.

Primeiro devem-se rezar os 15 mistérios do Rosário, acender a vela numa destas e rezar um Pai-Nosso com a outra vela segura com as duas mãos. Que a guardem como uma grande recordação, porque depois será necessária também, depois dos 3 dias de trevas, mas sobre o que não me disse o que iria se passar. Depois, essa vela poderá passar a outra, e essa a outra, e assim por diante.

Sempre que sintamos na nossa casa perturbação pelo demónio, que a acendamos, rezemos um Pai-Nosso unindo-nos a Ela e a invoquemos como Nossa Senhora de Lourdes.

Disse-me no fim, que como recordação deste dia 11 de Fevereiro, durante um ano, nos dias 11 de cada mês, rezássemos o que rezámos no dia de hoje. Quer dizer, a Via-Sacra, meia hora de adoração, os 15 mistérios do Rosário, Missa, e o Terço da Misericórdia".

Foi-nos depois dito, que Nossa Senhora lhes pediu para que a partir do próximo ano começassem um novo período de mais 7 anos de oração feita em Lourdes, no dia 11 de Fevereiro de cada ano.

Foi nesta inesquecível e maravilhosa viagem a Lourdes que se formou o Grupo dos Seis.

Liturgia de transmissão das Bênçãos e Graças

das Velas de Lourdes

1 - Deverá o crente arranjar uma vela.

2 - Deverá rezar os 15 mistérios do Rosário, seguidos, com a intenção de transmissão das Bênçãos e Graças para a sua vela. Não é obrigatório ser de joelhos, mas devemos ter em atenção que Nossa Senhora gosta que o façamos. A sua vela pode estar apagada.

3 - Após ter sido rezado o Rosário completo, dever-se-á acender uma vela à qual já tenham sido transmitidas estas Bênçãos e Graças.

4 - O crente deverá então acender a sua vela nesta vela já abençoada.

5 - Ajoelhará, e com a sua vela agarrada com as duas mãos, firmemente, em sinal de adesão total à Luz e Providência Divinas, rezará sozinho, em voz alta, o Pai-Nosso.

6 - No fim, invocará Nossa Senhora de Lourdes:

"Nossa Senhora de Lourdes, rogai por nós e dai-nos a Paz".

7 - Em seguida já poderá apagar a sua vela.

8 - Esta vela terá nesse momento as mesmas Bênçãos e Graças que as originais trazidas de Lourdes pelos 6 peregrinos.

Nota: Dever-se-á ter o cuidado de confirmar que a vela em que se vão acender as novas é autêntica e verdadeiramente portadora das Bênçãos e Graças que Nossa Senhora concedeu em Lourdes.

 

CXII21 - Os Escapulários, do Carmo, Verde, e Vermelho é

Há três grandes Escapulários:

O Escapulário do Carmo ou castanho, o Escapulário Verde e o Escapulário Vermelho ou da Paixão.

A cada um destes Escapulários foi atribuído uma missão específica, sendo o Escapulário do Carmo o mais antigo, o mais conhecido e divulgado.

O Escapulário do Carmo foi dado à humanidade numa aparição da Virgem Maria a S. Simão Stock, superior Geral da Ordem do Carmo.

S. Simão Stock, 16 de Julho de 1251

 Todo o que morrer com este Escapulário será livre do fogo eterno. É um sinal de salvação, uma defesa dos perigos e um penhor da minha especial protecção.

 

As Graças do Escapulário do Carmo são:

1 - Especial protecção de Nossa Senhora durante a vida.

2 - Morte na Graça de Deus, isto é, a Salvação.

As condições para que estas promessas sejam cumpridas são:

1 - Que o Escapulário do Carmo, em pano, seja imposto uma só vez com a fórmula própria, por um Sacerdote.

2 - Trazer piedosamente e morrer com o Escapulário ou medalha que o substitui.

Na Última Aparição de Fátima Nossa Senhora do Carmo, aparece com o Escapulário do Carmo na mão.

Sexta e última Aparição da Santíssima Virgem Maria

13 de Outubro de 1917

 Finalmente apareceu, numa visão gloriosa, Nossa Senhora do Carmo, coroada Rainha do Céu e da Terra, com o Menino Jesus ao colo.

Enquanto estas cenas se desenrolavam aos olhos dos videntes, a grande multidão de 50 a 70 mil espectadores assistia ao milagre do sol.

 

 

 

Em Garabandal, a Virgem Maria também aparece como Nossa Senhora do Carmo, com o Escapulário do Carmo na mão.

O Papa Pio XII aconselhou o uso deste Escapulário.

Papa Pio XII, 11 de Fevereiro de 1950.

Não é coisa de pequena importância tratar-se da aquisição da vida eterna, segundo a tradicional promessa da Virgem Santíssima.

Trata-se, com efeito, da empresa mais importante e do meio mais seguro de a levar a cabo.

 

 

 

Em 1997 a Virgem Maria de novo nos exorta ao uso deste Escapulário.

José Luis, USA, Texas, 16 de Julho de 1997

 … venho com o Meu Divino Filho nos braços, para uma vez mais oferecer-vos o Meu Santo Escapulário, que é o Meu hábito e que desejo que como sinal da vossa consagração ao Meu Imaculado Coração o leveis sempre permanentemente nos vossos pescoços.

Meus filhos, hoje vos digo uma vez mais que as promessas que vos fiz sobre o Meu Escapulário continuam sendo uma realidade, por isso Meus filhos, propagai sem cessar o Meu Santo Escapulário, porque o momento chegou em que o mundo será salvo através do Santo Rosário e do Santo Escapulário.

Hoje vos digo também, que é uma boa obra rezar pelas almas do Purgatório. Orai por elas, que elas intercederão por vós diante do trono do Senhor.

É tradicional o Escapulário do Carmo ser imposto em cerimónia própria no dia 16 de Julho, Dia de Nossa Senhora do Carmo. Pode no entanto ser imposto em outra data.

 

O Escapulário Verde é um Escapulário de conversão e protecção.

Foi dado à humanidade através de uma visão da Santíssima Virgem à Irmã Justina Bisqueyburn, das filhas da Caridade de S. Vicente de Paulo durante o seu noviciado, no dia 18 de Janeiro de 1840.

A eficácia deste Escapulário, para além da protecção física de quem o usa, manifesta-se sobretudo em obter a conversão dos pecadores considerados impenitentes, ou já perdidos.

Juan Antonio, revelações pessoais

 Quanto ao Escapulário Verde e a oração quotidiana da sua inscrição, mais que outra coisa, é uma prova de fé e de perseverança da parte daqueles que remetam a esta devoção, porque toda a conversão e ou cura (espiritual ou física), resultando, faz-se no tempo de Deus e não no tempo dos homens.

A oração do Escapulário Verde é:

«Coração Imaculado de Maria, rogai por nós, agora e na hora da nossa morte».

Este Escapulário não implica um imposição, podendo ser distribuído por qualquer pessoa, e usado, depois de benzido por um sacerdote.

 

O Escapulário Vermelho ou da Paixão de Cristo, representa a Sua própria túnica vermelha, tingida com o seu sangue depois de ter suado sangue no Horto das Oliveiras.

Este Escapulário é poderoso e exige de quem o usa obrigações mais duras e exigentes.

 

CXII22 - A Água Benta é

A Água Benta é um sacramental. Tem de ser benzida por um sacerdote, seguindo os cânones da Igreja.

Usada com Fé, a Água Benta perdoa os pecados veniais de que estamos arrependidos, aumenta-nos a Graça Santificante e atrai-nos a Bênção Divina para a alma e para o corpo, põe em fuga o demónio, ajuda-nos a vencer as tentações e alivia o sofrimento das almas do Purgatório, tudo isto como resultante da eficácia que lhe confere a Bênção da Igreja que lhe aplica os méritos do nosso Divino Salvador.

Santa Teresa tinha-lhe especial amor como meio para pôr em debandada o demónio.

A Igreja aplica-a na Bênção das casas, dos campos, dos objectos e até nas exéquias, aspergindo o cadáver na intenção de aplicar à alma, ou a todas as almas que sofrem no Purgatório, à maneira de sufrágio, os benefícios da Redenção de Cristo.

S. Teodato

A Igreja serve-se da água benta nas exéquias, porque assim como a chuva suave refresca as flores ressequidas do calor, assim a água benta refresca as flores celestes ressequidas no Purgatório.

Reza a Tradição Carmelitana, que um dia, o Venerável Padre Domingos de Jesus, tinha uma caveira sobre a mesa da sua cela. Certo dia, ao ter aspergido essa caveira com Água Benta, a mesma começou a bradar suplicante: «Mais Água Benta, porque ela alivia o ardor das chamas horrivelmente dolorosas».

Em vários cemitérios do norte da Europa é costume ter nas campas um reservatório com água benta para as pessoas aspergirem a sepultura e rezarem um Pai-Nosso com o versículo: «Dai-lhes, Senhor, o Eterno descanso, entre os resplendores da Luz Perpétua. Descansem em paz. Amen».

Tenhamos no nosso quarto e noutros aposentos da nossa casa, uma piazinha de Água Benta. Habituemo-nos a usá-la com frequência ao acordar, ao deitar e noutras circunstâncias. Lancemo-la sobre o pavimento na intenção de aspergir o Purgatório e de sufragar as almas que lá estão, dizendo: «Dai-lhes, Senhor, o Eterno descanso...»

Usemo-la sobre nós com Fé e arrependimento.

Podemos usá-la na intenção de aspergir pessoas que queremos auxiliar com as nossas orações e sobretudo com os méritos do nosso Divino Salvador, mesmo que elas não se encontrem junto de nós.

A Água Benta usada com Fé é uma autêntica oração impregnada de humildade e clamor amoroso de confiança, na nossa Mãe a Santa Igreja.

Santa Teresa de Ávila, no livro da sua vida, capitulo 31

 «De muitas outras vezes tenho experiência de que não há coisa de que os demónios mais fujam do que da Água Benta, e para não voltar.

Da cruz também fogem, mas voltam. Deve ser grande a virtude da Água Benta e para mim é particular e muito conhecida a consolação que sente a minha alma quando a tomo.

...Digamos que é como se alguém estivesse com muito calor e sede e bebesse um jarro de água fria, que parece todo ele sentir refrigério. Considero eu que grande coisa é tudo o que está ordenado pela Igreja e consolo-me muito de ver que tenham tanta força aquelas palavras que assim a comunicam à água, para que seja tão grande a diferença que faz da que não é benta» .

Medjugorje ? de 1982

 Deveis proteger-vos com o jejum e a oração: sobretudo a oração comunitária. Andai com imagens benzidas. Ponde-as em vossas casas, e voltai ao uso da Água Benta.

Mensagem da Bem Aventurada Virgem Maria ao Frei David Lopez

 Os meus filhos devem continuar com arrependimento pelos seus pecados e rezar mais como eu recomendei. Devem arranjar Água Benta, e sacramentais benzidos, e ter uma especial devoção ao Sagrado Coração de Jesus, tendo sempre uma luz acesa em frente dEle.

 

CXII23 - O Terço como sacramental é

O Terço, objecto sacro com 59 contas, tem para além da sua função auxiliadora de contagem das Avé-Marias rezadas, uma função como sacramental e que é importante. Ele pode ser usado à volta do pescoço e em certas Aparições a Virgem Maria abençoa-os com bênçãos especiais, nomeadamente para os Três Dias de Trevas.

Juan Antonio, revelações pessoais

 A Imaculada Conceição dá-nos armas para nos defendermos do demónio, e convida-nos, para além de outros, a usar à volta do pescoço a Medalha Milagrosa, um crucifixo, o Terço, e o Escapulário Castanho do Carmo.

O Escorial é um local onde muitas vezes esta Bênção para os Três Dias de Trevas já foi dada. Outro local em Portugal onde a Virgem Maria já deu esta Bênção, foi na Aparição em Beja, em casa da família Sousa Lara, em que o vidente foi o José Luís Matheus, e em que foram benzidos centenas, senão milhares, de terços com esta Bênção especial.

 

CXII24 - Medalha Milagrosa é

A Medalha Milagrosa, representa Nossa Senhora das Graças e foi dada à humanidade através das Aparições da Virgem Maria à irmã Santa Catarina Labouré, na Rue du Bac, em Paris, a 18 de Julho de 1830.

Esta Medalha ao longo dos anos tem operado milhares de Milagres.

Juan Antonio, revelações pessoais

A Imaculada Conceição dá-nos armas para nos defendermos do demónio, e convida-nos, para além de outros, a usar à volta do pescoço a Medalha Milagrosa, um crucifixo, o Terço, e o Escapulário Castanho do Carmo.

 

 

CXII25 - As cinco armas da Virgem Maria é

Como resumo de todos estes meios de Salvação, é bom tomarmos conhecimento de um extraordinário ensinamento dado pelo José Luis Matheus na Igreja do Sacramento em Lisboa. Este Ensinamento é inspirado pela Virgem Maria e contém um resumo dos ensinamentos d'Ela ao longo dos anos das Aparições ao José Luis e ao Juan Antonio.

José Luis, Ensinamento na Igreja do Sacramento em Lisboa,

5 de Março de 1996

 (Retirei o testemunho da sua vida e como começaram as aparições).

A Mensagem que a Santíssima Virgem nos transmitiu, é uma mensagem para cada um de nós.

Ela me disse que é Mãe de todos os homens. Daqueles homens que a amam e daqueles que não a amam e que vem fazer-nos um chamamento de amor.

Ela nos disse, que nestes tempos, foi enviada por Deus à humanidade, porque há uma emergência. Estamos vivendo uns tempos muito especiais. Uns tempos de muita Misericórdia. Uns tempos de uma Graça extraordinária, mas também um tempo onde os homens se esqueceram de Deus e onde satanás está arrancando muitas almas para a condenação eterna.

A Santíssima Virgem disse que é a nossa Mãe e quer ajudar-nos. Mas para poder ser ajudados por Maria, necessitamos abrir os nosso corações. Necessitamos permitir a ela, dar-lhe autorização para que ela nos ajude. Porque Deus nos deu muitos dons e como Deus é Amor, nos ama com um Amor perfeito. O Amor perfeito é livre, não obriga e por isso Deus não nos obriga a que O amemos a Ele. Deixa-nos livres, ainda que nos tenha dito Nossa Senhora, que a verdadeira felicidade consiste em cumprir a Vontade de Deus.

Por isso é importante, que cada um de nós, disse Maria, reconheça que é pecador, que somos débeis, que sem Deus, sem Jesus, nada podemos fazer. E reconhecendo os nossos pecados, nossas misérias, peçamos perdão a Deus. Dessa maneira, que o convidemos a que entre nos nossos corações. Lhe digamos:

"Senhor Jesus, entra em meu coração, e muda com a tua Luz as minhas trevas. Faz de mim um coração puro, bom e obediente."

A Santíssima Virgem disse que, nestes tempos, o mundo se encontra submergido numa grande treva, que os homens dormem nas trevas do pecado e por isso ela veio para nos ajudar. Por isso é importante que saibamos que Jesus é a Luz e lhe peçamos a Ele que dissipe toda a treva das nossas almas e ponha nos nossos corações só Luz, para viver unidos a Ele.

A Santíssima Virgem disse muito triste: "Olha pequeno filho, o homem esqueceu que Deus existe e se ocupou unicamente de acumular riquezas, de ter poder, de escalar posições na sociedade. O homem esqueceu-se que tem um irmão que dele necessita. O homem esqueceu que Deus existe.

Por isso filho meu, reza, reza muito, porque muitos de meus filhos vão irremediavelmente para o inferno, porque não há quem reze por eles, quem se sacrifique, quem lhe leve as minhas Mensagens".

A Santíssima Virgem chamou toda a humanidade à conversão. Ela disse que é necessário que deixemos de pecar, que não cometamos mais pecados e que como disse em Fátima, não ofendamos mais a Deus, porque já está muito ofendido.

Ela disse que nos convida a renunciar ao pecado e a aceitar nos nossos corações a Jesus, a aceitar a vida da Graça.

E Maria nos disse, que a conversão é uma chamada a todos os seus filhos, para aqueles que amam a Deus e estão muito perto d'Ele e para aqueles que estão muito afastados, porque todos necessitamos de ser convertidos dia a dia.

Ela disse: "Pequenos meus, a conversão é um processo permanente, que só acabará no dia da vossa morte. Não antes. Porque cada dia deveis procurar ser melhores para alcançar a glória de Deus".

Pequenos meus, esta vida é muito curta comparada com a Vida Eterna, e vós viestes a este mundo para vos preparardes para ir para o Céu. Mas, para poder ir para o Céu, devemos ter vidas boas, vidas santas, conforme ao Evangelho e conforme aos mandamentos da Lei de Deus.

Nossa Mãe disse que o mundo não ama a Deus, porque não o conhece. Ela nos disse que ninguém pode amar quem não conhece.

Maria disse também que não podemos servir e amar 2 senhores. Por isso, nos convida Nossa Senhora a determo-nos um pouco. Ela disse que vivemos muito rapidamente e que não sabemos para onde vamos. Ela nos convida a olhar para dentro dos nossos corações e meditar o que estamos fazendo com as nossas vidas, a que pensemos se com a vida que estamos levando, realmente nos estamos preparando para ir para o Céu. E se não for assim, Ela nos convida a que deixemos a vida passada e comecemos a caminhar em direcção a Deus.

St. Agostinho dizia que a conversão é dar meia volta, porque Maria disse que nós, os homens, voltámos as costas a Deus. A Virgem nos convida a dar meia volta e caminhar para Deus e virar as costas ao mundo e ao pecado. Mas devemos pedir a Deus a graça da conversão.

Nossa Senhora disse que tudo o que temos é pela Graça de Deus e que a Graça de Deus devemos obtê-la. Para a alcançar, só através da oração.

Um cristão que não faz oração não pode dizer que é cristão, porque Cristo orava permanentemente, para estar unido ao Pai. Se nós queremos segui-Lo, devemos imitá-lo.

Nossa Senhora disse que a oração nunca deve ser uma obrigação, mas sim deve ser uma necessidade da alma. Da mesma maneira que uma pessoa que ama outra, deseja estar com ela, todo o cristão deve desejar estar com Deus através da oração.

Maria nos convida a orar com o coração, pois ela disse que a oração que não nos sai do coração, não é escutada por Deus, porque Deus só escuta a oração dos corações dos seus filhos, e como nós não sabemos orar, devemos pedir ao Espírito Santo que nos ensine a orar. Para que uma oração agrade a Deus não faz falta saber muito. O que faz falta, o que é necessário, é que venha do coração. Isso é o que interessa ao Senhor.

Maria disse: "Pequenos filhos, se vós orardes com amor, se vós orardes como eu digo, a vossa oração dará frutos abundantes de alegria, paz, gozo e amor."

Se nossa oração não dá esses frutos, provavelmente não estamos orando bem.

Quando formos rezar, ensinou-nos Ela, devemos rezar com o corpo, com a alma, com a mente e com o coração. Que todo o nosso ser esteja dirigido para Deus, e Deus que é nosso Pai e que nos escuta, nos tocará os nossos corações com sua Graça.

Muitas pessoas dizem: "A mim Deus não ouve", mas isso não é verdade.

Nossa Senhora disse que Deus escuta todas as orações que saem do coração e de maneira muito especial a Santíssima Virgem nos convida a rezar diariamente através do Santo Rosário.

Ela nos disse: "Pequenos filhos, o Santo Rosário é uma arma poderosa de salvação, através da qual podeis salvar as vossas almas e ajudar a que muitas almas sejam salvas no mundo inteiro. Pequenos meus, o Santo Rosário é uma arma poderosa contra satanás. O Rosário, meus pequenos, é uma escada para chegar ao Céu".

Maria nos disse que se rezamos o Rosário com amor, vamos sentir a sua presença e vamos sentir as suas carícias maternais que nos animarão, que nos ajudarão a caminhar em direcção à santidade.

Ela disse: "Que a santidade é um longo caminho e nesse caminho não estareis sós. Eu os levarei pela mão. Rezai todos os dias o Rosário com amor e permanecereis unidos a mim."

Nossa Senhora nos disse numa ocasião, que cada vez que rezamos o terço, lhe oferecemos a ela uma coroa de 50 rosas de amor, que são as 50 Avé Marias e 5 palmas que são os 5 glórias. Ela disse que com as palmas, adorna as rosas e vai defronte do trono de Deus para adorná-lo, interceder pelas nossas necessidades. Quando ela nos disse isto, eu estive pensando que seguramente o meu anjo da guarda, (ela nos disse que todos temos um anjo da guarda) que o anjo levava as rosas ao céu. Aí pensei que se rezasse muito rápido, ele tinha que se apressar, correr, para chegar ao Céu. Como as rosas são uma flor tão delicada, no caminho, as pétalas podiam começar a cair e ao chegar ao Céu, o anjo só teria uns ramitos. Aí eu pensei que seria uma vergonha a Virgem ter de ir diante de Deus com um bouquet de ramitos para Lhe pedir por mim. Foi então que comecei a rezar mais devagar.

Da mesma maneira que não podemos viver sem respirar, a nossa alma não pode viver sem oração.

Muitas vezes vemos na televisão as crianças que morrem de fome, muitas vezes as nossas almas são como essas crianças que morrem também de fome. Necessitamos alimentar as nossas almas com a oração.

E a Santíssima Virgem disse que o Santo Rosário é uma oração tão poderosa, que até as guerras podem ser detidas se o rezarmos com o coração. Mas é fundamental que o rezemos com verdadeiro amor. Não rapidamente. Não pensando no tempo. Deus não tem tempo. E se vós abrirdes os vossos corações a Deus, sentirão esse Pai que é Amor e Misericórdia. Sentirão essa Mãe que cuida de cada um de vós, como uma mamã cuida do seu bebé.

Por isso a Santíssima Virgem sempre nos disse que somos os seus pequeninos, porque a nossa fé é muito pequenina como um bebé. Necessitamos crescer e fortalecer a nossa fé. E se queremos ir para o Céu, necessitamos da Graça de Deus. E a Graça de Deus há que obtê-la com a oração.

Nossa Senhora disse, que Deus Nosso Pai tem desígnios de Amor e Misericórdia com todos os seus filhos do mundo inteiro, mas esses planos de Deus serão realidade nas nossas vidas na medida em que nós oremos. O Plano de Deus é de que todos sejamos santos.

A Virgem disse: "Devem desejar a Santidade."

Ser santo não significa fazer milagres. Não. Isso é algo que Deus acrescenta por sua Misericórdia. Mas ser santo é viver, viver sem ser em cada um de nós, mas sim viver em Deus, de tal maneira que a nossa vida seja Ele e que a nossa Vontade não seja a nossa, mas a Sua. Vivendo na Sua Vontade, seremos santos.

E Nossa Senhora disse que todos devemos ser santos, começando pelos sacerdotes, os religiosos. Os matrimónios devem ser santos, os jovens, devemos ser santos, as crianças devem ser santas. Porque não só os sacerdotes estão convidados a ir para o Céu. Todos estamos convidados e Maria nos faz uma chamada especial a viver a santidade no matrimónio. Ela pede que se reze o Santo Rosário em família, porque nos disse que satanás quer destruir as famílias.

Não sei qual será a situação aqui em Portugal, mas na Venezuela há muitos divórcios que é uma obra do demónio, porque ela nos disse que quando satanás destrói um lar, cria confusão em cada membro desse lar e dessa maneira os pode afastar de Deus e destrói a fé dos homens de amanhã, as crianças e os jovens.

Nossa Senhora disse que os pais devem rezar com os filhos. Devem ir à Igreja com os filhos. Devem falar sobre Deus nos vossos lares. Deve haver um lugar para Deus. Em muitos lares não há. Que Deus seja o centro da nossa casa. Que Ele habite connosco e que no matrimónio o sirvamos a Ele para nos podermos santificar e poder com Ele ir para o Céu.

A Santíssima Virgem disse que não nos promete que não vamos ter problemas. Ela disse que todos teremos problemas. Mas sim, nos promete, estar presente ao nosso lado para nos ajudar a resolver esses problemas em nome de Jesus.

Por tudo isto é importante a oração e em todas as mensagens que Nossa Senhora nos deu, pelo menos uma vez em cada mensagem, disse: "Rezem."

Vós não compreendestes a importância da oração e como tudo vem de Deus, devemos pedir a Deus que aumente o nosso amor pela oração. Que aumente o nosso desejo de rezar, porque nós sem Ele nada podemos fazer.

E além da oração, Maria disse que deseja que conheçamos a Jesus, que o imitemos e dessa maneira possamos amá-Lo.

Nossa Senhora nos convida a ler as Sagradas Escrituras. De maneira especialíssima os Evangelhos. Ela disse, que lendo os Evangelhos, meditando-os, poderemos conhecer a Jesus e assim, enamorarmo-nos d'Ele. Poderemos amá-Lo.

Sabem o que disse Jesus? Jesus disse na sua Palavra:

"Aquele que me ama, guardará a minha Palavra no seu coração e a cumprirá".

Quando eu leio isto, digo: "Senhor que pouco eu Te amo".

Maria nos disse: "Pequenos filhos, se vós vivêsseis de acordo com os mandamentos e com os Evangelhos, as minhas aparições não seriam necessárias."

E neste momento, ela está aparecendo pelo mundo inteiro.

Ela nos disse, que tudo aquilo que nos pede, está escrito nas Santas Escrituras, por isso ela disse: "Os homens esqueceram-se de Deus, da sua Lei e da sua Palavra, e quiseram viver de acordo com a sua própria vontade. Pequenos filhos, o mundo caminha para a sua própria destruição. Eu vim como Mãe de Deus a chamá-los para que abandonem o pecado e para que se decidam a seguir o meu Filho Jesus."

Maria nos ensinou, que conhecendo os Evangelhos, conheceremos a Jesus e o poderemos amar. Mas se não conhecemos os Evangelhos, não podemos amar a Jesus.

Numa ocasião, Nossa Senhora veio a minha casa e perguntou-me:

"Pequeno filho, conheces os mandamentos da Lei de Deus?" E eu respondi:

"Sim Mãe, eu conheço-os." Ela sorriu e disse-me:

"Diz-me então todos os mandamentos."

Eu comecei a dizê-los, mas só sabia 6. Então senti muita vergonha e queria-me esconder. Não queria que ela me visse. Então ela disse-me:

"Dás-te conta, pequeno filho, como não os conheces. Deves conhecê-los, meditá-los e vivê-los. Se neste momento a Virgem viesse ter connosco, aqui e agora, e lhes perguntasse: "Conhecem vós os Mandamentos da Lei de Deus?" Que sucederia?...

Jesus disse: " Sêde perfeitos, como perfeito é o Vosso Pai que está no Céu."

Nossa Senhora nos disse: "Se não conheceis a Lei de Deus, não podeis vivê-la. E se não viveis de acordo com a Lei de Deus, estais em pecado. E se estais em pecado, não podeis ir para o Céu." É por isto que necessitamos, não só sabê-los de memória, mas também meditar cada mandamento e viver cada um deles no nosso coração.

Além disto, a Santíssima Virgem, convida-nos ao sacrifício e à penitência, de maneira especial, para alcançar a conversão dos pobres pecadores e em reparação dos muitos pecados com que diariamente Deus é ofendido.

Nossa Senhora disse: "Pequenos filhos, só há um caminho para ir para o Céu. É o caminho da Cruz. Se vós não sois capazes de tomar as vossas cruzes com amor não podeis dizer que amais o Meu Filho. Quando eu lhes peço sacrifícios, pequenos meus, não quero dizer que devem sofrer todo o dia, porque em vossa vida já têm muitos sofrimentos. Eu vos convido a que aceiteis os vossos sofrimentos com paciência e amor e os ofereçais ao Senhor. Que cumpris os vossos deveres diários e os ofereçais ao Senhor. Dessa maneira, estareis carregando as vossas cruzes e vos podereis santificar."

Mas também a Nossa Mãe nos chamou de uma forma muito especial ao jejum.

Ela disse que é muito necessário jejuar, porque todos temos alma e corpo.

E que diz o Senhor na sua Palavra? "Orem, pois o espírito é forte, mas a carne é fraca." Muitas vezes, as nossas almas são escravas do nosso corpo. Por isso não podemos ir para Deus.

Maria disse: "Pequenos filhos, através do jejum, começareis a dominar as vossas próprias paixões. Através do jejum, rompereis as cadeias dos vícios e do pecado. Portanto, o jejum é um meio de libertação. É um meio de purificação".

Maria disse que nós temos corações duros e que através do jejum, os nossos corações que estão endurecidos pelo pecado, se abrem à Graça de Deus e à Acção do Espírito Santo. Através do jejum, disse Maria, a vossa fé se fortalecerá e tereis a força necessária para resistirem às tentações e ao pecado.

Além disto, diz Nossa Senhora, que se rezamos e jejuamos com o coração, poderemos alcançar Graças do Céu, porque para Deus, nada é impossível. Ela, ao princípio, pedia-nos para jejuar às 6ªs feiras. Fazia-mo-lo a pão e água.

Mas mais adiante, ela nos disse: "Quero que jejueis 2ª, 4ª e 6ªs feiras, desde as 6 da manhã às 6 da tarde, com pão e água". Ela disse que podemos comer pão, o que necessitemos, bem como toda a água que necessitarmos.

Depois das 6 da tarde, podemos comer o que nos apetecer. Quando ela me disse isto, eu estava a escrevê-lo num caderno. Enquanto escrevia, pensava: "Isto vai ser muito difícil". Quando terminei de escrever, Nossa Senhora, parou em silêncio e eu fiquei a olhá-la para que me continuasse a falar. Ela estava sorrindo e me perguntou: "Pequeno filho, pensas que o que te peço é difícil?" Eu lhe disse: "Sim Mãe. Creio que sim." Então ela respondeu: "Entende uma coisa, pequeno filho, que o que eu te peço, só será difícil até ao dia em que o ofereças com verdadeiro amor a Deus."

Nossa Senhora disse, que o que ela nos pede é para o bem das nossas almas e que não é difícil. Satanás é o inimigo das nossas almas. Ele nos faz pensar que é difícil para que não o cumpramos, para que não o façamos. Mas com a graça de Deus, não é difícil. E além disso, ela disse que se alguma pessoa, por causa de alguma doença não puder fazer estes jejuns, deve oferecer a Deus a sua doença e as suas dores coma amor e sem se queixar.

Como acostumámos o nosso corpo à comodidade, quando começamos a jejuar, o corpo não fica tranquilo, começa-nos a molestar e ao princípio, muitas pessoas sentem dores de cabeça, outros sentem muita fatiga. Eu sentia muita fatiga.

Um dia, era uma 6ª feira, pela manhã, quando me levantei já tinha fatiga e disse: "Se a esta hora já tenho fatiga, às 6 da tarde, desmaio."

Então pensei, que como a Santíssima Virgem é a minha mamã, ela pode-me dar permissão para comer. Comecei a pedir-lhe. Ao meio dia, ela veio e eu fiquei muito contente porque ela me ia dar licença para comer. Então ela me perguntou: "Pequeno filho, encontras-te fatigado pelo jejum?" Eu disse-lhe: "Sim, Mãe." Ela disse-me: "Entende pequeno meu, que cada vez que fazes um jejum, estás travando uma batalha contra satanás, da qual sairás triunfador às 6 da tarde. Se sentes fatiga pelo jejum, não te preocupes. Segue em frente. Isto quer dizer que estás alcançando grandes graças do Céu."

Devemos saber confiar na palavra de Jesus. Jesus disse: "Sem Mim, nada podereis fazer." Sem Jesus não vamos poder jejuar. Devemos pedir a Jesus que nos dê a força para jejuar. O jejum traz muitas recompensas espirituais. Através da oração do Rosário e do jejum, em vez de subirmos escadas, vamos como se fosse de elevador para o céu... Chegamos mais rápido e com menos trabalho.

Então, devemos orar, ler as Sagradas Escrituras e jejuar.

Mas há também muitas outras maneiras de jejuar.

Se gostamos muito de comer doces,... "Senhor esta semana não vou comer doces e vou dá-los aos pobres." Fazemos duas coisas boas: jejuamos e fazemos caridade.

Se as senhoras gostam muito de ver telenovelas,... "Senhor, não vou hoje ver telenovela, e vou dedicar, hoje, esse tempo à oração".

Se gostamos de fumar,... "Hoje Senhor, não vou fumar." Desta maneira vamos fortalecer a nossa vontade para podermos derrotar o pecado.

Um jejum que agrada muito a Deus, é o jejum da língua. Que não falemos mal dos nossos irmãos. Isso agrada muito a Nosso Senhor.

Além disto, a Santíssima Virgem, falou-nos sobre a importância de receber os sacramentos com frequência, sobretudo a confissão e a comunhão.

Sobre a confissão, Maria disse-nos, que é um presente de Deus para nós. Que é muito necessário que nos confessemos com frequência, pelo menos, no mínimo, uma vez por mês. Mas disse: "Que se vós quereis ser santos de verdade, se quereis alcançar a perfeição da santidade, eu os convido a que se confessem todos os 8 dias". Muitas pessoas dizem: "Em oito dias não tenho pecados que confessar". Nossa Senhora disse, que sim, temos pecados. O que não temos é consciência dos nossos pecados. por isso é importante conhecermos a palavra de Deus, conhecer os mandamentos da Lei de Deus. Orar, jejuar e ser sinceros e honestos, porque ela disse que: "A Deus não podeis enganar".

Maria nos disse que a confissão é um acto de humildade, através do qual Deus perdoa os nossos pecados e restaura nas nossas almas a graça que por causa do pecado havíamos perdido.

Porque é que a Virgem disse que é um acto de humildade. Porque a nenhum de nós agrada reconhecermos que somos pecadores. Porque Jesus disse: "Quem se exalta, será humilhado. Mas quem se humilha, será exaltado". Como na confissão nos humilhamos, Deus nos exalta com a sua Graça. Nos ajuda a sermos mais santos.

A Virgem disse: "satanás fez pensar muitas pessoas que não necessitam de se confessar com o sacerdote, mas que o podem fazer directamente a Deus. Mas ela disse que isso é um tremendo engano do demónio, porque os sacerdotes são os ministros de Deus e são os únicos que têm o poder de perdoar os pecados em nome de Jesus."

A Virgem disse que satanás é o pai do orgulho, da soberba, e quando nós fazemos um acto de humildade, ele afasta-se de nós, porque não suporta a humildade. Por isso, à Santíssima Virgem, não a pôde vencer, porque ela foi a mais humilde entre todas as criaturas. Através deste acto de humildade, disse ela, crescemos em Graça de Deus e em Santidade e nos preparamos para poder receber o Corpo de Jesus.

A Virgem Santíssima disse-nos que quer que saibamos que a Santa Missa é a mais perfeita de todas as orações. Que cada vez que estamos na Santa Missa, o Céu se abre e se une à Terra, de tal maneira que temos um pedacito de céu aqui na Terra e que nesse pedacito de Céu se encontra presente a Santíssima Trindade, Deus Pai, Filho e Espírito Santo, rodeados por todos os anjos que existem no Céu, e por todos os santos.

Nossa Senhora disse que Jesus está realmente vivo no Santíssimo Sacramento do Altar. Que não é um símbolo, como muitas pessoas pensam. Que Ele, cada vez que nós vamos a receber o seu Corpo, nos está dando o seu próprio Coração.

Ela disse, que Jesus na Eucaristia, é o mais precioso presente que Deus nos deu. E que receber o Corpo de Jesus, ainda que seja uma só vez nas nossas vidas, é uma Graça muito maior que ter uma aparição dela. Porque na Eucaristia, é Jesus Vivo, o Pão Vivo baixado do Céu, que vem viver dentro de nós e formar connosco um só.

Se querem pois ir para o Céu, eu lhes dou dois segredos:

- Amem a Santíssima Virgem e rezem o Santíssimo Rosário, e

- recebam com frequência a Jesus sacramentado.

Estes dois segredo os ajudarão e fá-los-ão santos. Sobretudo, recebendo a Jesus com frequência.

A Virgem disse que devemos receber a Jesus, pelo menos, cada domingo, mas se for possível, todos os dias. Porque Ele está realmente vivo e para Ele não há nada impossível.

Ela nos disse que quer que venhamos à igreja. A igreja está só e que a igreja é a casa de Deus. É uma casa de oração. Disse: "Vinde, pequenos filhos, adorar o meu Filho Jesus no Santíssimo Sacramento do Altar."

A 6ª feira passada, era a primeira sexta do mês e eu fui à Santa Missa. Quando estava adorando a Jesus dentro de mim, pois já O tinha recebido, Ele me mostrou algo muito formoso. Eu vi que o Sacrário, o tabernáculo não tinha porta, estava aberto, e dentro do tabernáculo havia um coração muito grande, com um grande fogo que saía dele, e Ele então me disse: "Aqui estou, meu filho, incendiado de labaredas ardentes de amor por ti. Vem. Aproxima-te, porque Eu te quero transmiti-las."

Muitas pessoas dizem que a Igreja tem muitos tesouros. Que a Igreja tem muitos bens materiais. Eu penso, que se os tem, é porque Deus lhos quis dar. Mas todas essas riquezas que tem a Igreja não valem nada. O verdadeiro valor da Igreja, a verdadeira riqueza é Jesus, vivo. Ele é a vida da Igreja. Ele é a vida das nossas almas. Permaneçamos unidos a Ele, para poder ser santos e poder dar frutos, através dos quais glorifiquemos o Nosso Pai que está no Céu.

Sobre a Eucaristia, disse-nos que satanás a quer destruir. Jesus me disse, que vão haver pessoas, haverão homens que dirão que o Evangelho não é Palavra de Deus e dirão que Jesus não está vivo na Eucaristia. Ele nos disse:

"Não se deixem enganar. Eu Estou realmente vivo e presente na hóstia consagrada."

Assim teremos pois 5 armas poderosas:

1 - Oração, especialmente do Santo Rosário.

2 - As Sagradas Escrituras e os 10 Mandamentos de Deus. Meditação e cumprimento.

3 - Sacrifício, especialmente o jejum.

4 - A Confissão.

5 - A Eucaristia.

Com estas 5 armas, podemos salvar as nossas almas. Mas Nossa Senhora disse:

"Pequenos filhos, se receberem todos os dias o Corpo do meu Divino Filho Jesus, rezarem o Santo Rosário, jejuarem e se confessarem com frequência, conhecerem os Mandamentos e as Escrituras, mas não tiverem Caridade, de nada lhes servirá o anterior. Devem amar todos os vossos irmãos por igual, brancos e negros, rico e pobres e só devem ter preferência por o meu Pai Celestial, por o meu Divino Filho Jesus e se vós o quiserdes, por mim."

Disse Nossa Senhora, que se cumprirmos com tudo o que nos disse, mas se não tivermos caridade, não estamos amando a Deus. Ela disse que devemos viver a Caridade. Cumprir com as obras de Misericórdia. Dar de comer aos famintos. Dar de beber ao sedento. Vestir o que está nu. Visitar os enfermos. Visitar os encarcerados. Ensinar os que não sabem. Dar concelho a quem o necessite. Orar pelos defuntos. Viver a Caridade.

E na Caridade, disse Maria, deveis tê-la, nas obras, no falar e no pensar. Não faleis nada de mal sobre os vossos irmãos.

E devemos ter Caridade também para perdoar. Da mesma forma que Jesus, na cruz, nos perdoou, nós devemos e necessitamos perdoar para que Deus nos perdoe.

Ela disse, que quando guardamos ódio ou rancor nos nossos corações, é como se entregássemos o coração a satanás. Porque o ódio e o rancor não provém de Deus, vêm do demónio. E ela disse, que vós não podeis dizer que amam a Deus e odiar o seu irmão, porque os vossos corações não podem estar divididos. Não podem amar e odiar ao mesmo tempo. Ou amam, ou odeiam. Jesus disse: "ou estais coMigo, ou estais contra Mim." Há que perdoar.

Nossa Senhora disse, que através do ódio, uma pessoa pode mesmo adoecer fisicamente, e pode mesmo chegar a morrer. O ódio é muito grave. Há que perdoar.

E finalmente, a nossa Mãe disse que ela quer proteger-nos da confusão, porque satanás sempre semeia a confusão nos corações. Da confusão entramos na dúvida. E da dúvida passamos a perder a Fé. Para evitar a confusão, disse Maria, eu convido-vos a que se consagrem ao meu Imaculado Coração. Consagrem as suas famílias e suas comunidades ao meu Coração Imaculado. O Meu Imaculado Coração será o vosso refúgio e o caminho mais seguro para ir para o Céu.

Convida-nos também Maria a sermos obedientes, como Jesus e como ela.

Diz Nossa Senhora, que nos convida a permanecermos unidos, fiéis e obedientes ao Papa João Paulo II. Ela disse que ele é o Pastor que Jesus nos deu para levar-nos à santidade. Que devemos obedecer ao Papa e a todos os cardeais, bispos e sacerdotes que sejam obedientes ao Papa. Porque o Papa tem a Luz do Espírito Santo para guiar-nos para a santidade. Maria disse que ele está muito só. Que tem muitos inimigos e que devemos orar por ele, porque ele mantém, porque ele conserva a doutrina da Fé.

Nestes tempos, disse Maria, muitas falsas doutrinas estão invadindo a humanidade. A metafísica, o controlo mental, o espiritismo, a bruxaria, a magia negra, todas essas superstições parecem lobos disfarçados com peles de cordeiro, que parecem ser muito bons, mas que na realidade, no fundo, nos afastam de Deus. Por isso Maria disse: "Se vós quereis viver a verdadeira e autêntica fé, sigam o Papa. Sejam obedientes a ele."

Este é a Mensagem de Amor de Maria. Uma Mensagem para cada um de nós.

Peçamos a Deus que nos dê a força para sermos fiéis. Para valorizar a sua Graça e para secar as lágrimas de Maria que chora por nós todos, porque não queremos lhe obedecer, porque não queremos escutar o seu chamado e porque muitas almas, dia a dia, continuam se condenando ao inferno.

Se obedecermos, podemos ajudar a salvar as nossas almas e a que muitas outras almas se salvem também. E dessa maneira aliviar o Coração de Maria e o Coração de Jesus, que nos amam imensamente e sofrem muito por nós.

Há muito mais coisas, que é impossível serem todas reveladas esta noite. Mas estas são as fundamentais.

E gostaria de acabar oferecendo-lhes uma imagem que Nossa Senhora nos pediu que ajudássemos a propagar.

Esta imagem dos dois Corações Unidos é um presente de Deus Pai para a humanidade, nestes tempos.

Jesus deseja que esta imagem chegue a todos os lares do mundo inteiro, porque através dela, Deus vai derramar as suas graças nos lares onde se encontrem.

A Virgem Maria disse que Jesus quer que esta imagem esteja num lugar privilegiado da nossa casa e que prometeu que em todas as casas onde os Corações de Jesus e Maria sejam honrados e venerados, Deus derramará abundantes graças e bênçãos.

Roguem a Deus Misericórdia para as vossas famílias.

Quero lhes pedir que escutem a Mensagem de Maria. Que a vivam nos vossos corações, caminhando para a verdadeira felicidade que é amar a Deus.

Não deixem que as palavras de Nossa Senhora sejam levadas pelo vento, mas que consigam se alojar nos vossos corações.

Rezem muito por nós e que Deus os abençoe.

 

Não deixem que as palavras de Nossa Senhora sejam levadas pelo vento, mas que consigam se alojar nos vossos corações.

 O caminho mais curto entre dois pontos de um plano, é um segmento de recta. O caminho mais curto entre dois pontos do Globo Terrestre, é uma loxodrómica. O caminho mais curto entre nós e Jesus, é através da Nossa Mãe do Céu, a Santíssima Virgem Maria.

Vamos olhar para a Virgem Maria com os olhos de Deus.

 

EPÍLOGO

O Papa Paulo VI um dia afirmou:

"ù Mais vale acreditar numa mentira, do que não acreditar numa Verdade. Pois Deus, por termos acreditado na mentira, há-de recompensar-nos pela nossa Fé, mas, por não termos acreditado na Verdade, há-de pedir-nos contas da nossa incredulidade".

"ù Por isso, homem, este é um tesouro que entrego à tua guarda!

Podes condenar-te com ele nas mãos, ou, Salvar-te, se o depositares no teu Coração!

A Escolha é tua…"

ç  é è   C